“Alexandra Borges”: o lado oculto das corridas de galgos em Portugal

Os que se divertem com o sofrimento animal não são gente, por isso, não sentem como gente.

Imagem galgo.png
Antes e depois da barbárie.

A investigação da TVI mostrou-nos os bastidores das corridas de Galgos, um negócio absolutamente abjecto, que rende milhares de Euros. Como não existe legislação para este tipo de crime, usa-se e abusa-se destes magníficos Cães, que sofrem horrores às mãos de monstruosos carrascos, e quando já não servem para “fazer dinheiro” são mortos ou abandonados desalmadamente.

Vi a reportagem e fiquei horrorizada!

Como é possível, no meu país a existência desta barbárie, que também se estende a outros animais, como Touros e Cavalos, que não são considerados sequer animais, na óptica dos governantes.

Existe uma Lei de Protecção Animal, mas não sai do papel.

Continuamos a ver Cães acorrentados, à chuva e ao sol, nas barbas da GNR, maltratados; outros confinados a varandas e  terraços, denunciados, mas ninguém age. E eles lá ficam abandonados à sua sorte.

Que país é este, que permite maltratar os seus animais não-humanos, que, na verdade, são mais humanos do que os desumanos que os maltratam?

Enquanto no Parlamento existirem trogloditas, Portugal não evoluirá.

Eis o vídeo da reportagem.

https://tvi24.iol.pt/videos/sociedade/alexandra-borges-o-lado-oculto-das-corridas-de-galgos-em-portugal/5da61f920cf2fd5727769cf6

Isabel A. Ferreira

Fonte: Arco de Almedina

Anúncios

Esta monstruosidade acontece numa França que tem a pretensão de se considerar “civilizada”

Em Portugal e Espanha também temos desta barbárie. Isto não faz parte da Modernidade Europeia.

Três países que deviam estar desincorporados da restante Europa, onde estas práticas cruéis e sanguinárias não têm lugar.

[Todos a Rodilhan em 27 de Outubro!]

–  A partilhar –

A uma hora de Montpellier, no Gard, perto de Nîmes, oferecemos-vos RDV para denunciar a barbárie das touradas.

Esse encontro, altamente simbólico na luta contra as touradas, às vezes é violento, mas é possível evitar o gás lançado pelas forças policiais, que defendem a ignomínia ainda legalizada … (reconhecida como crime no Código Penal, mas isenta de penalização, por derrogação à lei).

O presidente da Câmara desta localidade, condenado várias vezes, insiste na organização de sacrifícios de animais e a submeter a localidade a um estado de sítio.

 A um ano das próximas eleições municipais, vamos pressionar, de uma vez por todas, para que ele não seja reeleito e, definitivamente, virarmos esta página sombria da nossa história e da nossa humanidade.

(Tradução do comunicado em Francês)

MONSTRUOSIDADE.jpg
Fonte:

Fonte: Arco de Almedina

DIZER COM CLAREZA O QUE VAI ACONTECER

Gaia está em transição para a 5Dª.
A tauromaquia é uma pratica de violência, da 3Dª.
Como tal, a tauromaquia, não existirá na 5Dª.
Nenhuma prática violenta irá existir na 5Dª. Pois a 5Dª será de amor.
Por tanto; estes são já os últimos momentos, de uma prática abjecta.
E quem quiser permanecer na 3Dª, julgando que poderá continuar a divertir-se com a brutalidade e a boçalidade da tauromaquia, saiba desde já que não poderá!

Mário Amorim

ABUSO E MAUS-TRATOS Tartaruga tem cesta colada no casco para turistas jogarem dinheiro

A foto foi tirada por um visitante que presenciou a cena e compartilhou nas redes sociais pedindo acção dos departamentos responsáveis por animais selvagens e da polícia

Foto: WEIBO

Um zoológico chinês causou uma onda de revolta e indignação nas redes sociais após fotos compartilhadas mostrarem uma tartaruga com uma cesta colada em suas costas para colectar o dinheiro jogado pelos turistas.

Os funcionários do parque também prenderam uma bandeira nacional chinesa na tartaruga, enquanto os visitantes do zoo jogavam dinheiro nela, a imagem ganhou destaque nas mídias sociais.

O zoológico disse que a administração do parque está investigando o assunto.

O flagrante de abuso e maus-tratos ocorreu no zoológico de Nanning, na capital da província de Guangxi, de acordo com um usuário da web conhecido como “Tea-tia”, responsável pelo compartilhamento da foto.

O usuário disse no Weibo, rede social chinesa semelhante ao Twitter, que a foto foi tirada durante o feriado do Dia Nacional, quando muitas famílias em todo o país levaram seus filhos a zoológicos e playgrounds.

