“Se todo animal inspira ternura, o que houve, então, com os homens?”

Uma imagem que diz tudo da desumanização de certos animais (mal) ditos humanos.

Esta criança nunca será criança. E como adulto será mais um monstro a espalhar crueldade e violência pelo mundo.

Isto é normal? Não é.

Isto é humano? Não é.

Por onde andará a Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Protecção das Crianças e Jovens?

Que governo será este que permite tamanha violação dos Direitos das Crianças e dos Direitos dos Animais?

Enquanto isto acontecer, Portugal é um país com um pé no terceiro-mundo.

Iamagem tenebrosa.jpg
Imagem tenebrosa. Assustadora! Surrealista! Violenta! Cruel! Inconcebível!

“É natural”, dizem os aficionados.

“É bonito ver que que o miúdo leva jeito para tourear”…

Como poderá ser natural levar uma criança a assistir a actos que infligem crueldade?

Ouvir uma criança de 3 ou 4 anos dizer que não é bom porque não tem sangue é, no mínimo, assustador!

E saber que há “escolas” para crianças “aprenderem” a torturar animais… bebés é arrepiante!

Bem perto de nós, em Vila Franca de Xira, há uma dessas “escolas” e tem até o apoio da Câmara Municipal.

É doentio promover esta barbaridade! Insensibilizar crianças pode ser considerado maus-tratos. Como podem estes pequenos seres discernir entre o certo e o errado se é para eles natural espetar farpas nas costas de animais bebés?!

“Se todo animal inspira ternura, o que houve, então, com os homens?”
(Guimarães Rosa)

Fonte:

Fonte: Arco de Almedina

FINAL FELIZ Gorila retorna à natureza depois de entrar em santuário de primatas na África

Atraído pelo cheiro de fêmeas resgatadas por ONG localizada nos Camarões, o gorila só estava tentando formar uma família


Gorila Freedom invadiu santuário de primatas em busca de uma fêmea.

A Ape Action África (Acção pelos Grandes Primatas da África), nos Camarões, salva gorilas e chimpanzés dos caçadores que comercializam suas carnes ou vendem os filhotes como animais domésticosNum trabalho inédito da ONG, um gorila da planície que invadiu o santuário pode ser capturado com tranquilizantes e, depois de alguns meses, devolvido à natureza numa região mais segura.

“A Ape Action África se tornou o primeiro santuário nos Camarões a devolver à natureza um gorila da planície ocidental. O retorno de Freedom foi um grande empreendimento. Estamos incrivelmente orgulhosos de nossa equipe e extremamente gratos a todos que trabalharam connosco para alcançar esse sucesso na conservação”, declara a ONG no seu site.

A história de Freedom teve início em Agosto de 2019 quando um dos funcionários da ONG notou um gorila adulto do lado de fora de um dos recintos florestais do santuário. A equipe entrou em estado de emergência.

“O protocolo de fuga foi imediatamente colocado em acção e a equipe se esforçou para identificar o indivíduo que teria fugido de um dos quatro recintos de gorilas. Quando foi relatado que cada um dos 25 gorilas resgatados do santuário continuava em seus grupos, só podíamos pensar que a contagem dos primatas estava errada ou que tinha sido um alarme falso”, esclarece a entidade.

Os gorilas da planície não se reproduzem com parentes. Quando atingem maturidade sexual abandonam sua família e saem em busca de fêmeas em outros grupos.
Mas depois a ONG constatou que um jovem gorila, entre 15 e 17 anos de idade, estava se fato rodeando o santuário: “O solteirão certamente deixou seu grupo natal ao atingir a maturidade sexual para formar seu próprio grupo familiar. Viajando pela floresta em busca de fêmeas, o cheiro das gorilas resgatadas e que estão aos cuidados da Ape Action África o atraiu”.Em 23 anos de trabalho, foi a primeira vez que uma situação desse tipo ocorreu no santuário e a ONG não tinha como saber da onde o gorila era originário. “Infelizmente, o desmatamento em larga escala significa que ele havia entrado em uma área dos Camarões onde os gorilas selvagens não têm mais um habitat seguro. Para a segurança desse macho solitário, bem como das pessoas que moram dentro e ao redor do parque onde fica o santuário, a equipe não teve escolha senão tranquilizar o gorila e protegê-lo em uma de nossas gaiolas satélites vazias”, explica a entidade.O procedimento foi adotado como temporário, pois, o intuito era localizar um lugar seguro para soltar Freedom. A equipe do Ape Action África começou a entrar em contacto com autoridades a fim de obter financiamento para cobrir os enormes custos da operação. O gorila ficou no santuário até que, no início deste mês, finalmente, foi concretizada a acção para sua devolução à natureza. A ONG depende de doações e em seu site há outras histórias emocionantes de primatas. Acesse AQUI

Fátima ChuEcco é jornalista ambientalista e actuante na causa animal

Fonte: ANDA