RESPOSTA DO PROVEDOR DO TELESPECTADOR À CARTA ABERTA QUE DIRIGI AO PRESIDENTE DO CA DA RTP

RTP.jpg

Na sequência da CARTA ABERTA A GONÇALO REIS, PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA RTP a propósito das lamentáveis declarações públicas que este fez, referentes à intenção de continuar a parceria com o campo pequeno, para transmissão de touradas na estação pública de televisão, recebi do Provedor do Telespectador a seguinte mensagem:

(Nota: os erros ortográficos são da responsabilidade de quem escreveu a mensagem)

RTP – Provedor do Telespectador                                                16:35 (há 1 hora)

para mim

Exmo(a) Senhor(a) Encarrega-me o Senhor Provedor do Telespetador de lhe transmitir a seguinte resposta: Agradeço a sua mensagem. O Presidente do Conselho de Administração da RTP, Gonçalo Reis, exprimiu a sua opinião favorável às touradas, congratulou-se com a sua transmissão televisiva e sublinhou que a parceria Campo Pequeno-RTP “é para continuar”. Mas também referiu com clareza que a decisão de transmitir touradas é da responsabilidade do Diretor de Programas. Este já exprimiu publicamente que, pessoalmente, é contra as touradas. A intervenção do presidente da RTP não é decisiva, mas vem colocar mais pressão sobre o Diretor de Programas da RTP1 para que continue a transmitir touradas. Darei conhecimento da sua queixa a quem de direito e penso tratar esta questão em próximo programa Voz do Cidadão.

m/ cumprimentos,

Jorge Wemans

Provedor do telespetador”

Susana de Faria

Gabinete de Apoio aos Provedores

***

Eu agradeço a gentileza da resposta.

Contudo quero acrescentar o seguinte: este jogo de pingue-pongue, este empurrar a responsabilidade para o DireCtor de Programas, que já disse ser contra a transmissão de touradas, é algo que não fica bem a um administrador.

Se existe na RTP um DireCtor de Programas, em princípio, ao DireCtor de Programas deveria ser dada a liberdade de seleCcionar os programas de acordo com os interesses dos telespeCtadores, e sabemos como é esmagador o número de telespeCtadores que se indignam com a transmissão se selvajaria tauromáquica na estação pública de televisão, até porque torturar seres vivos e transmitir essa tortura em direCto não é do interesse público, nem no mais remoto e atrasado país do mundo, quanto mais num país integrado numa Europa culta.

Ora se o senhor Gonçalo Reis referiu com clareza que a decisão de transmitir touradas é da responsabilidade do DireCtor de Programas, e se o DireCtor de Programas já exprimiu publicamente que, pessoalmente, é contra as touradas, e se a intervenção do presidente da RTP não é decisiva, qual o motivo desta pressão sobre o DireCtor de Programas da RTP 1 para que continue a transmitir touradas, senão o da subserviência ao lobby tauromáquico instalado no poder?

Sabemos que o anterior Provedor do TelespeCtador, Jaime Fernandes, que era assumidamente contra as touradas, já havia recomendado à RTP a não transmissão de touradas (não é para isso que servem os provedores dos telespeCtadores?) devido ao elevado número de queixas contra a transmissão dessa selvajaria numa televisão pública, paga com os impostos dos portugueses que, maioritariamente (mas muito maioritariamente), abominam a selvática prática de torturar bovinos, para divertir sádicos, algo que nada tem a ver com cultura, nem com arte, nem com tradição, nem com coisa nenhuma que pertença à condição e aos valores humanos.

Um destes dias, estive a ouvir a Voz do Cidadão (suponho que no sábado passado, em “repescagem”, porque não vejo, nem verei a RTP, enquanto esta não evoluir), porque me chamaram a atenção para o assunto da não transmissão dos Mundiais de Atletismo de Londres, nos quais estavam a participar atletas portugueses de alto nível, e seria do interesse público transmiti-los, até porque a lei recomenda, por limitações de carácter financeiro.

Bem sei que transmitir os Mundiais de Atletismo de Londres, que interessava a todo o país, não é a mesma coisa que transmitir a selvajaria do campo pequeno, que só interessa a uma minoria, muito minorca, sádica, inculta e encruada. Não é. Mas será que transmitir touradas para essa minoria sádica, “coisa” que até baixa significativamente as audiências da RTP, dá mais lucro do que os Mundiais de Atletismo?

