AQUI SE VÊ A COBARDIA DOS COBARDOLAS DOS FORCADOS

A cobardia dos cobardolas dos forcados

O touro, a partir do transporte, começa a ser agredido, física e psicologicamente. A agressão física e psicológica de que ele é vítima, dura 2 dias, até ao terceiro dia, dia em que entra na arena da praça. Uma das agressões físicas e psicológicas de que ele é vítima, é o corte da ponta dos chifres, o embolamento dos seus chifres.
O touro é física e psicologicamente vitima de agressões durante 2 dias, antes de entrar na arena, para o propositadamente enfranquecer, e dessa forma, facilitar a sua lide.

Quando ao fim de 2 dias em que foi vil, barbara e propositadamente torturado para facilitar a sua lide e entra na Arena, quem é que ele encontra; quem? – Ele não encontra os COBARDOLAS dos forcados, encontra o toureiro a cavalo.

Neste momento, recomeça a vil, a bárbara tortura, física e psicológica para com o Touro, com o encravamento de ferros e posteriormente de bandarilhas. Ou seja; o seu enfraquecimento propositadamente recomeça, para mais tarde, se proceder à entrada na arena dos COBARDES dos forcados.

Logo depois do toureiro a cavalo, com quem o touro se encontra, com quem? – Com toureiro a pé, que também o tortura física e psicologicamente, com o encravamento de bandarilhas.

Finalmente, entram na arena os forcados, do alto da sua cobardia.

O Touro, depois de toda a brutal tortura, física e psicológica de que foi vítima, antes e durante a corrida. Com inúmeras farpas cravadas no seu dorso, cheio de sangue; a sofrer; mais morto do que vivo, ainda tem que levar com os COBARDOLAS dos Forcados?!

E POR AQUI SE VÊ A COBARDIA DOS COBARDOLAS DOS FORCADOS!!!

Mário Amorim