CONTEÚDO ANDA ONU divulga vídeos com previsões dos impactos do aquecimento global

Em um ano já marcado por ondas de calor e novas temperaturas diárias, a agência meteorológica da ONU e âncoras de televisão uniram forças para criar previsões em vídeos que exploram como as mudanças climáticas tornarão os verões futuros ainda mais quentes nas principais cidades do mundo

A Organização Meteorológica Mundial (WMO) e o Climate Central, uma organização de pesquisa e comunicação sediada nos EUA, convidaram comentaristas do clima de uma dúzia de países a trabalhar com serviços meteorológicos e outros especialistas nacionais para explorar as consequências desse fenômeno.

https://www.anda.jor.br/wp-content/uploads/2017/07/on-e1499348181664.jpg

“O que os apresentadores do tempo criaram são apenas cenários possíveis e não previsões verdadeiras. Porém, elas se baseiam na ciência climática mais atualizada e eles oferecem uma imagem convincente de como as mudanças climáticas podem impactar o cotidiano nas cidades onde a maioria da população mundial vive”, disse o secretário-geral da WMO, Petteri Taalas, em um comunicado de imprensa.

As cidades apresentadas nos vídeos “Verão na Cidade” incluem Barcelona, ​​Berlim, Bruxelas, Buenos Aires, Cidade do Cabo, Frankfurt, Hanói, Havana, Kampala, Madri, Montreal, Nairóbi, Paris, Sofia e Tóquio.

Se as emissões de gases de efeito estufa continuarem subindo, a temperatura média da superfície da Terra poderá subir mais de 4 graus Celsius ou 7,2 graus Fahrenheit até o final deste século, de acordo com a WMO.

Segundo a ONU, os apresentadores de TV usaram dois cenários diferentes de mudança climática – altas emissões e emissões moderadas – e combinaram cada cidade selecionada com uma cidade que já experimenta tais temperaturas.

Por exemplo, em 2100, os cidadãos de Paris, onde as altas temperaturas diárias do verão agora possuem uma média de 22,7 graus Celsius, podem vê-las alcançar 29,2 graus Celsius, como ocorre atualmente no Marrocos.

O Climate Central publicou um mapa interativo para visualizar essas informações. Muitas cidades avaliadas podem observar as temperaturas diárias máximas no verão aumentarem de seis a nove graus Celsius.

“O aquecimento urbano poderia ser o dobro das áreas nos arredores por causa da presença de materiais de pedra e estradas pavimentadas. Isso resultaria em temperaturas mais altas durante a noite”, disse Taalas.

“O aumento do calor – e um aumento esperado no tempo extremo associado como tempestades de verão – terá grandes implicações no abastecimento de energia e água, saúde pública e transporte. As ondas de calor mais intensas também resultam regularmente na menor qualidade do ar, que pode até ser letal”, acrescentou.

Os vídeos são publicados no canal da OMM no YouTube.

Em um exercício similar, a OMM trabalhou anteriormente com cerca de 60 apresentadores do tempo no “Relatórios do tempo do ano 2050”.

Fonte: ANDA

Anúncios

conteúdo anda O aquecimento global ameaça a sobrevivência dos ursos polares

https://i2.wp.com/www.anda.jor.br/wp-content/uploads/2017/01/ursos-polares-ameacados-de-extincao.jpg
Ursos polares correm risco de extinção

Os ursos polares são animais inspiradores e simbólicos das regiões congeladas do Pólo Norte. Mesmo assim, nos últimos anos, este estado tem diminuído significativamente, impulsionada pelos gases de efeito estufa e as mudanças climáticas. Devido à perda de gelo, os ursos polares são incapazes de caçar ou subsistir em seu ambiente e, por este motivo, o US Geological Survey prevê que dois terços dos ursos polares desaparecerão até 2050.

Os tempos se tornaram tão terríveis para esta espécie que eles foram observados viajando até territórios humanos em busca de alimento. O fato é que esta espécie está em grave perigo de extinção.

Enquanto sua casa nativa está derretendo, os ursos polares estão sendo colocados em cativeiro e, embora o urso polar selvagem esteja correndo riscos, só aumenta o número de ursos polares explorados em zoológicos espalhados pelo mundo. Alguns argumentam que manter esses animais em ambientes cativos é a única maneira de garantir que serão preservados – dado que seu próprio habitat não é um mais “seguro”. Eles alegam também que levar as pessoas a ver esses animais de perto irá inspirá-las a defender a espécie.