Senhor Provedor do TelespeCtador, fico a aguardar com bastante curiosidade, a abordagem desta questão num próximo programa Voz do Cidadão.

Com os meus cumprimentos,

Isabel A. Ferreira

Fonte: Arco de Almedina

Anúncios

CARTA ABERTA A GONÇALO REIS, PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA RTP

TORTURA.jpg
ESTA É UMA ENORME COVARDIA DO ANIMAL-HUMANO QUE EXIBE A SUA INVIRILIDADE DIANTE DO ANIMAL NÃO-HUMANO EXAURIDO, NO CHÃO… QUEM PODERÁ APLAUDIR TAL IGNOMÍNIA SENÃO SÁDICOS E PSICOPATAS?…

Senhor Gonçalo Reis,

Estando o senhor comprometido com a falta de excelência, não o tratarei por “Excelentíssimo Senhor”, como é da praxe, porque de “excelência” não tem nada.

Tem esta Carta Aberta o objectivo de esmiuçar as suas lamentáveis e obtusas declarações públicas relativas à transmissão de selvajaria tauromáquica, ao vivo e a cores, na passada quinta-feira, dia 12 de Outubro, na RTP 1, estação pública, que vive à custa dos impostos dos portugueses, e que o senhor administra segundo a vontade de um lobby que, ao que parece, serve servilmente.

Disse o senhor:

«Faço questão de ir à corrida de toiros da Casa do Pessoal da RTP no campo pequeno. Antes de estar à frente da RTP não ia a touradas, não sou aficionado e confesso que passo metade do tempo a fazer perguntas básicas para o lado sobre o que se passa na arena.»

O senhor fez questão de ir aos “toiros” porque o senhor não passa de um servo da plebe, e isso ficou bem claro. Antes de estar à frente da RTP, não ia a touradas. Agora, que está à frente da RTP, tem não só de ir às touradas, como de transmiti-las e dizer bem dessa aberração moral e cultural, desse cancro social, porque é pago para isso. Infelizmente, com os impostos de milhares de Portugueses, que não se revêem nesse divertimento medievalesco e bruto.

E disse mais:

«Mas também sei que há que valorizar o património e as tradições; que há que dar espaço à diversidade das preferências dos públicos; que há que promover o país descentralizado e os ambientes não urbanos; que devemos ter presentes as posições sucessivas da ERC e da Assembleia da República no sentido de assegurar graus de liberdade na programação e divulgação das várias manifestações da sociedade; que, como diz o Sérgio Sousa Pinto, os bilhetes das touradas são caros e os cidadãos têm o direito de as ver na TV em aberto.»

Há que valorizar que património? Que tradição? Que diversidade de preferências? Que promoção? Que ERC? Que Assembleia da República? Que assegurar graus de liberdade? Que direito de quais cidadãos? A tortura de bovinos indefesos numa arena, para divertir sádicos e exorcizar a invirilidade e os maus instintos dos envolvidos nestas práticas medievalescas e selváticas, não cabem nisso que considera ser património, tradição, liberdade, direitos. Não sei se já reparou que a Idade Média ficou lá muito para trás, e que o que era, já não é, o mundo evoluiu e apenas oito tristes países entre 193, existentes em todo o mundo, ficaram plantados na Idade das Trevas, e infelizmente Portugal é um deles. E o que sabem a ERC e a Assembleia da República de Ética, Evolução e Civilização?

E disse ainda mais:

«De facto, as minhas preferências pessoais são outras, mas assim como defendo que os amantes de artes plásticas merecem tê-las na RTP, também acho que cabe à RTP ser plural na programação, agindo com tolerância e cobrindo os interesses dos vários públicos.»

As suas preferências ficaram aqui bem vincadas: está-se nas tintas para a qualidade da programação da RTP, e é lamentável que ponha no mesmo saco uma prática selvática assente na mais profunda ignorância, e artes plásticas, que é puro saber. Não tem a mínima noção do que são as artes plásticas. A pluralidade de uma programação jamais passou pela tortura de seres vivos, em directo, em estações televisivas livres. Ao transmitir touradas na RTP, o senhor está apenas a cobrir os interesses de uma minoria constituída por psicopatas e sádicos, incluindo nessa minoria aquelas duas dezenas de famílias que exploram este “negócio carniceiro” que causa repulsa ao mundo civilizado. Ser plural e tolerante não passa por dar cobertura a práticas cruéis e repulsivas, que as sociedades modernas rejeitam.

