CONTEÚDO ANDA Até 500 elefantes africanos serão realocados em tentativa de salvá-los da extinção

MARG

No próximo mês, especialistas em vida selvagem do Malawi irão transferir até 500 elefantes para um santuário que poderá servir como uma reserva para restaurar algumas populações desses animais em outras partes da África, onde as espécies em vias de extinção têm sido extremamente ameaçadas pela caça.

A realocação maciça está prevista para ser concluída em 2017 e os animais serão levados para a reserva de vida selvagem Nkhotakota, informa o The Guardian.

A operação feita pelo “Parques Africanos”, um grupo sem fins lucrativos com sede em Joanesburgo, ocorre em meio a uma pressão crescente sobre a situação da vida selvagem em grande parte da África e, especialmente, sobre muitos elefantes mortos para atender à crescente demanda por marfim, principalmente em partes da Ásia.

“Há um paradoxo na África, onde os elefantes estão em um contínuo declínio em determinados lugares, mas exige-se o controle da população em áreas mais protegidas, nas quais a população de animais cresce”, disse Andrew Parker, diretor de operações da organização.

Segundo Parker, os “elefantes excedentes” que removem grandes extensões de vegetação e entram em conflito com as comunidades em dois parques de vida selvagem, Majete e Liwonde, serão transferidos para Nkhotakota, um parque de 1800 quilômetros quadrados, com mais espaço e segurança.

A organização Parques Africanos gerencia todas as três reservas. Nkhotakota possui atualmente menos de 100 elefantes; Malawi tem até 1.500 elefantes no total.

A África possui cerca de 470 mil elefantes, sendo que no início do século 20, esse número estava entre três milhões e cinco milhões, de acordo com o grupo de conservação WWF.

Entre julho e agosto deste ano, os elefantes no Malawi serão realocados em pequenos grupos e isso ocorrerá novamente em um período semelhante no próximo ano.

Fonte: ANDA

Anúncios