Ameaça mundial Aquecimento global dos oceanos é equivalente a uma bomba atómica por segundo

Mares absorvem 90% da energia da mudança climática à medida que novas pesquisas revelam um grande aquecimento nos últimos 150 anos

Mais de 90% do calor aprisionado pelas emissões de gases de efeito estufa da humanidade foi absorvido pelos mares, com apenas alguns por cento aquecendo o ar, a terra e as calotas de gelo, respectivamente. A grande quantidade de energia que está sendo adicionada aos oceanos aumenta o nível do mar e permite que furacões e tufões se tornem mais intensos .


Um flutuador Argo é implantado no oceano.

Muito do calor foi armazenado nas profundezas do oceano mas as medições só começaram nas últimas décadas e as estimativas existentes do calor total que os oceanos absorveram recuam apenas para cerca de 1950. O novo trabalho remonta a 1871. Os cientistas disseram que entender as mudanças passadas na temperatura dos oceanos foi fundamental para prever o futuro impacto das mudanças climáticas. As informações são do The Guardian.

Um estudo do Guardian descobriu que o aquecimento médio ao longo desse período de 150 anos era equivalente a cerca de 1,5 bombas atômicas do tamanho de Hiroshima por segundo. Mas o aquecimento acelerou ao longo do tempo, à medida que as emissões de carbono aumentaram, e era agora o equivalente de três a seis bombas atómicas por segundo.

“Eu tento não fazer esse tipo de cálculo, simplesmente porque acho isso preocupante”, disse a professora Laure Zanna, da Universidade de Oxford, que liderou a nova pesquisa. “Geralmente tentamos comparar o aquecimento com o uso de energia humana, para torná-lo menos assustador”.

Ela acrescentou: “Mas, obviamente, estamos colocando muito excesso de energia no sistema climático e muito disso acaba no oceano. Não há dúvida. O calor total absorvido pelos oceanos nos últimos 150 anos foi cerca de 1.000 vezes o uso anual de energia de toda a população global”.

A pesquisa foi publicada na revista Proceedings of National Academy of Sciences com medições combinadas da temperatura da superfície do oceano desde 1871 através modelos computacionais de circulação oceânica.

O Prof Samar Khatiwala, também da Universidade de Oxford e parte da equipe, disse: “Nossa abordagem é semelhante a “pintar” diferentes partes da superfície oceânica com tintas de cores diferentes e monitorar como elas se espalham pelo interior ao longo do tempo. Se soubermos o que a anomalia da temperatura da superfície do mar foi em 1871 no Oceano Atlântico Norte, podemos descobrir o quanto ela contribui para o aquecimento, digamos, do profundo Oceano Índico em 2018 ”.

Segundo o The Guardian, o aumento do nível do mar tem estado entre os mais perigosos impactos de longo prazo da mudança climática, ameaçando bilhões de pessoas que vivem em cidades costeiras , e estimar aumentos futuros é vital na preparação de defesas. Parte do aumento vem do derretimento do gelo terrestre na Groenlândia e em outros lugares, mas outro fator importante tem sido a expansão física da água à medida que se aquece.

Ela acrescentou: “Mas, obviamente, estamos colocando muito excesso de energia no sistema climático e muito disso acaba no oceano. Não há dúvida. O calor total absorvido pelos oceanos nos últimos 150 anos foi cerca de 1.000 vezes o uso anual de energia de toda a população global”.

A pesquisa foi publicada na revista Proceedings of National Academy of Sciences com medições combinadas da temperatura da superfície do oceano desde 1871 através modelos computacionais de circulação oceânica.

O Prof Samar Khatiwala, também da Universidade de Oxford e parte da equipe, disse: “Nossa abordagem é semelhante a “pintar” diferentes partes da superfície oceânica com tintas de cores diferentes e monitorar como elas se espalham pelo interior ao longo do tempo. Se soubermos o que a anomalia da temperatura da superfície do mar foi em 1871 no Oceano Atlântico Norte, podemos descobrir o quanto ela contribui para o aquecimento, digamos, do profundo Oceano Índico em 2018 ”.

Segundo o The Guardian, o aumento do nível do mar tem estado entre os mais perigosos impactos de longo prazo da mudança climática, ameaçando bilhões de pessoas que vivem em cidades costeiras , e estimar aumentos futuros é vital na preparação de defesas. Parte do aumento vem do derretimento do gelo terrestre na Groenlândia e em outros lugares, mas outro fator importante tem sido a expansão física da água à medida que se aquece.


Desgelo do Ártico.

No entanto, os mares não aquecem uniformemente porque as correntes oceânicas transportam o calor pelo mundo. Reconstruir a quantidade de calor absorvida pelos oceanos nos últimos 150 anos é importante, pois fornece uma linha de base. No Atlântico, por exemplo, a equipe descobriu que metade do aumento visto desde 1971 em latitudes baixas e médias resultou do calor transportado para a região pelas correntes.

O novo trabalho ajudaria os pesquisadores a fazer melhores previsões do aumento do nível do mar para diferentes regiões no futuro. “Mudanças futuras no transporte marítimo podem ter consequências graves para o aumento do nível do mar e o risco de inundações costeiras”, disseram os pesquisadores. “Entender a mudança de calor nos oceanos e o papel da circulação na modelagem dos padrões de aquecimento continuam sendo a chave para prever as mudanças climáticas globais e regionais e o aumento do nível do mar.”

Dana Nuccitelli, um cientista ambiental que não esteve envolvido na nova pesquisa, disse: “A taxa de aquecimento do oceano aumentou à medida que o aquecimento global se acelerou e o valor está em torno de três a seis bombas de Hiroshima por segundo nas últimas décadas. Este novo estudo estima a taxa de aquecimento do oceano em cerca de três bombas de Hiroshima por segundo para o período de 1990 a 2015, que está no limite inferior de outras estimativas. ”

Fonte: ANDA

Anúncios