Com estas declarações, o senhor demonstrou estar tão-só a cobrir os interesses do lobby tauromáquico, que é poderoso porque os fracos obedecem-lhe cegamente, sem o mínimo sentido crítico; o senhor revelou falta de lucidez e não ter personalidade própria, uma vez que ao dizer que a tortura é um “bom espectáculo” ou um “espectáculo familiar”, como declarou numa entrevista, é de alguém que não sabe o significado de bom e de familiar, e é manifestamente servil.

Deixar-lhe-ei aqui DEZ RAZÕES PARA NÃO TRANSMITIR MAIS TOURADAS NA RTP porque nunca é demais fornecer argumentos para chamar a atenção de pessoas como o senhor, que demonstrou não ter a mínima Cultura Crítica.

1 – Porque é desumano usar animais para entretenimento humano, especialmente quando o “espectáculo” é conseguido à custa do sofrimento cruel e desnecessário dos animais. Os Touros são seres vivos pacíficos e dóceis e não merecem o tratamento cruel que o “homem” lhes dá, para se divertir e divertir os sádicos.

2 – Porque a tourada é um costume bárbaro e cruel (não é uma tradição, porque as tradições dignificam o Homem, e a selvajaria tauromáquica coloca o “homem” abaixo da escala animal) o qual (costume) tem como objectivo provocar dor e sofrimento a um animal não-humano, para exorcizar a invirilidade dos animais-humanos que nela intervêm, e com isso encher os bolsos a uns tantos energúmenos.

3 – Porque a tourada é um “jogocobarde e injusto, em que os únicos intervenientes sujeitos ao perigo são os Cavalos e os Touros, e nunca os animais-humanos. A tourada não é desporto nem arte. É um confronto desleal e cobarde entre os sádicos “humanos” armados de bandarilhas e espadas e um animal senciente, indefeso, inocente e inofensivo.

4 – Porque o sofrimento dos animais não se resume à arena. Os jovens Touros e Vacas são repetidamente torturados em treinos. Durante toda a sua vida, estes animais não conhecem mais do que a dor e a agonia lancinantes.

5 – Porque no mundo da tauromaquia nenhum animal é tratado com respeito e dignidade. Os próprios Cavalos sofrem as investidas desesperadas dos Touros. Para os sádicos tauromáquicos, os animais não têm direitos nem sentimentos: significam apenas um sujo lucro.

6 – Porque horas antes da entrada na arena, os Touros são enclausurados num lugar escuro, espicaçados, drogados, espancados, os seus chifres são cortados a sangue-frio, por isso quando os soltam na arena eles correm esbaforidos, parecem “bravos”, mas estão apenas angustiados, assustados, acossados, a tentar, desesperadamente, fugir dali. Mas os Touros não têm qualquer hipótese de fuga e protecção, ficam à merce de psicopatas, por vezes, lá reúnem as derradeiras forças para defenderem o que lhes resta de vida, e ferem e matam os seus carrascos. Legitimamente.

7 – Porque os Touros sofrem lesões gravíssimas provocadas pelos ferros espetados no dorso. Quando são reencaminhados para os curros, os ferros são-lhes arrancados da carne com o auxílio de facas, sem qualquer tipo de anestesia, sem qualquer compaixão, como se não fossem feitos de carne e osso, como os seus carrascos.

8 – Porque depois de ser “lidado”, o animal permanece na maioria das vezes, dois a três dias em sofrimento angustiante e atroz, à espera que o matadouro mais próximo reabra para que possa finalmente ser abatido.

9 – Porque a tourada deseduca e insensibiliza o público. A tourada não é cultura, é pura crueldade e maldade e apela aos maus instintos, aos maus-tratos dos animais. Levar crianças a ver tourada seja na televisão ou na arena, contribui para a sua deformação mental, e continuidade desta actividade degradante, cruel e medievalesca.

10 – Porque os Seres verdadeiramente Humanos não alimentam a crueldade e ganância de indivíduos que vivem da tauromaquia e à custa dos nossos impostos, e que ao torturar seres inocentes, inofensivos e indefesos, envergonham Portugal e toda a Humanidade.

