ESTRESSE Zebra morre de insuficiência cardíaca após fugir de circo e ser perseguida

Quatro zebras tentaram escapar de um circo de Natal numa cidade da Alemanha, uma zebra morreu devido ao estresse da perseguição.

Quatro zebras foram avistadas trotando pela cidade, passando pelo Parlamento e à beira do rio Elbe em Dresden, Alemanha. Elas haviam fugido de um circo. A polícia foi acionada e as zebras foram capturadas, mas uma morreu de insuficiência cardíaca devido ao estresse da perseguição.

Zebra correndo pela cidade

Todos os quatro animais deveriam participar da primeira apresentação quando eles aproveitaram a oportunidade para fugir e galoparam para fora da tenda do circo em busca de sua liberdade, mas a tentativa acabou em tragédia.

Uma das zebras foi flagrada passando pela praça da cidade. Ela foi filmada por Elisabeth Spann, que postou o vídeo em seu Instagram. Valentin Lippmann, membro do parlamento do estado da Saxônia, compartilhou no Twitter uma foto de duas zebras correndo ao longo do rio Elbe.

Duas zebras correndo ao longo do Rio Elbe

“Um total de sete carros de patrulha da polícia e uma equipe montada de cavalos imediatamente fizeram o seu caminho e procuraram pelos animais”, disse um dos policiais envolvidos na operação, acrescentando que os funcionários do circo ajudaram na recaptura.

Um dos animais teria sido rapidamente recapturado, mas os outros três tiveram que ser encurralados pela polícia ou pelos funcionários do circo nas margens do rio Elbe, nas proximidades.

Fonte: ANDA

Anúncios

CRUELDADE Briga entre tigre e leão em circo evidencia problemas da exploração de animais para entretenimento

Enquanto o treinador e chefe do circo afirma que o incidente ‘não foi nada mais preocupante do que uma briga entre dois homens’, é importante observar que ele é um exemplo dos perigos de se manter animais em cativeiro, sob torturas severas e impedidos de agir naturalmente

Durante uma performance em um circo russo, um tigre atacou um filhote de leão e o agarrou pela garganta, deixando a multidão que os assistia assustada e aflita. O incidente aconteceu na capital do país, Moscou, durante o show dos irmãos Zapashny – famoso pela exploração de animais.

Em um vídeo capturado no momento, é possível ver um dos artistas liderando um jovem leão através do ringue, quando de repente um tigre, até então sentado no lado pula sobre o animal inocente. Conhecido como Dieter, o grande felino se lança em cima do jovem David, e o joga no chão violentamente, mordendo o pescoço. Um dos mestres do ringue começa a atirar objetos contra ambos.

David consegue se esquivar de Dieter por alguns segundos e tenta fugir, mas o tigre continua em busca do jovem leão. Dieter então lança outro ataque ao leão com os dois rolando no chão enquanto eles lutam, e outros tigres e leões no ringue fogem da briga.

Ambos os artistas de circo continuam atirando objetos nos grandes felinos de luta, sem sucesso, até que o treinador de animais Askold Zapashny, de 40 anos, atira uma bala de borracha no ar e os dois se separam. Segundo relatos, Dieter, o tigre, é conhecido por começar brigas e decidiu mostrar “sua autoridade” ao jovem leão David.

Enquanto o treinador de animais e chefe do circo Edgard Zapashny, de 42 anos, afirma que o incidente não foi nada mais preocupante do que uma briga entre dois homens, é importante observar que ele é um exemplo dos perigos de se manter animais em cativeiro, sob torturas severas e impedidos de agir naturalmente.

Tigres e leões são animais selvagens, com impulsos muitas vezes agressivos, e que devem viver em liberdade. O enclausuramento e os treinamentos pesados – envolvendo abusos e maus-tratos -, em conjunto com a exposição a um público e a repetição de atividades que não fazem sentido para o animal, acabam fazendo com que ele reaja de maneiras perigosas tanto para ele, os outros animais presentes e até mesmo seus treinadores e espectadores.

Fonte: ANDA

Nota: O artigo da ANDA contem um vídeo que não é possível apresentar!

