PALAVRAS DE ANDRÉ SILVA

André Silva deixa direção do PAN para se dedicar a ser pai - BOM DIA

André Silva destaca “derrota atrás de derrota” da tauromaquia e diz que esta faz falta à cultura portuguesa como “um acordeão a um funeral”

O líder partidário elencou os avanços que foram feitos relativamente à tauromaquia no país, graças à intervenção do PAN, e disse mesmo que a tauromaquia faz falta ao país como um acordeão a um funeral.

“Continuam a dizer que a tauromaquia é parte da herança cultural do nosso país. Sim, é verdade. Assim como a escravatura, a Inquisição ou a caça à baleia, legados culturais que não nos merecem qualquer saudosismo. A tauromaquia faz falta à cultura portuguesa como um acordeão a um funeral”, disse André Silva.

O líder partidário, aproveitou o facto do Congresso do PAN, se realizar em Tomar, no distrito de Santarém, província do Ribatejo, “o coração das relíquias da tauromaquia”, para salientar as derrotas atrás de derrotas que o setor tem tido nos últimos anos.

“Nos últimos seis anos a garraiada académica do Porto acabou, a de Coimbra terminou, a de Setúbal deixou de se fazer, e a de Évora já não se faz. Os bilhetes das corridas são hoje tributados com IVA a 23%, há seis anos eram só borlas fiscais. Nos últimos anos a tauromaquia perdeu vertiginosamente espectadores, a Praça de Touros de Albufeira encerrou e a Praça da Póvoa de Varzim foi demolida. E muito se deve à ação do PAN, ao vosso trabalho. O sector tauromáquico sabe que não adianta falar grosso ou fazer ameaças, que no PAN não temos medo deles, que no PAN pegamos a tauromaquia de caras”, afirmou.

“Há seis anos zombavam e sentiam-se intocáveis, hoje em dia fazem abaixo assinados, petições e espante-se, ações de activismo no Campo Pequeno em que até se algemam aos portões. Não conseguem juntar mais que 20 pessoas numa manifestação: 7 cavaleiros, 6 matadores, 3 bandarilheiros, 2 emboladores, o Chicão e o Ventura”, reforçou André Silva.

Podem ler o ARTIGO TODO AQUI