Para terminar, senhor Gonçalo Reis, recomendo-lhe que leia estes dois textos, para que tenha a noção daquilo que aqui pus em causa:

 

CULTURA E CIVILIZAÇÃO

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/22410.html

A CARTA DO GRANDE CHEFE SEATTLE

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/15806.html

 

E agora despeço-me com fé e esperança no triunfo da lucidez,

Isabel A. Ferreira

Fonte: Arco de Almedina

OS MAIS CIVILIZACIONALMENTE ATRASADOS MUNICÍPIOS DE PORTUGAL

Estes são os números de 2016. Os de 2017 são bem menores.

Relatório da Actividade Tauromáquica 2016 https://www.igac.gov.pt/documents/20178/308118/Relatorio_Tauromaquia_ass_2016/a07d1281-743c-4e7f-8333-0d1c134a8dc5

Nota: São 69 concelhos entre 308 do total de concelhos portugueses infestados por #tauromaquia. Na maioria, 239 concelhos, a tortura das #touradas não fez parte das diversões públicas de 2016.

(E dizem que são muitos!!!!)

Fonte:

Juventude anti-tourada Portugal & Mundo

MUNICÍPIOS ATRASADOS.jpg

Não é uma vergonha ver nesta lista LISBOA, a capital de Portugal?

Uma capital que se diz europeia…? As outras terrinhas são simples localidadezinhas… terceiro-mundistas, porque a Civilização mede-se por outros alqueires que não os da existência de cafés, restaurantes, bares, discotecas, estradas alcatroadas, talhos, mercearias, padarias, farmácias, candeeiros nas ruas, escolinhas,  praças de touros, enfim… essas coisas que o povo acha que são importantes para se acharem civilizados e cultos

Mas a Cultura e Civilização são outra coisa.

Vejam aqui, o que isso é, e depois tentem encaixar nesta fefinição as localidadezinhas constantes na lista acima,  se forem capazes…

CULTURA E CIVILIZAÇÃO

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/22410.html

Fonte: Arco de Almedina

TOURADAS CERCIBEJA A VERGONHA NACIONAL

A CerciBeja já foi beneficiária/apoiante de nove touradas

Receber dinheiros sujos de sangue é o mesmo que espetar uma faca no coração das crianças deficientes intelectuais, que tanto AMAM os animais.

 ESTAS CRIANÇAS NÃO MERECEM TAMANHO INSULTO!

CERCI BEJA.png

Assunto:

A selvajaria tauromáquica insulta as causas solidárias

Exmos. Srs.,

 Começo por me dirigir à Federação Nacional de Cooperativas de Solidariedade Social (FENACERCI), enquanto representante da Cercibeja:

Quero expressar a minha mais veemente indignação pelo facto de a CerciBeja, uma instituição de solidariedade social, ter sido beneficiária e apoiante de um “Festival Taurino” decorrido no passado dia 7 de Outubro de 2017, bem como por ter levado pessoas com deficiência intelectual a assistir a tamanha crueldade, e por ter demonstrado uma total falta de respeito pelas muitas pessoas que deixaram pedidos de cancelamento da tourada na página do Facebook da Instituição mas que tiveram como única resposta a eliminação dos seus respectivos comentários.

 Na recente tourada a favor da referida instituição de Beja, obrigaram-se vários equinos e seis bovinos a participar num selvático acto, sujeitando os animais a elevados níveis de stress e a um sofrimento tão inútil como atroz. Humilharam-se e torturaram-se bovinos, cravando-lhes   ferros com arpões nos corpos, ao som de olés e aplausos.

 É verdade que a tauromaquia ainda beneficia, no nosso atrasado país, de uma excepção declarada na mesma lei que proíbe expressamente “todas as violências injustificadas contra animais”, como sejam, infligir-lhes “a morte, o sofrimento cruel e prolongado ou graves lesões”, discriminando assim os Touros e Cavalos relativamente aos outros animais não humanos.

 Bem sabemos que os legisladores não reconhecem os Touros e os Cavalos como animais, mas se perguntarem a uma criança deficiente intelectual, o que eles são, ela dirá que os Touros e os Cavalos são animais, aliás são animais dos quais elas gostam bastante.

 E digo isto com conhecimento de causa, porque estou ligada a um Movimento de Pais e Amigos de Deficientes Intelectuais e sei o que estas crianças PENSAM sobre tudo isto, a não ser que as crianças e jovens deficientes intelectuais de Beja não sejam orientadas no sentido do Bem, do Bom e do Belo, e lhes impinjam as touradas como sendo algo NORMAL.

