INTERVENÇÃO Cientistas esterilizam leoas para evitar consanguinidade e a extinção da espécie

Leoas jovens no auge da maturidade sexual está sendo esterilizada por cientistas e biólogos para impedir que ocorra acasalamento consanguíneos na África do Sul. Os especialistas que cuidam de cerca de 700 leões em parques do país temem que com a perda de variabilidade genética, em breve, os animais entrarão em completa extinção, pois os filhotes frutos de cruzamentos consanguíneos podem nascer doentes ou inférteis.

Questionados sobre a interferência na dinâmica natural dos animais, os cientistas afirmam que, infelizmente, castrações são necessárias em razão da ação humana. Com a caça e a destruição dos habitats desses animais, parques e locais de movimentação limitada foram criados para a preservação e com o tempo, naturalmente, a variabilidade genética caiu. Agora, intervir é uma questão de sobrevivência para a espécie.

“Em circunstâncias naturais, isso não aconteceria porque os machos teriam sido deslocados por outros machos. O maior problema é a diversidade genética. Leões se reproduzem muito rápido”, disse um porta-voz da reserva. Para castrar os animais, primeiro, é preciso atingi-los com dados tranquilizantes para depois transportá-los para um local adequado para a cirurgia, que é seguida de cuidados pós-cirúrgicos com a máxima atenção.

A castração de uma leoa pode demorar até quatro horas. A equipe responsável pelo procedimento afirma que todo cuidado é pouco, pois grandes felinos fazem uma digestão lenta e se o intestino estiver inchado, isso pode trazer complicações e demora na recuperação. Globalmente, os leões selvagens estão desaparecendo rapidamente, mas a África do Sul tem uma população abundante que precisa ser preservada antes que seja tarde demais.

Os cientistas que gerenciam as reservas afirmam que, apesar de não ser ético interferir na natureza dos animais, o egoísmo humano tornou a medida necessária e é a única forma de preservar a espécie para o futuro. Eles acreditam que têm certeza que as próximas gerações agradecerão a oportunidade de dividir o plano terrestre com esses animais fascinantes e maravilhosos.

Fonte: ANDA