CONTEÚDO ANDA Aprenda a reconhecer os sinais que indicam o sofrimento dos animais em zoos

cativeiro

É provável que cada um de nós já tenha visto animais em cativeiro. Ter a oportunidade de ver animais selvagens, como tigres, elefantes e gorilas de perto é um desejo humano, mas custa aos animais uma vida de cárcere. Infelizmente, ver animais selvagens confinados significa testemunhar comportamentos neuróticos de criaturas que estão sofrendo longe de seu habitat.

Muitas pessoas se divertem quando observam que os animais parecem segui-las em torno de exibições.  Em alguns casos, elas pensam que os animais estão “dançando”. A verdade é que estes são apenas alguns dos muitos comportamentos estereotipados e não naturais exibidos pelos animais em cativeiro, diz o One Green Planet.

Esses comportamentos fazem parte do “zoochosis”, ou seja, o impacto psicológico provocado pelo cativeiro em animais selvagens.

O termo foi cunhado pela primeira vez em 1992 por Bill Travers para caracterizar animais que vivem em zoológicos.

Hoje, o termo se refere a qualquer animal silvestre em cativeiro que exibe comportamentos anormais, incluindo animais em zoológicos, aquários, usados em testes de laboratório, entre outras instalações.

Esses comportamentos não têm um propósito ou função claros e, muitas vezes, são destrutivos mentalmente e fisicamente, sinalizando a ausência de bem-estar animal nesses locais.

É frequente que instalações administrem medicamentos psicofármacos para aliviar os sintomas desses comportamentos. O SeaWorld, por exemplo, dava benzodiazepinas às orcas. Os comportamentos estereotipados mais comuns são:

Caminhar da mesma forma repetidamente em ritmo veloz ou mais lento

Mordidas

A sucção contínua, o ato de morder e lamber as paredes ou barras em exposições de animais.

Balançar e/ou Oscilar a Cabeça e torcer o pescoço

Regurgitação

Muitas vezes vista em primatas, os animais regurgitam sua comida depois de comer só para comê-la novamente ou brincar com ela.

Automutilação

Normalmente ocorre em animais que são mantidos em confinamentos solitários.

Zoológicos e outras instalações que lucram ao manterem animais selvagens em cativeiro em nome do entretenimento nunca terão realmente a preocupação de agir em prol do bem-estar animal.  Ao sabermos como os animais sofrem em cativeiro, nós, como consumidores, precisamos nos negar a financiar esse enorme sofrimento. Quando pararmos de financiar atrações cruéis que exploram animais, elas deixarão de existir. É o momento de esvaziar as jaulas.

Fonte: ANDA
Anúncios