QUANDO NOS DAMOS CONTA

Quando nos damos conta de que o amor verdadeiro é uma escolha, o amor flui como as aguas de um lago.
Sim; disse e repito. O Amor verdadeiro é uma escolha. É uma escolha do coração.
É a mais bela e genuína escolha que existe.
Com esta escolha que o nosso coração faz, vamos partilhar com a outra pessoa, um amor que é imune ao sofrimento. Um amor que respira felicidade, alegria e eternidade!

Mário Jorge

Fonte: Amor Incondicional Blog
Nota: O Amor Incondicional Blog, é o meu blog mais antigo!

Foldex: os gatos de orelhas dobradas são muito astutos e brincalhões

O gato Foldex surgiu recentemente, em 1992, no Canadá, fruto do acasalamento entre animais de raça Scottish Fold e Exotic Shorthair.

A combinação do material genético resultou num gato caracterizado pela aparência robusta,  boa musculatura e pelo tamanho mediano. Por outro lado, é popular pelas suas orelhas dobradas e de pequenas dimensões.

Esta raça apresenta uma cabeça redonda, com um tamanho médio. As suas bochechas são recheadas e o nariz é curto. Os olhos do gato Foldex assemelham-se a círculos perfeitos e vivazes, que podem apresentar diversas cores.

Este tipo de gato, geralmente tem pelagem abundante, curta e suave. Contudo também é possível encontrar alguns exemplares com pelo longo ou intermédio. A cor deste pode variar, não existindo nenhum padrão definido.

Como já foi referido, as orelhas são um elemento caracterizador desta raça. Estas apresentam-se recolhidas e têm um tamanho pequeno. Os bebés Foldex nascem com as orelhas erguidas e o seu aspecto só mudará, quando as crias atingirem um mês de vida.

Os gatos desta raça têm um caracter peculiar. Por um lado, são muito curiosos, mais ainda do que outros tipos de gatos. Contudo, através das suas acções, revelam muita inteligência, astucia e até amabilidade. Neste sentido são considerados animais sociáveis, brincalhões e com fortes ligações afectivas com o seu dono.

Não é aconselhado o cruzamento entre gatos puros de raça Foldex, devido à grande probabilidade de ocorrer malformações.

Fonte: Greensavers

Heracleum mantegazzianum, a terrível planta que pode provocar ferimentos graves

Esta planta, com cinco metros de altura, larga furocumarinas, um produto químico tóxico que modifica a estrutura das células da pele e a torna mais sensíveis aos raios ultravioletas. Em 24 horas, e num prazo máximo de 48 horas, a pele desenvolve queimaduras e irritações que podem provocar cicatrizes permanentes e bolhas. E se esse composto químico chegar aos olhos, pode levar à cegueira.

Numa reportagem emitida pelo canal BBC, Oskars Mezhniyeks, dono de uma fazenda na Letónia trava uma batalha constante contra a planta. “Se eu não a matar aqui, ela vai tomar conta da minha plantação”, explica. “Elas têm um valor nutricional consideravelmente alto e, por isso, foram cultivadas como potencial alimento para o gado. Mas devido aos efeitos que causaram nos humanos foi abandonada rapidamente, só que continuaram a espalhar-se, já que uma só planta pode produzir muitas sementes”, acrescenta Pior Rzymski, investigador da Universidade de Poznan, na Polónia.

A planta é natural da Ásia, muito comum na Rússia e Geórgia, mas veio para os jardins europeus por causa das flores brancas que exibe. É comum encontrá-la também junto aos rios ou estradas no norte da Europa. Em Portugal não há registos da existência da planta. Há forma de limitar os efeitos caso a seiva encoste na pele. “Deve lavar a pele com sabão e água fria e evitar a exposição ao Sol”, aconselha Rzymski.

Fonte: Green Savers

Tubarões-baleia em risco de vida devido à passagem de grandes embarcações

Os tubarões-baleia (Rhincodon typus) estão em risco de vida devido às rotas de grandes embarcações (com peso superior a 300 toneladas brutas), revela um novo estudo publicado na Proceedings of the National Academy of Sciences.

