Conteúdo ANDA Alerta: eclipse solar pode confundir animais

Diversas espécies de animais poderão ser afetadas e ter comportamentos estranhos na segunda-feira (21), durante o eclipse solar, mesmo nos lugares em que o fenômeno for parcial. O primeiro registro de confusão em ocasiões similares foi feito em 1932, quando pesquisadores descobriram que as abelhas retornavam para as suas colmeias na Inglaterra.

Em julho de 1991, um eclipse total fez com que aranhas destruíssem suas teias para recomeçá-las com a chegada da luz do Sol, segundo a National Wildlife Federation. Desta vez, o maior risco será para os animais selvagens, que começarão suas rotinas noturnas mais cedo.

Para os animais domésticos, como cães e gatos, o fenômeno deve ser menos prejudicial do que fogos de artifício e tempestades, que perturbam esses animais e podem causar acidentes. As informações são da emissora USA Today.

Enquanto os humanos contemplarão o espetáculo, alguns animais poderão ficar confusos mesmo em lugares com apenas um eclipse parcial.

Os primeiros relatos de comportamento animal estranho durante os eclipses envolvem pássaros. Talvez o mais antigo seja de um eclipse total em 1544 quando “as aves deixaram de cantar”, enquanto outro relatório de um eclipse em 1560 afirmou que “as aves caíram no chão”, de acordo com a Science News.

Na segunda-feira (21), a maioria dos animais selvagens provavelmente iniciará sua rotina noturna quando o eclipse começar, disse Bruce Stein da National Wildlife Federation.

Durante os eclipses anteriores, os elefantes na África foram vistos voltando para suas áreas de dormir, enquanto chimpanzés olhavam para o céu “confusos com o que estava acontecendo”, disse Stein.

Animais domésticos como cães e gatos devem ser menos afetados pelo eclipse do que os de vida selvagem, de acordo com a Rede Mãe Natureza.

“A totalidade só dura alguns minutos no máximo e o eclipse em si é silencioso e não produz ruídos que normalmente assustam animais domésticos como tempestades e fogos de artifício”, disse o editor de ciências da rede Russell McLendon.

Cientistas em todo o país também podem observar e registrar o comportamento animal para organizações como a Academia de Ciências da Califórnia.

“Quanto às flores e plantas, há pouca informação relacionada ao que acontece com elas durante um eclipse total”, disse Douglas Bielenberg, um fisiologista da planta da Universidade de Clemson.

“As pessoas que têm jardins podem olhar as folhas caindo das plantas, ou observá-las ao entrarem em suas posições noturnas”, disse ele. “Esta será uma ótima oportunidade para as pessoas fazerem observações”.

Fonte: ANDA

Anúncios