«EXISTE UM FUTURO MELHOR PARA NÓS E PARA OS OUTROS ANIMAIS»

QUEIMA.png

Texto de :

FARPAS.png

Queima das Farpas

Com a ratificação do resultado do referendo pelo Conselho de Veteranos da Universidade de Coimbra, acabou oficialmente a garraiada no programa da Queima das Fitas de Coimbra.

A constatação de que a maioria dos estudantes não se revê neste tipo de práticas constitui uma vitória inequívoca para os animais e para o progresso da Academia.

Começámos este movimento há 3 anos com consciência da missão que tínhamos em mãos e da responsabilidade e compromisso que provavelmente exigiria de nós. Poucas pessoas deram a cara mas foram muitas as que se uniram em torno deste propósito. Foi graças à certeza das nossas convicções e à vontade de mudar a realidade de muitos animais que conseguimos estabelecer esta rede que não deixou cair a Queima das Farpas, apesar de todos os obstáculos que fomos encontrando.

O nosso propósito era a abolição da garraiada do programa da Queima das Fitas. Conseguimos!

Com o apoio incondicional do Grupo Ecológico da Associação Académica de Coimbra (que travava esta luta desde 1989), criámos um movimento forte, coeso e que, acreditamos, ainda está em crescimento. Com o trabalho que fomos desenvolvendo e a sensibilidade (e coragem!) quer da actual Comissão Central da Queima das Fitas, quer da Direcção-Geral da Associação Académica de Coimbra, ficaram reunidas as condições necessárias.

É um momento de festejos, mas queremos relembrar a todas as pessoas que ficaram sensíveis para o maltrato animal nas garraiadas, que Portugal é um dos últimos 8 países no mundo onde a tauromaquia ainda existe e que as atrocidades que muitos de nós preferem ignorar são infligidas aos animais em arenas por todo o país.

À semelhança do que aconteceu até 2017 na cidade de Coimbra, em que a festa de toda a gente pagava o “divertimento” que alguns sentem no tormento de outrem, no nosso país a tauromaquia subsiste graças ao dinheiro que é de todos os contribuintes.

Se achas que isto não faz sentido e compreendes, por todos os motivos, a necessidade urgente de abolir estas práticas ou, simplesmente, percebes que é revoltante que toda a gente pague por algo que vai contra os valores da maioria, pedimos-te que faças algo! Está a decorrer uma Iniciativa Legislativa de Cidadã/os para eliminar de vez os subsídios públicos a esta actividade – assina e partilha-a!

http://peticaopublica.com/?pi=PT86673

Mexe-te, como nós fizemos há 3 anos! A abolição é possível e está próxima! Existe um futuro melhor para nós e para os outros animais, em que podemos, no mínimo, concordar que não é correcto fazer uma festa da sua tortura e sofrimento…nós caminhamos para lá. Vens connosco?

Fonte: Arco de Almedina

Anúncios

O QUE É A TOURADA???!!!

A tourada, é a mais execrável prática psicopata, para entreter outros psicopatas, de um país à beira mar plantado, chamado Portugal.

A tourada, é uma prática bárbara.
É uma prática assassina.
É uma prática monstra, que suja o nome de Portugal, pelo mundo fora.

Só um sádico, pode gostar de assistir a um ser sensível, ser brutalmente atacado. E desse modo, esse sádico, mostra que no seu coração, não existe compaixão, e nem empatia. Mostra, que não passa de um reles ser humano.

A tourada, é uma prática que não tem algum sentido existir, em Portugal, ou em qualquer outro país, que quer ser civilizado!

Por isto, grito, alto e em bom som; ABOLIÇÃO!

Mário Amorim

Faz-me impressão!

Faz-me impressão, ouvir, a cambada de psicopatas, que estão, nas bancadas de uma praça de touros, a gritarem Olé, para com a tortura, a crueldade, que ocorre na arena.
Fico com pela de galinha, só de pensar, na total insensibilidade dessa gente.

Um país que seja um país moderno e civilizado, não compactua com esse espetáculo, vil e psicopata, chamado tauromaquia.

É absolutamente urgente, abolir-se a tauromaquia, de Portugal.
É absolutamente urgente, limpar o sangue, provocado por Tauricidas, por Psicopatas Tauromáquicos, de Portugal. Sangue esse, que dá uma má imagem de Portugal, pelos quatro cantos do mundo.

Abolição da tauromaquia, de Portugal; JÁ!

Mário Amorim

Como é que eu faria…!

Já estou afastado da luta contra a tauromaquia em grupo, desde 2013. Não estou envolvido em grupo, em organização, ou num movimento, qualquer.
A luta que faço, contra a tauromaquia, é uma luta individual.

