CONTEÚDO ANDA Cães abandonados são condenados à morte na França

Pergunto; quem abandona um cão, gostava de ser abandonado? -Não faças a outros, o que não gostavas que te fizessem a ti!


A ilha francesa Réunion (perto de Madagascar) foi criticada devido aos seus planos de criar uma unidade especial para atirar em cães abandonados que as autoridades não conseguem capturar

Inúmeros grupos de direitos animais reagiram com indignação após a decisão, que ocorre depois de vários anos de “distúrbios”, como o ataque a bois e vacas explorados por fazendeiros, cujas causas são atribuídas aos cães.

A notícia se espalhou depois que uma carta endereçada ao político André Thien Ah Koon foi enviada para a imprensa.

Embora não tenha sido feita nenhuma declaração oficial, a carta mostrou que as autoridades locais já estavam trabalhando na “criação de uma louveterie (equipe de caça de cães)” e logo faria um “pedido de candidaturas de caçadores no departamento […] que será iniciado no primeiro semestre de 2018”.

A medida faz parte de um plano para reduzir a quantidade de cães abandonados e ataques dos animais na ilha. Além disso, há planos de esterilizar e castrar mais animais capturados, matar os considerados “perigosos”, realizar um estudo sobre a situação dos animais abandonados na região e uma campanha para alertar os tutores sobre a importância de colocar identificação e microchip nos animais.

Solução imoral e ineficiente

As organizações de proteção animal sabem que a ilha possui um grande problema de animais desabrigados, mas “condenam fortemente uma solução não apenas considerada imoral, mas também ineficiente”.

Elas ressaltam que disparar brutalmente em cães desabrigados não soluciona o problema, já que um único cão pode ter “cerca de 60 mil descendentes (…) em seis anos”.

Os ativistas recordam o caso de Marrocco, que tentou resolver o problema dos animais abandonados ao matar animais e não teve resultados convincentes. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, os cães sobreviventes conseguem se reproduzir o suficiente para substituir as perdas.

Aumento do abuso de animais

De acordo com o The Holidog Times, a declaração conjunta dos grupos também manifestou preocupações de que a decisão pode resultar no aumento do abuso de animais, que já é um grande problema na ilha.

“Qualquer um poderia sentir que é justo atirar em um cão, mesmo em seus vizinhos. Muitos dos ataques são de cães domésticos, de acordo com os fazendeiros com quem falamos. Corremos o risco de ver mais casos de pessoas tentando obter justiça para seus animais mortos e isso pode se deteriorar rapidamente”, alertaram as organizações.

Quando se trata de animais abandonados, a Organização Mundial de Saúde recomenda programas de TMS (armadilhas, castração, liberação), nos quais os animais são capturados, castrados e depois libertados. Este método, utilizado na Índia e no Peru, significa que cães e gatos abandonados que não podem ser adotados não criarão ou piorarão o problema.

Mobilização de ativistas

Diversos grupos de direitos animais se manifestaram contra o movimento, incluindo o 30 Millions d’Amis e a la Fondation Brigitte Bardot.

Uma petição foi iniciada para pressionar que o governo da região construa mais abrigos e invista em programas de castração. Ela foi assinada por mais de 11 mil pessoas.

Fonte: ANDA

Anúncios