A realidade, entretanto, é que o cativeiro não beneficia o urso polar – ou qualquer outra espécie animal. Um crescente corpo de evidências sugere que o ato de assistir um animal aprisionado em um pequeno recinto não tem qualquer apelo educativo para crianças ou adultos. Em vez disso, os jardins zoológicos existem para o entretenimento e fins lucrativos, a custa da liberdade dos animais.

https://i0.wp.com/www.anda.jor.br/wp-content/uploads/2017/01/ursos-polares-explorados-zoologico.jpg
O aquecimento global ameaça a sobrevivência dos ursos polares

A foto acima, interpretada como um momento doce entre uma mãe e seu bebê, trai a realidade profunda de sua situação triste. Em cativeiro, esses animais só poderão experimentar uma pequena fração do que suas vidas poderiam ter sido. Na natureza, teriam milhas e milhas de gelo para percorrer e desfrutar da emoção de caçar e interagir em grupos familiares e sociais. Suas vidas teriam tido um significado e um propósito muito distintos por sua própria vontade. Em vez disso, eles são confinados a uma célula de prisão que é artificialmente resfriada e embalada com gelo para mantê-los “confortáveis”. O tédio extremo e a frustração os leva a exibir comportamentos incomuns, como balançar a cabeça repetidas vezes. Essas ações inúteis são pensadas como manifestações físicas de angústia mental extrema. Segundo a Polar Bears International, “Cerca de 85% dos ursos polares norte-americanos [nos zoológicos] o fazem, dedicando quase um quarto de seu dia ativo à atividade”

O aquecimento global e a preservação das espécies

A única maneira real de proteger esses animais é salvando seu habitat, minimizando a emissão de gases e mudando nossos hábitos e adotando o veganismo. A Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO) estima que a produção pecuária seja responsável por 14,5% das emissões globais de gases de efeito estufa, enquanto outras organizações, como o Worldwatch Institute, estimaram que poderiam chegar a 51%. Além disso, esta indústria destrutiva e cruel ocupa atualmente mais da metade dos recursos de terra arável do mundo e utiliza a maioria das nossas reservas de água doce. O sistema provoca a poluição do ar e da água desenfreada, a degradação da terra, o desmatamento e está empurrando inúmeras espécies à extinção. No entanto, uma em cada oito pessoas ainda sofre de escassez de alimentos.

“A verdadeira guerra contra as mudanças climáticas está sendo travada em nossos pratos, várias vezes por dia, com todas as escolhas alimentares que fazemos”, disse Nil Zacharias, co-fundador e editor-chefe da One Green Planet, “Um dos maiores desafios enfrentando em nosso planeta é a nossa espécie. Estamos conscientementes da extinção e fazendo muito pouco sobre isso”.

Como a organização líder na vanguarda do movimento de consumismo consciente, a One Green Planet defende que nossas escolhas alimentares têm o poder de curar nosso sistema de alimentos, dando às espécies uma chance de sobrevivência e abrindo caminho para um futuro verdadeiramente sustentável. Ao escolher uma dieta vegana, podemos reduzir drasticamente nossa pegada de carbono, economizar água preciosa e ajudar a garantir que os recursos vitais cheguem até pessoas, ao invés de serem destinados a animais explorados pela indústria da carne.

Fonte: ANDA

Help Protect Polar Bears From Climate Change

ar isn’t just an arctic icon — it’s a critical component of the arctic ecosystem. But as climate change is melting their hunting ground, many are starving and forced to swim extreme distances between ice floes. Two-thirds of the world’s polar bears could be lost in as few as 35 years. If we do nothing to change the path we’re on, they could be wiped out.

The best way to protect them is to limit carbon pollution and stop climate change, through policies like the EPA’s Clean Power Plan. But Congress has made attacking the plan a top priority — despite overwhelming public support for climate action.

Take Action: Help protect polar bears. Tell Congress to let the EPA do its job, and to support strong climate standards.

Assinar aqui: http://therainforestsite.greatergood.com/clickToGive/trs/petition/EDF-ProtectPolarBears?origin=ETE_060315_EDF-ProtectPolarBears_f&utm_source=email&utm_medium=envirota&utm_campaign=EDF-ProtectPolarBears&utm_term=20150603&utm_content=_f