Plástico nos oceanos cria “armadilha evolutiva” para as tartarugas marinhas

O estudo, liderado pela Universidade de Exeter em Inglaterra, encontrou plástico dentro de pequenas tartarugas juvenis ao longo das costas leste (Pacífico) e oeste (Oceano Índico) da Austrália.

Depois de eclodirem nas praias, as tartarugas marinhas viajam nas correntes e passam os primeiros anos no oceano aberto.

Mas essas correntes agora acumulam grandes quantidades de plástico e – alimentando-se perto da superfície – muitas tartarugas jovens engolem-no.

“As tartarugas juvenis evoluíram para se desenvolver no oceano aberto, onde os predadores são relativamente escassos”, declarou em comunicado a Dra. Emily Duncan, do Centro de Ecologia e Conservação do Campus Penryn de Exeter, na Cornualha.

“No entanto, os nossos resultados sugerem que esse comportamento evoluído agora leva-os a uma ‘armadilha’ – trazendo-os para áreas altamente poluídas, como a Grande Mancha de Lixo do Pacífico.

“As tartarugas marinhas juvenis geralmente não têm uma dieta especializada – elas comem qualquer coisa, e o nosso estudo sugere que isso inclui plástico.
Ainda não sabemos qual é o impacto da ingestão de plástico sobre as tartarugas jovens, mas qualquer perda nessas fases iniciais da vida pode ter um impacto significativo nos níveis populacionais.”

Os investigadores examinaram tartarugas marinhas juvenis (desde filhotes até uma medida de carapaça de até 50 cm) que chegaram à superfície ou foram acidentalmente capturadas por pescadores nas costas australianas.

No total, o estudo incluiu 121 tartarugas marinhas de cinco das sete espécies do mundo.

O plástico nas tartarugas do Pacífico era composto principalmente por fragmentos duros, que podiam vir de uma vasta gama de produtos usados ​​por humanos, enquanto os plásticos do oceano Índico eram principalmente fibras – possivelmente de cordas ou redes de pesca.

Os polímeros mais comumente ingeridos pelas tartarugas em ambos os oceanos foram o polietileno e o polipropileno.

“Esses polímeros são tão amplamente usados ​​em produtos plásticos que é impossível identificar as prováveis ​​fontes dos fragmentos que encontramos”, indicou Duncan no mesmo comunicado.

“Os filhotes geralmente continham fragmentos de até cerca de 5 mm a 10 mm de comprimento, e o tamanho das partículas aumentava junto com o tamanho das tartarugas. A próxima etapa de nossa investigação é descobrir se e como a ingestão de plástico afeta a saúde e a sobrevivência dessas tartarugas.

O estudo foi financiado pelo Sea Life Trust e pela National Geographic Society.

O artigo foi publicado na revista Frontiers in Marine Science.

Fonte: Green Savers

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.