RETROCESSO China aprova comércio de chifre e ossos de animais em “ocasiões especiais”

Governo chinês aprovou utilização de chifres de rinoceronte e ossos de tigre em ​​pesquisas médicas, tratamentos de doenças críticas e intercâmbios culturais

O governo chinês voltou atrás com a lei que proibiria produtos que contenham chifre de rinoceronte e ossos de tigre. De acordo com a revisão, agora o uso das partes dos animais no comércio interno do país seria permitido em “circunstâncias especiais”.

A nova lei anunciada pelo Conselho de Estado afirma que chifres de rinocerontes ou ossos de tigres criados em cativeiro podem ser usados ​​”para pesquisa médica ou tratamento clínico de doenças críticas”.

Ainda, poderiam ser usados também ​​em “intercâmbios culturais” com a aprovação das autoridades culturais, embora ainda não possam ser vendidos no mercado ou trocados pela internet.

“Todas as atividades relacionadas ao uso ou comércio de rinocerontes, tigres e seus produtos são proibidas exceto em circunstâncias especiais prescritas por lei”, afirmou o aviso sobre o “controle estrito” dos produtos de rinoceronte e tigre.

Tais circunstâncias especiais permitidas pela lei incluem pesquisa científica, investigação de recursos, educação, tratamentos médicos que salvam vidas, proteção de relíquias, intercâmbios culturais e aplicação da lei.

De acordo com o governo, chifres de rinoceronte e ossos de tigre usados ​​em pesquisa médica ou em cura só podem ser obtidos de fazendas, não incluindo aqueles criados em zoológicos

Já formas em pó de chifre de rinoceronte e ossos de tigres mortos só podem ser usados ​​em hospitais qualificados por médicos qualificados reconhecidos pela organização Administração Estatal da Medicina Tradicional Chinesa.

Grupos ambientalistas dizem que essa mudança é controversa e que coloca ainda mais perigo na proteção desses animais ameaçados de extinção.

Legalização de um mercado cruel

O chifre de rinoceronte é feito a partir de queratina, uma proteína encontrada nas unhas e cabelo. Ele seria utilizado para ajudar a tratar desde o câncer até a gota quando consumido em pó.

Já o osso de tigre é esmagado e transformado em uma pasta, e é usado para tratar uma variedade de doenças, incluindo reumatismo e dor nas costas.

Entretanto, não há benefícios medicinais comprovados em humanos de qualquer dos produtos, de acordo com a National Geographic.

Rinocerontes e tigres estão ameaçados de extinção na natureza e são colocados no Índice I da CITES – o mais forte nível de proteção.

Embora Pequim tenha proibido o uso de ossos de tigre e chifres de rinocerontes há 25 anos, como parte dos esforços globais para deter o declínio dos estoques de animais, a caça ilegal continua, impulsionada pela demanda em um país cada vez mais rico.

O chifre de rinoceronte é feito de queratina e ajudaria a tratar desde o câncer até a gota, quando consumido em sua forma de pó

O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) criticou fortemente a nova lei em um comunicado de imprensa, expressando “profunda preocupação” com as mudanças:

“É profundamente preocupante que a China tenha revertido sua proibição de chifre de rinoceronte e osso de tigre após 25 anos, permitindo um comércio que terá consequências devastadoras globalmente”, disse Margaret Kinnaird, WWF Wildlife Practice Leader.

Ela ainda acrescentou que a retomada de um mercado legal para esses produtos é um enorme revés para os esforços para proteger os tigres e rinocerontes na natureza.

“A WWF apela com urgência para que a China mantenha a proibição do comércio de ossos de tigres e de chifres de rinoceronte, que tem sido tão importante na conservação dessas espécies icônicas. Isso deve ser expandido para cobrir o comércio de todas as partes e produtos dos animais”, diz a declaração.

Enquanto mudanças na lei significam que seu uso permanece restrito a antiguidades e hospitais, a WWF diz que a confusão por parte dos consumidores e dos aplicadores da lei sobre quais produtos são e não são legais aumentará.

O osso de tigre é esmagado e transformado em uma pasta e é usado para tratar uma variedade de doenças, incluindo reumatismo e dor nas costas

A Federação Mundial de Sociedades de Medicina Chinesa divulgou um comunicado em 2010 pedindo que os membros não usem osso de tigre ou qualquer outra parte de espécies ameaçadas.

As fazendas comerciais de tigres na China são legais, e embora o uso de ossos de tigre na medicina tenha sido proibido, partes de tigres dessas fazendas acabam sendo transformadas em tônicos ou outros medicamentos, dizem grupos de direitos animais.

O WWF disse que a decisão do governo de reverter a proibição parecia contradizer a liderança que o país demonstrou recentemente na luta contra o comércio ilegal de animais selvagens, incluindo o fechamento de seu mercado de marfim.

Em 2017, a China proibiu todos os negócios de processamento e venda de marfim. Foram fechadas 34 empresas de processamento e 143 de vendas, como medida protetora da população dos elefantes.

O marfim é visto como um símbolo de status na China. Outros produtos ilegais da vida selvagem, como as escamas de pangolim, continuam a ter demanda por suas supostas propriedades medicinais.
Fonte: ANDA