Raro pinguim amarelo foi fotografado pela primeira vez

O fotógrafo belga da vida selvagem, Yves Adams, tirou a fotografia em dezembro de 2019 numa ilha na Geórgia do Sul durante uma expedição de dois meses. No entanto, só muito recentemente a fotografia foi publicada no Instagram do fotógrafo.

“Enquanto arrumávamos os nossos barcos de borracha, depois de chegar a uma praia remota na ilha da Geórgia do Sul, este pinguim-rei leucístico veio diretamente na nossa direção no meio de um caos cheio de elefantes marinhos, focas da Antártida e milhares de outros pinguins “, escreveu Adams no seu post. “Quanta sorte eu tive!”

O leucismo é uma mutação genética que causa o desaparecimento de parte, mas não toda a melanina de um animal, explica a Live Science. Os pinguins-reis geralmente têm penas pretas e brancas com uma faixa amarela em forma de gravata borboleta na gola. A melanina, ou pigmento escuro, é responsável pelas penas mais escuras. Embora as anomalias de pigmentação em pinguins sejam raras, elas podem ser melanísticas (todas pretas), albanísticas (todas brancas) ou leucíticas (uma mistura de ambas).

Dee Boersma, uma bióloga conservacionista da Universidade de Washington que não fez parte da expedição de Adams, disse ao Live Science que concordava com o fotógrafo em relação ao leucismo do pinguim.

No entanto, Kevin McGraw, um ecologista comportamental integrativo da Arizona State University que também não fez parte da expedição, está menos seguro, como disse ao Live Science: “Parece albino do ponto de vista de que carece de toda a melanina” na sua plumagem, pés e olhos, alertou McGraw. Ainda assim, “precisaríamos de amostras de penas para testes bioquímicos se pretendêssemos documentar inequivocamente” se a melanina está presente, afirmou.

McGraw acrescentou que a mutação pode colocar este pinguim em desvantagem, já que os pinguins usam a sua coloração para escolher parceiros e se proteger tanto de predadores quanto do sol.

Seja qual for o motivo, a coloração branca e amarela é tão rara que nunca foi vista antes, pelo que os especialistas sabem. Um pinguim barbudo branco foi visto na Antártica em 2012, relatou o The Independent.

A raridade fez com que Adams se sentisse especialmente sortudo por ter a oportunidade de a fotografar. O fotógrafo indicou que era um dos pelo menos 120.000 pinguins da colónia.

Fonte: Green Savers

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.