Foto: WEIBO

O povo chinês acredita que jogar moedas em um alvo específico pode lhes trazer boa sorte ou afastar os maus espíritos. Isso pode variar de uma estátua em um parque a um sino em um templo.

O post acusava o zoológico de explorar e ferir a tartaruga africana para arrecadar dinheiro dos turistas.

O texto que acompanhava as fotos também pedia ao departamento de polícia da web, o National Forestry Bureau e a o departamento de mídia estatal que interviessem no caso e investigassem.

O usuário disse que ficou chocado ao ver a tartaruga e a cesta colada em suas costas quando visitou o zoológico.

Ele disse à Pear Video: “Não sei por que o zoológico usaria esse método para exibir e explorar animais raros e belos”.

Ele também afirmou que a tartaruga era mantida em um “ambiente muito ruim” e que não se viam seguranças por perto.

Um porta-voz disse que os gerentes responsáveis do zoo estavam investigando o assunto e ainda não divulgaram uma declaração oficial.

A tartaruga africana é uma das maiores tartarugas do mundo. Pode crescer até 30 polegadas de comprimento (cerca de 76 cm) e alcançar mais de 100 libras de peso (em torno de 45 kg).

Elas são répteis curiosos, inteligentes e animados, de acordo com especialistas e conservacionistas da espécie.

Fonte: ANDA

BOTSUANA Rinocerontes negros podem estar extintos até 2021

Aumento da caça este ano no país, que apresenta uma taxa de um animal morto por mês na já enxuta população de menos de 400 animais, representa um risco real e iminente

Foto: AFP

Nove rinocerontes foram caçados e mortos em Botsuana desde abril, informou o governo do país na quarta-feira (9), uma taxa sem precedentes de um animal por mês que pode levar a extinção da espécie africana até 2021.

Os milhares de rinocerontes que antes percorriam a África e a Ásia foram mortos por caçadores ou vítimas da habitat. Muito poucos são encontrados fora dos parques e reservas nacionais, onde permanecem ameaçados.

Botsuana abriga pouco menos de 400 rinocerontes, de acordo com a Rhino Conservation Botswana, a maioria dos quais percorre as planícies gramadas do norte do Delta do Okavango.

Foto: Alamy

Uma declaração do Ministério do Meio Ambiente do país afirma que dois rinocerontes foram mortos em cinco dias por caçadores na região do rio Okavango só no final do mês passado, aumentando o número total de animais mortos para nove desde abril.

“Perdemos cerca de um rinoceronte por mês devido à caça”, disse Mmadi Reuben, coordenadora de rinocerontes do departamento de vida selvagem de Botsuana, no comunicado.

“Se a caça continuar nesse ritmo, não haverá rinocerontes em Botsuana em um ano ou dois, especialmente o rinoceronte negro”.

Foto: Unsplash

Enquanto os rinocerontes brancos do sul foram resgatados da extinção, os rinocerontes negros ainda são considerados criticamente ameaçados, com apenas cerca de 4.200 deles vivendo em estado selvagem.

Menos de 20 vivem em Botsuana, que também abriga a maior população de elefantes do continente.

Botsuana tem uma abordagem de tolerância zero à caça e já trabalhou com uma política de “atirar para matar” contra os caçadores.

Foto: WWF

“As forças anti-caça agora colocam a proteção dos rinocerontes e a localização dessas quadrilhas como sua maior prioridade”, disse o comunicado, acrescentando que dois caçadores foram mortos em operações recentes.

Mas a caça está aumentando na região, impulsionada pela demanda por chifres de rinoceronte nos países asiáticos, e as autoridades estão sobrecarregadas.

“O delta do rio Okavango é uma área muito grande, com um terreno difícil e pantanoso, que esses caçadores estão usando a seu favor”, disse o ministério.

Foto: Getty Images

Vendido por até 55 mil euros (cerca de 248 mil reais) por quilo no mercado paralelo, o chifre de rinoceronte é usado na medicina tradicional ou como símbolo de riqueza e sucesso.

A África do Sul vizinha do Botsuana perdeu mais de 7.100 rinocerontes na última década, incluindo 769 animais em 2018.

A Namíbia também registou incidentes recentes de caça de rinocerontes, casos de caçadores que deixam o animal sangrando até a morte depois que seu chifre é cortado.

Fonte: ANDA

ESCÓCIA Nova legislação prevê penas de até cinco anos de prisão para crimes de crueldade contra animais

Serão introduzidas sentenças de prisão de até cinco anos pelos crimes mais graves contra animais no país, sob nova legislação publicada em 01 de Outubro.

