QUARENTENA Quarentena reduz poluição sonora nos oceanos e dá alívio aos animais marinhos

A paralisação das actividades humanas e a adopção de medidas de segurança que incluem o distanciamento social estão oferecendo alívio à natureza e aos animais. Registos em todo o mundo mostram espécies silvestres vagando por cidades desertas que outrora foram seus habitats e hoje são dominadas e ocupadas por seres humanos. O planeta está conseguindo respirar e os benefícios do fim das acções antrópicas podem ser sentido até mesmo nos oceanos.

Pesquisadores que examinam sinais sonoros subaquáticos em tempo real de observatórios do fundo do mar administrados pela Ocean Networks Canadá perto do porto de Vancouver encontraram uma queda significativa no som de baixa frequência associado a navios. Segundo David Barclay, especialista em oceanografia e professor da Universidade Dalhousie, a poluição sonora causa danos aos animais. “Sabemos que o ruído subaquático a essa frequência afeta os mamíferos marinhos”, disse.

E completa informando que os dados foram obtidos a partir de informações colectadas antes e após a pandemia: “Houve uma queda consistente no ruído desde 1º de Janeiro, o que representou uma alteração de quatro ou cinco decibéis no período até 1º de Abril”, disse ele. Os dados económicos do porto mostraram uma queda de cerca de 20% nas exportações e importações no mesmo período”, aponta o pesquisador, que sublinha como actividades económicas estão relacionadas com o impacto na natureza.

Para Michelle Fournet, acústica marítima da Universidade Cornell, a redução da poluição sonora possibilita que interações entre baleias sejam estudadas. “Estamos diante de um momento de verdade. Temos a oportunidade de ouvir – e essa oportunidade não aparecerá novamente em nossa vida. Temos uma geração de jubarte que nunca conheceram um oceano calmo. Espero que o que possamos ver seja uma oportunidade para as baleias terem mais conversa e uma conversa mais complexa”, disse.

Nathan Merchant, especialista em bioacústica no Centro de Ciências do Ambiente, Pescas e Aquicultura do governo do Reino Unido (Cefas) em Lowestoft, aponta que esse é o início de uma pesquisa promissora. “Veremos como o coronavírus está afectando o ruído subaquático em toda a Europa; portanto, este trabalho fora do Canadá será o primeiro de muitos. Temos esse experimento natural em andamento. É claro que é uma crise terrível, mas é melhor que analisemos os dados para descobrir que efeito está tendo”, concluiu.

Fonte: ANDA

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.