Mas é indiscutível e não há qualquer dúvida que, embora ainda legalmente permitida, se trata de uma actividade violenta, cruel, medievalesca, grosseira e estúpida, que causa bastante repulsa na sociedade portuguesa, e no mundo civilizado.

E é por esta irracional actividade assentar na violência e crueldade contra seres sencientes, tão inofensivos, inocentes e indefesos como as crianças e jovens deficientes que a CerciBeja diz “educar” (ou devo dizer asselvajar?) e “reabilitar” (ou devo dizer denegrir?), seres não humanos excluídos e colocados numa situação de vulnerabilidade, que me parece que as Cercis dela se deveriam distanciar, por uma questão simples de ÉTICA.

 A mais recente tourada a favor da CerciBeja pode até ter rendido, segundo informações veiculadas por blogues tauromáquicos, 3.013,54 euros; mas é certo que afectou negativamente a credibilidade desta Cerci e das Cercis em geral.

 Há, com toda a certeza (porque sei que há) modos CIVILIZADOS de angariar fundos para estas instituições. Já o fizemos várias vezes, com festivais de música, por exemplo.

 Posto isto, venho, solicitar à FENACERCI para recomendar às suas associadas que não sejam beneficiárias destas práticas selváticas e indignas de seres humanos, e muito menos de crianças e jovens tão puros.

Aproveito a presente mensagem para perguntar à Caixa Geral de Depósitos se tem conhecimento de que o seu logotipo consta no cartaz publicitário da referida tourada, e se a patrocinou.

 Tudo isto é vergonhoso e não dignifica as instituições envolvidas nesta barbárie.

 Agradecendo a atenção dispensada,

 Isabel A. Ferreira

 Com Marinhenses Anti-Touradas

***

Não podemos permitir que as Cercis continuem a associar-se à tauromaquia. Por favor, escrevam para a Federação que as representa, bem como para a Caixa Geral de Depósitos, cujo logotipo consta no cartaz da tourada do dia 7/10/2017.

Basta enviar a mensagem sugerida (ou outra) para os endereços indicados.

Para:

com.marketing@fenacerci.pt

cgd@cgd.pt

Cc:

marinhenses.antitouradas@gmail.com

Fonte: Arco de Almedina

ILEGALIDADES E CRUELDADES NUMA TOURADA EM VILA FRANCA DE XIRA COM O AVAL DA IGAC E DO GOVERNO PORTUGUÊS

ATENTEM NESTA MONSTRUOSIDADE!

Isto, não lembraria nem ao diabo, nem ao mais criativo autor de filmes de TERROR.

Mas lembrou aos de Vila Franca de Xira que, para se divertirem, urdiram o mais cruel acto praticado sobre um TOURO CEGO.

A inspecção-geral das actividades “colturais” (IGAC) fez vista grossa, aliás como sempre faz, quando se trata da barbárie tauromáquica. E o governo português diz ámen

Porquê?

Teremos de procurar a resposta no estado paupérrimo da Saúde Mental em Portugal ao mais alto nível

bandarilhas-negras.jpg
Estas são as bandarilhas negras, que servem para CASTIGAR os touros. Castigar porquê? Só os psicopatas, que as utilizam, deverão saber porquê.

Este episódio negro e crudelíssimo teve lugar na tourada realizada no passado dia 5 de Outubro, em Vila Franca de Xira (onde mais poderia acontecer tal barbaridade?)

Diz a notícia que «um dos touros que foi chacinado era cego de uma vista, no entanto, o veterinário (que não seria médico-veterinário) não conseguiu descortinar tal facto e o mesmo aconteceu com a IGAC e o director da tourada». Todos mais cegos que o infeliz Touro.

Ora no Regulamento do “Espectáculo” Tauromáquico (RET, que é um monumento à estupidez do Homo Parvus) um dos motivos, logo o primeiro, para se rejeitar bovinos, numa “ocorrência” tauromáquica (porque de “espectáculo” a barbárie nada tem) é precisamente o de ter defeitos na visão.

E um dos Touros massacrados era cego.

Como se isto só por si não fosse já demasiado cruel, o infeliz touro cego, «foi bandarilhado não com um par, mas sim com dois pares de bandarilhas negras».

