CONTEÚDO ANDA Elefantes escravizados por 80 anos são libertos e brincam como crianças

elef

Dois elefantes abusados como escravos por 80 anos finalmente foram libertados na Tailândia. Boonme e Buabaan passaram a maior parte de suas vidas trabalhando na indústria madeireira e no comércio de trekking, onde foram forçados a trabalhar até a exaustão enquanto ficavam acorrentados.

Porém, após uma importante campanha de financiamento, eles finalmente foram libertados de seus explorados e transferidos para o Thailand’s Elephant Nature Park, em Chiang Mai.

O resgate foi possível com a ajuda do vlogger e cineasta do YouTube, Christian Leblanc, de 23 anos, do Canadá. Ele ajudou a arrecadar milhares de dólares para pagar pela libertação dos elefantes.

Caters News

Com um rio e banhos de lama para desfrutar, Boonme, 80, e Buaban, 50, agora passam a maior parte do tempo brincando e comendo frutas e vegetais frescos.

É um cenário muito distante das circunstâncias abusivas que eles foram obrigados a suportar durante décadas.

“Os elefantes não poderiam estar mais felizes agora. Ambos fizeram um novo melhor amigo chamado BaiCha e como um trio eles são inseparáveis. Mas antes de serem libertados, eles carregavam dezenas de pessoas nas costas diariamente”, afirmou Christian.

“Até o ponto em que Boonme realmente desabou e teve que ser levantada por um guindaste para que pudesse voltar ao trabalho. Foi quando soubemos que tínhamos que fazer alguma coisa”, acrescentou.

Caters News

Para resgatar a dupla, Christian e sua equipe viajaram de caminhão por 15 horas para uma cidade chamada Surin. Os elefantes foram imediatamente transportados de volta para o Elephant Nature Park, em caminhões adequados, em uma viagem que levou 23 horas.

A operação de resgate será mostrada no próximo documentário de Christian “Black Tusk”, que visa educar os turistas sobre a crueldade por trás da indústria de ‘trekking de elefantes’ que atualmente está em ascensão na Tailândia, segundo o Daily Mail.

“Como os seres humanos, os elefantes são muito sociais e mostram um intenso sofrimento quando são explorados em campos de trekking e em parques de entretenimento. Você literalmente os vê balançando para frente e para trás. Esperamos que, ao mostrar a crueldade que os elefantes enfrentam às pessoas, possamos ajudar a acabar com o sofrimento desses elefantes e pavimentar o caminho para um turismo responsável.”, declarou Christian.

Fonte: ANDA

Anúncios