Só assim será possível vencer a luta contra a tauromaquia, em Portugal!

O que existe em Portugal?
– Existe uma total desunião.
– Existe protagonismo.
– Não existe o aprender com os bons exemplos vindos de outros países.
– Não existe uma plataforma anti-tourada que congregue todas as organizações e movimentos anti-tourada, sem ficar nenhuma de fora.

Só com união total, sem deixar colectivamente ninguém de fora.
Só com a não existência de protagonismo, seja por quem for.
O aprender com os bons exemplos vindos de outros países e agir da mesma forma.
E existência de uma plataforma que tenha, no seu interior, todas as organizações e movimentos anti-tourada e também todos ao activistas individuais que mostrem interesse em fazer parte dela.

Só percebendo isto e corrigindo tudo isto, é possível a luta contra a tauromaquia, sair vencedora, em Portugal!

Mário Amorim

Anúncios

Em Portugal é; deixa andar, que a tauromaquia vai terminar!

Enquanto que mesmo aqui ao lado, em Espanha, quer-se ver resultados, e faz-se por isso. Em Portugal, não se faz para se ver resultados. Por exemplo; o ano passado foram debatidas duas petições anti-tourada na Assembleia da Republica. E agora deixo a pergunta: quem criou as petições, por ventura promoveu uma grande acção nacional, antes de irem a debate, no Parlamento, para pressionar, designadamente, o PS; PSD; CDS/PP; PCP? – Não. Não promoveu. Não fez nada. Esperou que fossem a debate. E o resultado foi o que na altura foi!
É isto que tem de mudar, em Portugal. Tem de se ter acção. Tem de se agir.
Por exemplo; tem de se olhar para o próximo dia 13 de Maio em Madrid, e fazer-se a mesma coisa em Portugal, mas nacionalmente, para que a dimensão seja realmente grande e force a abolição da tauromaquia em Portugal.
A luta anti-tourada em Portugal, tem de ser exigente.
Não pode ser o deixa andar; que a tauromaquia vai terminar.
Se se quer a abolição da tauromaquia, tem de actuar para isso.
Viana do Castelo, não pode continuar a ser a única cidade declarada anti-tourada.
Mas para isso, é preciso agir-se, como aqui ao lado, em Espanha.
Como já o disse aqui no meu blog; é necessário estipular-se um prazo, para abolição da tauromaquia. E depois fazer-se tudo o que deve ser feito, para que esse objectivo seja realmente alcançado. Na altura referi, 2020. E tem de ser 2020. A abolição da tauromaquia em Portugal, tem de ser abolida até, no máximo 2020.
Enquanto o movimento anti-tourada em Portugal não for um movimento exigente, um movimento que quer ver resultados, e que luta, com força, com garra, com afinco e com coragem para ver resultados, como se vê aqui em lado, em Espanha, em Portugal, não se irá a lado nenhum. As verdades são para serem ditas!

Mário Amorim

Existe um verdadeiro movimento anti-tourada em Portugal?

Estou bem ciente que o texto que escrevi ontem e que é ESTE, suscitou discussão.
Mas o meu objectivo era mesmo esse. Criar discussão, para que finalmente se perceba, em Portugal, que a acção, tem de ser, não segundo o que se pensa, mas segundo os interesses do touro e do cavalo, e o que é o melhor para eles, o que eles querem que seja feito.

E agora, estou também ciente, que este novo texto, vai gerar ainda mais discussão.

Vamos lá então!

Existe um verdadeiro movimento anti-tourada em Portugal? – Não, não existe um verdadeiro movimento anti-tourada em Portugal. O que existe é só fogo de palha. Apenas e só fogo de palha.

O que existe em Portugal, não age verdadeiramente, em prol dos interesses do touro e do cavalo, do que eles querem, no que é o melhor para eles.
Se assim não fosse, já estaria a seguir, para começar, as pisadas do esse sim, bastante verdadeiro, o movimento anti-tourada espanhol.

Quando um movimento anti-tourada é realmente verdadeiro, o fazer ouvir, em força, em garra, em coragem, a voz e os interesses do touro e do cavalo, está em primeiríssimo lugar, e não o que pensa estar certo ou errado, no que há a fazer, em prol dos interesses do touro e do cavalo. Pois os interesses deles, não se coadunam com que se pensa…

A acção de um verdadeiro movimento anti-tourada, move-se apenas e só segundo os interesses do touro e do cavalo e do que eles querem que seja feito em prol deles.

2017, vai ser o ano, em que se vai confirmar, ou não, se existe ou não um verdadeiro movimento anti-tourada, em Portugal.

Em Portugal existe tauromaquia.
E no Brasil, existe o Rodeo e a Vaquejada.

A grande jornada do Brasil, contra os Rodeos e contra a Vaquejada, que vai acontecer no próximo dia 27, quer se queira quer não, vai ter reflexos em Portugal.
Esta grande jornada, que se realizará por todo o Brasil, vai ser um grande sucesso. E vai fazer com que quem organiza manifestações anti-tourada em Portugal, realize em Portugal, no fim da próxima Primavera, ou no inicio do próximo Verão, uma jornada idêntica contra a tauromaquia.
E se tal não ocorrer, provar-se-á que em Portugal, não quer defender os interesses do touro do cavalo, não como deve ser feito, mas como tem de ser feito.

Se tal não ocorrer, será uma vergonha, será verdadeiramente uma vergonha, e provar-se-á que em Portugal, não existe coragem para se fazer o que tem de ser feito, pelo touro e pelo cavalo, ignorando por completo o que se pensa, pois o que se pensa, não se coaduna com os interesses do touro e do cavalo.

Por tanto; 2017, será ou não, um ano de viragem, na luta contra a tauromaquia, em Portugal!

Mário Amorim