PANDEMIA Irresponsabilidade humana deixa animais selvagens vulneráveis à Covid-19

Covid-19 continua a cruzar fronteiras e uma das grandes áreas de preocupação é o desenvolvimento da doença

Imagem de macaco com pata na cabeça

A SARS-CoV-2 continua a cruzar fronteiras e uma das grandes áreas de preocupação é o desenvolvimento da doença na vida selvagem. Após as primeiras infecções em zoológicos e o surto massivo em uma fazenda de visons na Dinamarca, os esforços estão concentrados na prevenção de infecções não controladas em animais selvagens que podem levar a mutações do vírus.

Durante a pandemia da Covid-19, casos de infecção por coronavírus foram detectados em animais de estimação, como cães e gatos, bem como em vários animais que estavam em zoológicos, incluindo gorilas e felinos. Nestes últimos casos, as infecções ocorreram mesmo quando os cuidadores usaram equipamento de proteção individual. Mas o que aconteceu em dezembro passado foi ainda mais preocupante, quando o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos confirmou o primeiro caso de um animal selvagem infectado com o SARS-CoV-2, vírus causador da Covid-19. Os pesquisadores avistaram um vison selvagem infectado em Utah, perto de uma fazenda de visons afetada por um surto do vírus.

Os animais selvagens estão pegando o vírus? Se sim, quais implicações isso teria para os animais e para a sociedade?

Como os vírus passam de uma espécie para outra?

Na ciência, o fenômeno que ocorre quando um vírus passa de uma espécie para outra é chamado de “transbordamento” (“spillover”). Felizmente, esses acontecimentos não são comuns. Para infectar uma nova espécie, um vírus deve ser capaz de se ligar a uma proteína em uma célula e penetrar nessa célula; e tudo isso enquanto tenta sobreviver a um sistema imunológico que nunca foi enfrentado antes. Então, enquanto o vírus tenta evitar anticorpos e outros agentes antivirais, ele deve se replicar em quantidade suficiente para ser transmitido ao próximo animal.

Isso implica que, em geral, quanto mais próximo for o contato entre duas espécies, maior será a probabilidade de elas compartilharem vírus. O chimpanzé, que é a espécie mais parecida com o homem, pode contrair vários vírus humanos e adoecer. No início deste mês, veterinários do Zoológico de San Diego relataram que a manada de gorilas do zoológico estava infectada com SARS-CoV-2, apontando para a possibilidade de que o vírus seja capaz de pular de humanos para espécies.

Alguns vírus tendem a permanecer em uma única espécie ou em espécies semelhantes, enquanto outros são capazes, por sua própria natureza, de fazer saltos entre espécies muito maiores. A gripe, por exemplo, pode infectar uma grande variedade de animais, de pardais a baleias. Da mesma forma, os coronavírus são caracterizados por pular entre espécies de vez em quando.

Uma questão chave é quantas espécies e de que tipo o SARS-CoV-2 poderia infectar (e qual dessas espécies poderia ajudar o vírus a continuar circulando).

A busca por Covid-19 na vida selvagem

Para que o SARS-CoV-2 se espalhe de humanos para a vida selvagem, o animal deve ser exposto a uma dose alta do vírus que seja suficiente para ser infectado. As situações de maior risco ocorrem quando há contato direto com humanos, como quando um veterinário trata um animal ferido. O contato entre uma pessoa infectada e seu animal doméstico ou entre um infectado com Covid-19 e um animal de fazenda também representa um risco, pois esses animais podem atuar como hospedeiros intermediários que permitem que o vírus se espalhe para infectar uma espécie selvagem.

Outra maneira pela qual o vírus pode ser transmitido de humanos para animais é por meio de infecções indiretas, como esgoto. Restos deste e de outros patógenos foram detectados neste tipo de água, muitos dos quais são despejados sem nenhum tratamento em áreas naturais onde certas espécies da fauna silvestre, como mamíferos marinhos, podem estar expostas a eles. Pensa-se que foi assim que alguns elefantes-marinhos da Califórnia contraíram a gripe H1N1 durante a epidemia de gripe suína de 2009.