E o que é isto de bandarilhas negras?

«As bandarilhas negras ou bandarilhas de castigo são usadas em Espanha sendo que o arpão das mesmas é praticamente o dobro do arpão de uma bandarilha regular

E de Espanha, já veio a prática selvática da tauromaquia, mas os psicopatas portugueses são sedentos de sangue. Têm de importar as maiores crueldades que ainda se praticam em alguns (felizmente já poucos) dos mais atrasados municípios espanhóis.

O tal RET, onde está regulamentado o modo como se há-de torturar touros nas arenas, «no capítulo dedicado a ferragens leia-se instrumentos de tortura, não inclui este tipo de ferro o que significa, que as mesmas, foram usadas ilegalmente para castigar um animal que era cego de um olho

Não perguntarei para que serve a IGAC, nem o RET, porque nem um nem outro servem rigorosamente para NADA, a não ser para sugarem os nossos impostos.

O que me ocorre dizer é que não se surpreendam os bárbaros tauromáquicos, quando morre um deles,por nós, que odiamos estas crueldades, estas desumanidades, estas impiedades, não chorarmos baba e ranho por eles, mas a sua morte ser-nos completamente INDIFERENTE, e dizermos bem alto: é menos um fazer o mal neste mundo, porque monstros deste calibre não fazem a mínima falta ao mundo.

Que este pobre Touro Cego possa descansar em paz, depois dos horrores por que passou.

A minha revolta, a minha repulsa, o meu asco é infinitamente infinito

Não é este Portugal  bárbaro que  devemos deixar aos vindouros.

Fonte da imagem e deste “filme “de TERROR:

https://protouro.wordpress.com/2017/10/07/vfx-touro-cego-e-bandarilhas-negras/

Fonte: Arco de Almedina

AFICIONADOS DE SELVAJARIA TAUROMÁQUICA, ESTÃO A CHORAR MUITO?

Isabel, faço minhas as suas palavras!


Há por aqui algum aficionado de touradas que esteja a chorar baba e ranho pela morte do monstro de Las Vegas, que metralhou uma multidão pacífica, fez 59 mortos e mais de 500 feridos?

É que eu não estou. Não me regozijei com esta morte. Mas não estou a chorar baba e ranho. Simplesmente sou indiferente e digo: menos um a fazer o mal neste mundo.

LAS VEGAS 22179788_1791509664196451_17475949818256
(Imagem: David Becker /Getty Images)

«Se não estão a chorar deviam, têm muito em comum, este também matou porque sim. Porque gostava, porque fazia senti-lo poderoso, porque lhe dava prazer. Em suma porque como eles (os cobardes tauricidas) era uma besta desprezível, com baixo QI, problemas de auto-estima, problemas cognitivos, incapacidade de sentir compaixão ou empatia. Enfim um sub-humano, que finalmente se foi, embora tarde demais. Esta conclusão pode ser extensiva a seres similares…» (cobardes toureiros, forcados, bandarilheiros, ganadeiros e os sádicos que aplaudem a morte e a tortura na arena, para se divertirem)…

Fonte: Arco de Almedina

O UNIVERSO AUTÁRQUICO E PARTIDÁRIO DA TORTURA (AÇORES)

(Que vergonha! Não há verbas para o essencial, mas para a selvajaria é o que se vê!

O povo destas ilhas que abra os olhos!!!!!)

TERCEIRA

Angra do Heroísmo. Câmara PS.

angra1.jpg
Praia da Vitória. Câmara PS.

praia2.jpg

GRACIOSA

Santa Cruz da Graciosa. Câmara PS. Candidato PSD.

graciosa3.jpg

graciosa4_psd4.jpg

SÃO JORGE

CDS.

velas5.jpg

FLORES

Lajes das Flores. Câmara PS.
lajes_flores6.jpg

SÃO MIGUEL 

Lagoa. Câmara PS.

lagoa7.jpg

Ribeira Grande. Câmara PSD. Candidato PS.

rgrande8.jpg

ferra5009.jpg
Nordeste. Candidato PS.

nordeste_10ps10.jpg
***

VEJAM O NÍVEL DO PRESIDENTE DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES (PS)

Pela aragem não se vê quem vai na carruagem?

ABRAM OS OLHOS, AÇORIANOS!!!!!

Fonte: Arco de Almedina