Mas como faria, se decidisse recomeçar a lutar em grupo, criando um novo movimento?
– Seria um movimento para lutar unido, e não para querer protagonismo. A união seria, por tanto, a primeira condição dele, na luta contra a tauromaquia.
– Organizaria manifestações e marchas contra a tauromaquia, levando sempre em conta, as dificuldades de deslocação e monetária, de imensa gente, de todo o país, que não tem condições, para se deslocar a Lisboa.
. Essas manifestações e marchas, contra a tauromaquia, seriam organizadas por todo o país, para ter muito, muito mais gente a se manifestar.
É preciso levar em conta, que uma marcha, ou manifestação contra a tauromaquia, em Lisboa, tem, no máximo 10.000 pessoas. E que se realizadas por todo o país, não tem 10.000 pessoas, mas muitas dezenas de milhares de pessoas, no total.
Para essas manifestações e marchas, contra a tauromaquia, criaria um evento no Google+, e pediria a outra pessoa, para criar um evento idêntico, no Facebook. Nele, convidaria pessoas de todo o país e se juntarem e a juntarem organizações e movimentos animalistas das suas zonas, para em conjunto, em consonância, com o evento principal, organizarem essas manifestações e marchas, contra a tauromaquia, para o dia e para a hora, descrito, no evento principal.

O meu movimento, seria absolutamente exigente, na exigência, da abolição da tauromaquia.

Estaria, como uma carraça, a exigir ao Parlamento, o fim dos subsídios para a tauromaquia. E como uma carraça, não iria desistir, até o conseguir.

Seria também uma carraça, junto das Câmaras Municipais, para que mais Municípios, se declarem anti-tourada.

Agora; muitos de vocês, vão perguntar: então porquê que ele não cria esse movimento?
– Não o crio, porque acho que não há condições, em Portugal, para criar um movimento como este.
Se a luta contra a tauromaquia, fosse em Portugal, como é aqui em lado, em Espanha, haveria condições.
Mas como a luta contra a tauromaquia em Portugal, não é como é em Espanha, não há condições.

Mas caso houvesse condições para o criar, era assim que faria!

Mário Amorim

Exigência e Intransigência.

O que a luta contra a tauromaquia em Portugal precisa, é de ser exigente e intransigente.
Exigente, no ver resultados, em Portugal, contra a tauromaquia, para já, e não para mais tarde. E intransigente, no exigir que esses resultados, sejam uma realidade, para já.

É esta atitude que é necessária, existir em Portugal.
Esta atitude, é a única capaz de conseguir a abolição da tauromaquia em Portugal.

Sem exigência e intransigência, na luta contra a tauromaquia, não se é lutador, corajoso, perseverante.

A luta contra a tauromaquia em Portugal, tem de exigir para já a abolição da tauromaquia, e tem de ser absolutamente intransigente nessa exigência.

Esta é a atitude certa, em prol do touro, do cavalo e das crianças em jovens!

Mário Amorim

Não se aproveitou uma enorme oportunidade, em Portugal!

Faz alguns anos, que Portugal viu as maiores manifestações, depois do 25 de Abril.
Essa era a oportunidade, para aproveitar-se a embalagem, e realizar em Portugal, marchas ou manifestações com grande impacto, contra a tauromaquia. Grandes marchas, ou manifestações, a exigir a abolição da tauromaquia. Mas infelizmente, essa oportunidade, foi desperdiçada!

O que não se quer entender em Portugal, é que não são marchas, ou manifestações, com 2, 3, ou 4 mil pessoas, contra a tauromaquia, que irão surtir efeito.

Para que marchas e manifestações, contra a tauromaquia, em Portugal surtam efeito, é necessário que nas ruas, estejam muitas dezenas de milhares de pessoas, a exigir a abolição da tauromaquia.

Se assim não for, essas marchas, essas manifestações, não obtêm o efeito necessário, junto da Assembleia da República.
Se assim não for, a Assembleia da República, ignorará a mensagem dada, e não irá abolir a tauromaquia.

Por isso; acho que está na hora, de se recuperar o tempo perdido, e realizar no inicio, ou no fim do próximo verão, enormes marchas, ou manifestações simultâneas, a exigir a Abolição da tauromaquia. Marchas ou manifestações contra a tauromaquia, como até hoje Portugal nunca viu!

Mário Amorim

É preciso…

É preciso mobilizar o maior numero possível de portugueses, na luta contra a tauromaquia, não apenas em Lisboa, como acontece em marchas e em manifestações, mas por todo o continente e nas ilhas.

É absolutamente necessário que haja uma figura publica bem conhecida, que dê o rosto contra a tauromaquia, e numa enorme campanha contra a tauromaquia.

É absolutamente necessário que essa figura publica e outras figuras publicas, participem num anuncio em vídeo contra a tauromaquia, em que se peça a abolição da tauromaquia, de Portugal.

Depois disto estar feito; é pedir a essas figuras publicas, que participem num outro anuncio, pedindo para que o maior numero de portugueses, participem numa marcha nacional simultânea a pedir a abolição da tauromaquia, a ser organizada no inicio, ou no fim do próximo verão, por todo o continente e nas ilhas.

Dirão; mas isso é impossível.
Não é. Só é impossível, quando não é de todo possível. E este, não é o caso.
Quando se quer muito algo, é sempre possível, desde que se tenha vontade, e se ponha mãos à obra para se tornar realidade o que se quer.

É de todo fundamental tornar tudo isto realidade, para que consigamos a abolição da tauromaquia, em Portugal!

Mário Amorim