Para descobrir se estão ocorrendo transbordamentos de SARS-CoV-2, uma equipe da Tufts University trabalha com veterinários e conservadores de vida selvagem nos Estados Unidos para coletar e analisar amostras dos animais sob seus cuidados. Durante esse tempo, amostras de quase 300 animais selvagens de mais de 20 espécies foram analisadas e, até o momento, nenhum (de morcegos, a focas e coiotes) apresentou resultado positivo para Covid-19 em testes de anticorpos ou em amostras coletadas com cotonetes.

Os pesquisadores concentraram suas atividades de vigilância seletiva da fauna silvestre em locais onde ocorreram contágios de animais domésticos. O primeiro caso confirmado de infecção de vison selvagem foi detectado enquanto a vigilância estava sendo realizada perto de uma fazenda de vison onde ocorreu um surto e, embora ainda não esteja claro como este vison selvagem contraiu a doença, o grande número de visons infectados e potencialmente infecciosos por conta das partículas emitidas por eles o fazem falar de uma área de alto risco.

Ruim para os animais e ruim para as pessoas

Quando um vírus passa para uma nova espécie, às vezes, sofre mutação para infectar, replicar e transmitir de forma mais eficiente dentro do novo animal. Esse processo é chamado de “adaptação do hospedeiro”. Quando um vírus passa para um novo hospedeiro e começa esse processo de adaptação, os resultados são imprevisíveis.

No final de 2020, quando o SARS-CoV-2 chegou a uma fazenda de visons na Dinamarca, ele passou por uma série de mutações que são raras quando o vírus ataca humanos. Algumas dessas mutações ocorreram em partes do vírus que a maioria das vacinas foi projetada para localizar. E isso não aconteceu apenas uma vez, mas as mutações ocorreram muitas vezes e de forma independente em surtos produzidos em outras fazendas de visons.

Embora ainda não esteja claro qual é o impacto dessas mutações (se houver) no desenvolvimento da doença em humanos, ou mesmo nas vacinas, esses são sinais de adaptação do hospedeiro que podem levar a novas variantes do vírus; variantes que poderiam permanecer em hospedeiros animais e reemergir no futuro. Outro risco é que o SARS-CoV-2 pode deixar os animais doentes. Organizações ambientais estão especialmente alertas para espécies ameaçadas de extinção, como o furão-de-pés-pretos, um animal semelhante ao vison e considerado altamente vulnerável ao vírus.

Quando um vírus passa para um novo hospedeiro e começa esse processo de adaptação, os resultados são imprevisíveis.

Esses transbordamentos de pessoas para animais selvagens já ocorreram no passado. No final do século 20, o vírus Ebola passou de humanos a grandes macacos e teve consequências devastadoras para essas espécies ameaçadas de extinção. E, mais recentemente, foi detectado um vírus respiratório humano que afeta populações ameaçadas de gorilas da montanha e também causou inúmeras mortes.

Mas talvez o maior risco para os humanos seja que o transbordamento possa fazer com que o coronavírus seja armazenado em novas espécies animais e em regiões que não foram afetadas até agora. Isso pode significar que novos surtos de Covid-19 podem ressurgir no futuro.

Um artigo foi publicado este mês mostrando que isso já aconteceu em pequena escala em fazendas de visons na Dinamarca, onde o vírus passou de humanos para animais e depois de volta para humanos. Embora a equipe da Tufts University não tenha encontrado evidências de casos de Covid-19 em animais selvagens nos Estados Unidos, há evidências conclusivas de transbordamentos frequentes em cães, gatos e alguns animais que vivem em zoológicos. A descoberta de visons selvagens infectados confirmou os temores, já que detectar o primeiro caso em um animal selvagem com Covid-19 foi alarmante, mas não surpreendente.

Fonte: ANDA

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.