Num período de 7 anos, os investigadores rastrearam por satélite o movimento de 348 tubarões-baleia e acompanharam a atividade de embarcações como navios tanque e navios cargueiro. Por mês, mais de 90% dos navios passava pelas áreas onde se encontravam estes animais. O estudo demonstra que as estimativas de risco de colisão correlacionaram-se com a mortalidade por colisão com navios, em todos os oceanos do mundo. As zonas com rotas marítimas mais movimentadas foram onde se observaram mais mortes do tubarão-baleia. Os pontos críticos centraram-se na região do Golfo.

A espécie encontra-se categorizada como ‘em perigo’ de extinção na Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), que confirma que a sua população está a diminuir. Esta situação pode explicar porque se mantém esta tendência de declínio, ainda que se tenham desenvolvido esforços de proteção ligados ao sector das pescas. 

Os autores recomendam que seja desenvolvido um esquema global de relatórios com registos de colisão, que possibilitem a implementação de medidas regionais de gestão. Além disso, distanciar estes navios e reduzir a sua velocidade pode ser importante, especialmente em zonas mais críticas como o Mar Vermelho e o Golfo Pérsico, onde existe grande tráfego marítimo e onde a espécie transita sazonalmente.

Fonte: Green Savers

PARECE SIMPLES, MAS NÃO É!

Decidi escrever novamente sobre AVATAR, de 2009, com um curto texto!
O Rei do Mundo, James Cameron, fez o melhor filme feito até hoje. E o segundo filme, que estreia em Dezembro, promete ser ainda melhor.

O primeiro filme, como disse anteriormente, vai ser reposto nos cinemas, melhorado.
O conselho que dou, a quem ainda não o viu, é que o veja pelo menos três vezes, e de preferencia em 3D, ou ainda melhor, em 4K.

Parece ser um filme simples, mas não é.
É muito complexo e completo!

O Rei do Mundo, colocou um espelho à nossa frente e nos disse; agora vejam-se nele!

Mário Amorim

SENTI UMA PROFUNDA VERGONHA DE SER UM SER-HUMANO

Em 2009 vi três vezes o filme da minha vida.
E vi-o três vezes, porque AVATAR, está carregado de mensagens. Umas directas e outras indirectas.
É um filme riquíssimo.
Senti uma profunda vergonha de ser um ser-humano.
Senti que levei umas boas bofetadas na face.
Senti-me despido, enquanto ser-humano.
Ele fala da ganancia humana.
No desrespeito para com outras culturas.
Na destruição da nossa querida Mãe Natureza.
Na guerra.
Saí da sala, a primeira vez que o vi, com uma enorme vontade de chorar. Mas decidi que o precisava de ver, mais duas vezes. E assim foi!
Em suma. É melhor filme feito até hoje!
Ele vai ser reposto nos cinemas, melhorado. E vou voltar a vê-lo, uma quarta vez, no cinema.

Agora estou ansiosamente à espera do segundo filme.
Estou à espera do que o grande James Cameron nos vai dar!

Mário Amorim

Têxteis com propriedades electrónicas vêm a caminho

O cientista português Paulo Rocha não podia estar mais satisfeito. Os primeiros resultados do estudo internacional que integrou, liderado por Kamal Asadi, investigador do Instituto Max-Planck, na Alemanha, foram publicados e são altamente positivos. Está aberto o caminho para a utilização da eletrónica no vestuário do dia-a-dia.

“A procura de têxteis electrónicos e inteligentes tem vindo a crescer, devido à viabilidade comercial e ao interesse dos consumidores”, explica Paulo Rocha, da Universidade de Coimbra, que acrescenta: “Mas a indústria têxtil enfrenta o desafio de encontrar fibras de materiais electrónicos baratos e prontamente disponíveis, que sejam adequados às roupas modernas”.

A solução seria encontrar têxteis piezoelétricos. E esta descoberta recente vem dar resposta às preocupações da indústria têxtil. “Conseguimos demonstrar a fase piezoelétrica em fibras de nylon que podem, assim, ser usadas para a criação e detecção de eletricidade. O baixo custo destes materiais e a presença de uma indústria forte permitem o aumento da escala das fibras de nylon piozoelétrico em direcção a aparelhos inteligentes e acessíveis”. Ou seja, está aberto o caminho para os têxteis eletrónicos ou e-têxteis.

Esta investigação foi publicada na revista científica Advanced Functional Materials e conta, entre os seus autores, com a participação de Paulo Rocha, do Centro de Ecologia Funcional da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC).

Por Paulo Caetano

Fonte: Green Savers