«A FESTA DE BARRANCOS EM “HONRA DE Nª SR.ª DA CONCEIÇÃO”…»

Na nossa Assembleia da Republica só há três partidos em condições. BE; Verdes e PAN. Os restantes quatro partidos, são uma vergonha. Pois na hora da decisão, colocam-se sempre de lado da Psicopatia tauromáquica, chumbando todos os projectos contra a tauromaquia. Por tanto; em 2019, votemos só no BE e no PAN. Pois infelizmente os Verdes, não são capazes de irem as eleições sozinhos, impossibilitando o voto directo neles. Em 2019, em nome do touro, do cavalo e das crianças e jovens, é hora de darmos muito mais força ao BE e ao PAN!

Mário Amorim


Um texto de Rui M. Palmela, que nos dá um panorama trágico da “festa” diabólica, em Barrancos, em honra de Nossa Senhora da Conceição.

Chamo a atenção para os depoimentos absolutamente aberrantes de personalidades que, apesar de todos os estudos, não evoluíram minimamente, e mantêm-se com os pés e mentes bem fincados num tempo das maiores ignorâncias e obscurantismos.

BARRANCOS.jpg
O que se passa em Barrancos, graças a Jorge Sampaio, ex-presidente da República Portuguesa, é do mais desqualificado, do mais grosseiro, do mais bárbaro que possamos imaginar: crueldade, violência, bebedeiras, boçalidade, tudo elevado ao máximo… em nome da Santa… E é esta vergonhosa ignomínia que a igreja católica sustenta. 

Texto de

Rui M. Palmela

«Barrancos é uma vila alentejana onde existe uma tradição centenária sanguinária de matar toiros numa festa religiosa que se realiza ali todos os anos no fim de Agosto “em honra de Nª Srª da Conceição”, numa arena improvisada frente à Capela onde se reza e donde sai a procissão, tudo terminando numa diabólica diversão. E a Igreja Católica não se pronuncia cometendo também seu “pecado de omissão” …

No entanto existe uma bula papal que condena estes espectáculos sangrentos onde se lê o seguinte:

(…) “Considerando que estes espectáculos que incluem touros e feras no circo ou na praça pública não têm nada a ver com a piedade e a caridade cristã, e querendo abolir estes vergonhosos e sangrentos espectáculos, não de homens, mas do demónio, e tendo em conta a salvação das almas na medida das nossas possibilidades com a ajuda de Deus, proibimos terminantemente por esta nossa constituição a celebração destes espectáculos”… (in “Bullarum Diplomatum et Privilegiorum Sanctorum Romanorum Pontificum Taurinensis editio”, tomo VII, Augustae Taurinorum, 1862, pág. 630-631.)

Portugal já foi um país sem touradas no Reinado de D. Maria II, quando pelo um Decreto nº 229 de 1836 se lia o seguinte:

“Considerando que as corridas de touros são um divertimento bárbaro e impróprio de Nações civilizadas, bem assim que semelhantes espectáculos servem unicamente para habituar os homens ao crime e à ferocidade, e desejando eu remover todas as causas que possam impedir ou retardar o aperfeiçoamento moral da Nação Portuguesa, hei por bem decretar que de hora em diante fiquem proibidas em todo o Reino as corridas de touros”…

Porém, as touradas voltaram com a República e se mantêm até hoje com a “Democracia” com partidos de direita à esquerda a apoiarem a sua realização e a chumbarem propostas de sua abolição. Há mesmo figuras públicas bem conhecidas que defendem a tradição barranquenha dos toiros de morte e passo a citar algumas de suas frases que merecem repulsa ou reprovação. Aqui ficam:

Nuno da Câmara Pereira (fadista): “eu estou aqui em Barrancos com os cornos para o ar a apoiar a causa barranquenha, dos touros de morte, tradição que dura há séculos”.

Moita Flores (investigador, criminologista), dizia sobre uma certa providência cautelar da Associação ANIMAL que visava travar o espectáculo dos toiros de morte, e se pronunciou assim: “O juiz que decretou a providência não sabe o que escreve, não sabe o que diz, pela simples razão que não conhece o que se passa em Barrancos, possivelmente nem sabe onde fica”. Diário de Notícias 23/8/99.

Mafalda Ganhão (jornalista): “Na corrida de morte por exemplo, o touro não é picado para ser destroçado ou humilhado. É sangrado para que descongestione e possa vir ao de cima a sua bravura, corrigindo-lhe alguns defeitos, como a sua forma de investida”. Expresso 28/8/99

Miguel Sousa Tavares (jornalista e comentador tv): “O que eu defendo em Barrancos é a sobrevivência de uma cultura própria e enraizada localmente e que tenta resistir em face de investidas do pensamento “moderno”, “jovem” e “civilizado”, de uma elite urbana e arrogantemente convencida da sua suposta superioridade civilizacional”. Público 3/9/99.

Por fim, o padre Vítor Melícias, é um pseudo ‘franciscano’ que devia envergonhar-se pela sua obsessão por touradas que nada têm a ver com a doutrina de Francisco de Assis que tratava todos os animais como irmãos e condenava qualquer acto de violência e maus tratos aos seres da Criação.

Enfim, a minha opinião de cidadão é de que as touradas em Barrancos deviam ser proibidas com os toiros de morte e se penalizasse criminalmente todos os responsáveis por aquela famigerada ‘tradição’ que persiste a coberto de uma famigerada “lei de excepção” aprovada em 2002 pelos mesmos partidos políticos que chumbaram recentemente uma proposta do PAN pela sua completa ABOLIÇÃO

 

Rui M. Palmela

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10214938431085761&set=a.1309687193754&type=3&theater

Fonte: Arco de Almedina

 

Anúncios