Por muito que eles o neguem, a tauromaquia, só ainda existe em Portugal, para…

1º imagem

Crianças maltratadas

Por muito que eles o neguem, a tauromaquia, só ainda existe em Portugal, para que eles, a cada ano que passa, recebam 16.000.000 de € de subsídios do Estado e da União Europeia. E são esses 16.000.000 de € de subsídios que a sustentam. São esses 16.000.000 de € que permitem que a tauromaquia ainda exista em Portugal. É que sem subsídios, sem todos esses milhões de € que anualmente a industria tauromáquica recebe, ela pura e simplesmente já não existiria há muito em Portugal.

São esses 16.000.000 de € de subsídios, que lhes permite, torturar barbaramente o touro e o cavalo. São esses 16.000.000 de € de subsídios, que lhes permite abusar psicologicamente de crianças, tanto as crianças que participam, na arena e nas escolas de toureio/forcados/toureiro a cavalo, como as crianças que assistem nas bancadas.

É por estas razões que é fundamental que assinem e partilhem estas duas petições:

Proibição de subsídios públicos a actividades tauromáquicas

http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT72070

Proibição da assistência e trabalho de menores em espectáculos tauromáquicos

http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT72071

Mário Amorim

Anúncios

É um ultraje!

16.000.000 de Euros de subsídios

É um ultraje!

Crianças que não têm de comer, em Portugal. Muitos milhares de portugueses a viver na miséria.
Não há dinheiro para o ensino da musica. Não há dinheiro para o ensino especial.
O nosso país, no estado deplorável em que se encontra.
Mas chove dinheiro para que os Psicopatas tauromáquicos. Para eles há sempre subsídios, para que possam torturar barbaramente, física e psicologicamente seres sensíveis. Mas chove dinheiro para que os Psicopatas tauromáquicos possam destruir o bem-estar psiquiátrico de crianças, ensinando-lhes a sua venal prática. 16.000.000 de € de subsídios, do Estado e da União Europeia a cada ano para a tauromaquia.

É um ultraje. É verdadeiramente um ultraje!

BASTA!
Não podemos continuar a permitir este abuso, no nosso país. Não podemos mais permitir tão vil e hediondo abuso!

Mário Amorim