MAUS-TRATOS Elefante cai em cima da plateia durante apresentação de circo na Alemanha

Em nota pública, porta-voz do circo Krone disse que o comportamento é “comum”, mas organizações em defesa dos animais alertam para o perigo e a crueldade da exploração para entretenimento de pessoas

Um vídeo em circulação nas redes sociais capturou o momento em que um elefante caiu do palco em cima de uma multidão durante uma apresentação do Circo Krone, na Alemanha. O animal que sofreu o acidente, Tompteusen, aparentemente saiu ileso. Mas outros dois elefantes, também explorados no espetáculo, precisaram ajudar o animal caído a se levantar – ele estava tão exausto que não conseguia se colocar de pé sozinho.

Passado o momento de pânico, os treinadores subiram no palco e controlaram a situação, relatando em entrevista a um jornal local que aquele comportamento dos elefantes era “comum”. No entanto, muitas organizações e pessoas em defesa dos direitos animais discordam dessa afirmação.

“Inúmeras vezes vimos que manter animais selvagens em cativeiros e forçá-los a realizar truques sem sentido pode fazer com que desenvolvam comportamento neurótico e depressão”, comenta Elisa Allen, diretora da People for the Ethical Treatment of Animals (PETA) UK, sobre o incidente no Circo Krone.

“Evidências científicas nos dizem que suas necessidades nunca serão atendidas em um circo, por isso não é surpreendente quando eles simplesmente ‘surtam’ após anos encarcerados e abusados ​​nas mãos de treinadores cruéis armados com anzóis”, ela completa.

A ONG PETA não foi o único grupo a se pronunciar publicamente sobre o terrível acontecimento. A Animal Defenders International, do Reino Unido, e outras organizações ao redor do planeta, interessadas no bem-estar dos animais, estão exigindo que os governos em todo o mundo proíbam a exploração deles nestes atos.

De acordo com o presidente da ADI, Jan Creamer, “explorar animais selvagens em circos é uma receita para o desastre, colocando os animais e o público em perigo. A ADI apela aos governos em todo o mundo para acabar com os atos de animais selvagens urgentemente e acabar com o sofrimento”.

Os elefantes e os outros animais selvagens que geralmente são explorados por circos vivem em péssimas condições: suas acomodações são muitas vezes apertadas, eles não recebem comida ou cuidados veterinários, e os métodos usados ​​para treiná-los para realizar os truques para o entretenimento do público são, na maior parte das vezes, bárbaros e cruéis.

Animais que crescem em circos são arrancados de suas mães muito antes do que deveriam. As torturas mentais e físicas que eles sofrem, combinadas com o risco para o público – como este show em Osnabrück demonstrou – significam que precisamos lutar contra a exploração e optar por eventos livres de crueldade.


Momento em que o elefante cai, e os dois outros companheiros tentam ajudá-lo

Essa não foi a primeira vez que o circo Krone teve problemas com elefantes. Há cerca de um mês, outro animal tentou escapar durante uma apresentação e, por um tempo, conseguiu desfrutar do gosto da liberdade. “A elefante, chamada Quênia, surpreendeu os moradores de Neuwied, no oeste da Alemanha, enquanto caminhava por bairros e interrompia o trânsito em ruas movimentadas”, relatou a PETA em junho. Infelizmente, ela foi capturada em pouco tempo e levaram-na de volta para o circo, acabando com os seus poucos minutos livre.

O lugar dos animais é na natureza, agindo conforme seus instintos e, não, dentro de gaiolas ou espaços apertados, sendo obrigados a terem comportamentos que são completamente absurdos para eles. É preciso clarear a consciência para entender e respeitar os direitos animais. Eles não são objetos para serem expostos e servirem ao prazer de seres humanos. As pessoas podem obter alguns minutos de entretenimento, mas para eles é uma vida inteira de exploração e abusos condenados pelo egoísmo humano.

Fonte: ANDA

Nota: O sublinhado é da minha responsabilidade!

 

 

CONTEÚDO ANDA Tigre é brutalmente chicoteado para realizar truques em circo

https://i0.wp.com/www.anda.jor.br/wp-content/uploads/2017/01/tt-2.jpg

Funcionários de um zoológico chinês foram vistos espancando um tigre branco para forçá-lo a se apresentar em um show.

Usuários das mídias sociais locais ficaram indignados depois do surgimento de um vídeo mostrando os treinadores do Hangzhou Safari Park chicoteando o raro animal no palco.

O parque, um local cênico com grande reputação na China, negou tratar cruelmente o tigre e insistiu que o vídeo tinha capturado um incidente acidental, de acordo com o People’s Daily Online.