Foto: Scotsman

Serão introduzidas sentenças de prisão de até cinco anos pelos crimes mais graves contra animais na Escócia, sob nova legislação publicada em 01 de outubro.

O governo também introduziu multas ilimitadas e elevou o valor máximo das multas por alguns crimes contra a vida selvagem.

As mudanças também acontecem sob a introdução da Lei de Finn no país, que oferece protecção extra aos animais explorados em serviços, removendo o apelo de “autodefesa” daqueles que os atacam.

O processo para que os animais resgatados por motivos de bem-estar sejam vendidos ou realojados rapidamente também será aprimorado sem a necessidade de uma ordem judicial.

Kirsteen Campbell, executiva-chefe da SPCA escocesa, disse que as mudanças têm o potencial de “transformar” a vida dos animais em todo o país.

“A acusação é o último recurso para a nossa ONG, mas há muito tempo sentimos que as penalidades por crueldade com animais são muito brandas e inconsistentes”, disse ela.

“Esperamos que o aumento das opções disponíveis para acusações do ponto de vista legal, cause uma queda no número de pessoas que maltratam animais”.

A ministra de Assuntos Rurais, Mairi Gougeon, disse que as novas sanções seriam “robustas e proporcionais aos crimes cometidos”.

Ela acrescentou: “Aqueles que praticam esses actos hediondos enfrentarão, com razão, toda a força da lei, como e quando apropriado, esperamos que a Escócia possa servir de exemplo para outros países do mundo”.

Fonte: ANDA

ABUSO E CRUELDADE Urso é cruelmente amarrado em grade para servir de propaganda para circo

No vídeo o urso pode ouvido gemendo, uivando enquanto tenta se libertar das cordas que o prendem, as imagens comoventes causaram revolta no mundo todo

Urso preso chora por socorro | Foto: The Siberian Times
Urso preso chora por socorro

Um vídeo comovente de um urso negro gemendo enquanto é usado como um anúncio para um circo causou indignação na Rússia.

O animal jovem estava amarrado pelas patas traseiras a uma cerca do hospital local como propaganda de um circo itinerante que estava na na cidade de Bodaybo, conhecida como centro de mineração de ouro.

O urso-negro asiático, também conhecido como urso do Himalaia, parecia angustiado e gemia lamentando-se e tentando se libertar bem diante dos habitantes locais.

O vídeo gerou uma onda de fortes protestos online. “Este ursinho está chorando, ele não está feliz”, disse um comentário.

“Pessoas, acordem, o que vocês estão fazendo?” disse outro.

Houve também denúncias de que o animal estaria com fome ou ferido.

“Isso é pura crueldade e os circos devem ser proibidos”, disse uma pessoa.

Urso preso chora por socorro | Foto: The Siberian Times
Urso preso chora por socorro

Mas a autoridade local responsável, Elena Stepanova, chefe do departamento de cultura da cidade, riu dos gritos do urso e defendeu o circo itinerante e seus animais selvagens.
Ela até alegou que o animal estava “cantando” e se comportando como uma “garotinha”, negando que estivesse em perigo ou sofrendo.

Stepanova alegou que as crianças ficaram encantadas com o show de circo e os vários ursos presentes nele – incluindo o urso “alegre” e chorão.

O direCtor de circo, Evgeny Zakharov, afirmou que o urso amarrado estava “conversando” com as pessoas.

Caminhão do circo itinerante | Foto: The Siberian Times
Caminhão do circo itinerante

“Não achei que esse vídeo causasse tanta negatividade”, afirmou ele.

“Naquele exato momento, um treinador estava ali por perto, prestes a dar salsichas para os ursos”.

Vergonha e pesar

Cenas grotescas como essas, onde um animal é tratado com total desrespeito, amarrado a uma cerca, e mantido como propaganda para um circo são resultado de crenças como o especismo, em que o ser humano se coloca como centro do planeta, superior aos demais seres, e por isso livre para fazer o que desejar seus companheiros de planeta “inferiores” a ele.

Isso inclui, matar, vender, comer como alimento, explorar, ferir, expor, e dispor como lhe for conveniente.

Animais são seres sencientes, eles sentem, amam, sofrem, compreendem o mundo ao seu redor. Reduzir um ser belo, livre e selvagem como um urso negro, a uma marionete caricata de circo, fazendo truques anti-naturais por comida, sendo chicoteado para obedecer aos caprichos do “treinador” e divertir uma plateia é uma tentado a dignidade e a vida desses animais.

Longe de motivos de aplausos, esse tipo de exploração é uma mancha na história da humanidade que causa apenas vergonha e pesar.

Fonte: ANDA