Proteção animal Cidade mexicana proíbe mutilação de rabos e orelhas de animais para fins estéticos

No Brasil, a mutilação dos corpos dos animais para fins estéticos também é proibida e configura crime ambiental

A cidade de Tamaulipas, no México, proibiu a mutilação de rabos e orelhas de animais para fins estéticos. A remoção de unhas, dentes e cordas vocais também passa a ser proibida.

A proibição foi anunciada pela Delegação Permanente do Congresso de Tamaulipas. De acordo com a deputada Pilar Gómez, “estão proibidas as mutilações animais cujo objetivo seja modificar sua aparência ou conseguir um fim não-médico. Em especial, fica proibido o corte de orelhas, cordas vocais e também a retirada de unhas e dentes”.

A remoção das unhas, por exemplo, costuma ser feita para evitar que os animais arranhem móveis. As cordas vocais são retiradas por tutores que não querem ouvir os latidos e miados dos animais. Já os rabos e orelhas são mutilados em nome de um padrão estético de raça. Todas as práticas são intrinsecamente cruéis e podem, inclusive, causar problemas de saúde.

Em entrevista ao blog Canal do Pet, do IG, a médica veterinária Milena Guimarães explicou que, além de dor, o corte do rabo para fins estéticos pode causar paralisia. “Problemas de locomoção como falta de equilíbrio e paralisia são comuns em alguns cachorros com rabo cortado”, disse.

Esses procedimentos também alteram o comportamento natural do animal, impedindo, por exemplo, que um cachorro abane o rabo para demonstrar felicidade ou que use as cordas vocais para se comunicar através de latidos.

De acordo com o jornal mexicano Excelsior, a retirada de partes dos corpos dos animais só poderá ser feita na cidade de Tamaulipas mediante necessidade médica que vise o bem-estar de um animal doente ou o controle reprodutivo para evitar crias indesejadas e, por consequência, o abandono.

No Brasil, a mutilação dos corpos dos animais para fins estéticos configura crime ambiental. Cirurgias consideradas desnecessárias ou que possam interferir na capacidade de expressão do comportamento natural dos animais são proibidas pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV). As resoluções do CFMV nº 1027/2013 e 877/2008 proíbem o corte de rabos e orelhas, a retirada de cordas vocais e a extração de unhas.

Fonte: Anda