INDONÉSIA A pequena Mary vivia numa gaiola de madeira antes de ser resgatada

A perda de habitat é uma grande ameaça para o futuro dos orangotangos. Os bebes tornam-se órfãos e são vendidos como animais domésticos


Mary é uma órfã que terá que aprender a sobreviver com a ajuda de humanos.

Embora os orangotangos constem de uma lista oficial do governo da Indonésia como animais altamente protegidos, eles continuam sendo mortos quando seu habitat é destruído para dar lugar a plantações de dendezeiros, mineração, concessões madeireiras e expansão populacional. Muitos bebês tornam-se órfãos e são vendidos como animais domésticos.

O Projeto Orangotango da “Orangutan Org” financia equipes de resgate de orangotangos para realocá-los em habitat florestal protegido e se deparou recentemente com a pequena Mary, uma órfã que estava sendo mantida numa gaiola de madeira. Os moradores da aldeia que prenderam Mary alegaram que ela estava vagando sozinha e que tentaram salvá-la.


Mary era mantida numa gaiola de madeira.

“Achamos isso difícil de acreditar, porque uma mãe orangotango nunca desistiria de seu próprio bebé. É muito mais provável que ela morresse tentando protegê-la. Depois de avaliar rapidamente a situação, a equipe removeu Mary delicadamente de sua gaiola e fez uma verificação de saúde de emergência para garantir que ela estivesse bem o suficiente para viajar até nosso centro de resgates. Ao abrir o recinto Mary abraçou espontaneamente um de nossos cuidadores de orangotangos”, relatou a ONG em seu site. Veja vídeo:

Mary recebeu cuidados por 24 horas por vários dias e foi tratada da desnutrição que, segundo a ONG, geralmente é o resultado de um orangotango em cativeiro sendo alimentado com alimentos “humanos” como arroz. Agora ela está recuperada mas precisa aprender as habilidades necessárias para sobreviver. “Um orangotango selvagem passa mais de oito anos com sua mãe para aprender todas as ferramentas e conhecimentos vitais que precisam para prosperar na natureza”, explica a entidade.


Mary e cuidador de ONG da Indonésia.

A ONG possui uma espécie de “escolinha” para os orangotangos jovens onde Mary já está “matriculada”. O curso básico de sobrevivência na selva dura cinco anos e a ONG necessita de doações para manter todo esse processo de reabilitação dos primatas resgatados. Actualmente cuida de 100 orangotangos órfãos e deslocados em centros de assistência na Indonésia. Para ajudar acesse AQUI


Mary frequenta actualmente “escolinha” de sobrevivência na selva.

Fonte: ANDA