TECNOLOGIA Smartphones viram aliados no combate ao tráfico de animais

A tecnologia que pode encontrar links em complexas redes criminosas se tornou a mais recente ferramenta na luta contra caçadores

Foi um dia típico para Nikorn Wongprajan, que estava trabalhando no escritório do Departamento de Quarentena de Plantas e Animais dos Parques Nacionais em Suvarnabhumi, na Tailândia. Se tudo corresse como de costume, ele ajudaria um contrabandista de espécies ameaçadas de extinção que voava para o aeroporto, escondendo o chifre de rinoceronte que carregavam em seu escritório. Então, usando seu certificado de segurança, ele retiraria a carga ilegal do aeroporto em sua mochila, evitando a alfândega e os raios-X.

Só que desta vez o contrabandista, Chen Wong Sen, estava no radar das agências de aplicação da lei. O que se seguiu foi o uso de tecnologia de inteligência digital por investigadores, que os levou a Bach Van Hoa, um membro ativo do sindicato Hydra que contrabandeia marfim de elefante, chifre de rinoceronte e peças de tigre para traficantes chineses e vietnamitas.

“Quando os pegamos, apreendemos os chifres de rinoceronte junto com o telefone que ambos os suspeitos carregavam”, explicou Petcharat “Eddy” Sangchai, um ex-general da polícia e diretor da sede tailandesa da ONG internacional anti-caça furtiva “Freeland”, que estava envolvido na investigação.

Esses telefones celulares foram então acoplados a um produto conhecido como Dispositivo Universal de Extração Forense, ou UFED, que os desbloqueou e extraiu seus dados.

Os dados obtidos de telefones pertencentes a Wongprajan, por meio de um mandado em dezembro de 2017, mostraram que as chamadas foram feitas dos aparelhos para Hoa.

Essa evidência, coletada usando a tecnologia UFED, desenvolvida pela empresa israelense de inteligência digital Cellebrite, permitiu que os investigadores também detivessem Hoa menos de 24 horas depois de Chen aterrissar na Tailândia.

Hoa, Wongprajan e Chen foram condenados posteriormente como resultado da investigação e agora cumprem penas de quatro anos de prisão.

“Normalmente, o resultado de muitos anos nas investigações da vida selvagem tem sido que as agências conseguem apreender os produtos da vida selvagem comercializados ilegalmente, mas não o traficante”, disse Steven Galster, o fundador da Freeland.

“O comércio legal esconde o comércio ilegal. E é muito difícil para qualquer pessoa perder tempo e descobrir se aquele animal foi importado legalmente ou criado legalmente ou se foi lavado neste canal legal.

“O uso do Cellebrite nos ajudou a explicar aos órgãos de segurança pública para não parar com uma apreensão ou prisão de baixa gravidade e considerar a possibilidade de que eles podem fazer parte de uma rede do crime organizado.”

“A tecnologia pode associar pessoas e mostrar quem é quem, e quem é importante olhar.”

Fendy Chandra, gerente sênior da Cellebrite, disse ao The Independent que o uso de análise forense digital pode ser importante em casos relacionados ao tráfico de drogas, de pessoas e de vida selvagem, já que esses crimes geralmente acontecem por meio de distribuição.

“Desde as transportadoras de baixo escalão às pessoas que transportam as mercadorias contrabandeadas, passando pelos atacadistas e varejistas, até os chefões atrás, todos deveriam ter um telefone celular ou vários dispositivos digitais”, disse ele.

“E esse tráfico não pode simplesmente ocorrer sem que eles operem ao longo de uma determinada cadeia de abastecimento. E precisa haver comunicação e, assim, haveria um registro digital de toda a sua atividade, seja em seus dispositivos ou na nuvem.”

A prisão de Hoa não foi o único caso em que o investigador implantou com sucesso a tecnologia do UFED para impedir a caça furtiva e o comércio ilegal de animais selvagens. Existem pelo menos oito casos de caça furtiva na Tailândia que foram feitos com esta tecnologia.

“Tornou-se parte padrão de uma investigação que, a qualquer momento, somos chamados a uma cena para ajudar, quase sempre agora, nós a usamos”, disse Galster. “Não apenas acelera as coisas, esta tecnologia pode salvar um caso e torná-lo um caso real.”

A campanha do Independent’s “Stop the Illegal Wildlife Trade”, lançada no ano passado, busca um esforço internacional para reprimir a caça furtiva e o comércio ilegal de animais selvagens, que continua sendo uma das maiores ameaças à biodiversidade no futuro.

The “Independent” está trabalhando com instituições de caridade de conservação, incluindo “Freeland” e “Space for Giants”, para proteger a vida selvagem em risco devido à crise de financiamento de conservação causada pela Covid-19.

Fonte: ANDA

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.