O vídeo foi originalmente publicado no Weibo, uma plataforma chinesa de microblogging, por uma conta chamada ‘rescue performance animals project’, uma organização de proteção animal de Pequim, de acordo com as descrições da página.

No início do vídeo, o tigre branco, aparece amedrontado e tenta puxar um chicote da mão de um instrutor. Ao perceber isso, outro treinador se aproxima e chicoteia o animal.

https://i2.wp.com/www.anda.jor.br/wp-content/uploads/2017/01/t2.jpg

GRANDE NOTÍCIA, VINDA DOS ESTADOS UNIDOS! RINGLING BROS.CIRCUS CLOSES.

Dear Mário,

We have outstanding news! This evening, Ringling Bros Circus announced that they will CLOSE IN MAY ending a 146 year tradition (of abusing animals).

We would like to express our deepest gratitude to all of the animal advocates we have worked with over the last four years to protest at every Ringling show. Our collective voices have been heard! And the world is awakening to the fact that animal cruelty is NOT entertainment.

While we celebrate this news, let us be mindful that there are numerous other circuses that still travel the U.S. making use of elephants, tigers, camels, and other animals. We MUST keep up the fight until ALL animals are free forever of circus life. CompassionWorks International will continue to monitor each and every traveling circus and the unfortunate animals held captive by them. We will do this work until traveling circuses are relegated to the history books, where they belong.

Again, thank you, animal advocates, for standing strong with us against circus cruelty. Together, we are their voice!

For the animals,
Carrie LeBlanc, M.A.
Executive Director
CompassionWorks International

ACP APOIA O CIRCO VICTOR HUGO CARDINAL QUE ESCRAVIZA ANIMAIS

Carta à Direcção da ACP

Peço a colaboração de todos

Escrevam para:

acpporto@acp.pt, apoio.socio@acp.pt, acpamoreiras@acp.pt, acpvilareal@acp.pt, acpviana@acp.pt, acpviseu@acp.pt, acpguarda@acp.pt, acpcbranco@acp.pt, acpcoimbra@acp.pt, acpevora@acp.pt, acpfaro@acp.pt, acpbraga@acp.pt, acpalmada@acp.pt, acpsantarem@acp.pt, acpbraganca@acp.pt

CIRCO.png

À Direcção do ACP,

Foi com enorme desagrado que tive conhecimento de que o ACP ofereceu bilhetes com desconto para o Circo Victor Hugo Cardinali, que utiliza animais de várias espécies nos seus espectáculos, retirando-os dos seus habitats naturais e escravizando-os barbaramente.

São do conhecimento publico as condições degradantes em que vivem estes animais, e o modo como são torturados para que façam o que não nasceram para fazer, e custa a acreditar que uma empresa socialmente responsável, como o ACP, promova e apoie este tipo de barbárie.

Daí que recuse a ser cliente do ACP enquanto esta empresa continuar a ser conivente com maus tratos a animais, e solicito que revejam com urgência a vossa postura no que respeita a esta matéria.

Porque é urgente EVOLUIR.

Agradeço uma resposta a esta solicitação que, espero, seja positiva.

 

Com os meus cumprimentos,

Isabel A. Ferreira

Fonte: Arco de Almedina

Fui ontem convidado para ir ao circo com animais, e não aceitei

Diga NÃO, ao circos com animais! - Abaixe o uso de animais em circos. Sofrimento não tem graça! - Fotolog

No Porto, e em Gaia, estão nesta altura presentes circos com animais. No Porto, está o Cardinali, e em Gaia o circo Mundial.

Ontem, convidaram-me para ir hoje ao circo Cardinali.
E claro está, como se trata de um circo com animais não-humanos, não aceitei.

Não contribuo com a minha parte, para a tortura dos animais de circo.
E jamais o farei.

Um circo, que considero ser um verdadeiro circo, é o Cirque du Soleil. Este grande circo, não contem a tortura de animais não-humanos. Contem a beleza do circo, apenas com a perícia, com a magia humana.

Não leves crianças ao circo com animais não-humanos.
Não vás ao circo com animais não-humanos.
Não contribuas com a tua parte, para a tortura animal, nos circos com animais não-humanos.

DIZ NÃO AOS CIRCOS COM ANIMAIS!

Mário Amorim