TRÁFICO DE ANIMAIS Autoridades turcas encontram centenas de partes de animais selvagens em flagrante policial

Entre os 262 itens encontrados estavam uma pele de píton de 4,6 metros, duas presas de marfim e um chifre de rinoceronte, além bijutarias, ornamentos e peças inteiras dos corpos dos animais


A polícia turca encontrou centenas de partes de animais, como chifres de rinoceronte, presas de elefante, entre outras, estimadas no valor de 261 mil dólares, em uma operação realizada em apartamento no distrito de Kağıthane, em Istambul – informaram autoridades na quarta-feira (30).

De acordo com a polícia, o flagrante ocorreu em 23 de Outubro e um total de 269 itens foram apreendidos, incluindo dezenas de partes de animais selvagens, como uma pele de píton de 4,6 metros, duas presas de marfim e um chifre de rinoceronte. A polícia também encontrou dezenas de itens feitos de partes de animais, como bijuterias e ornamentos.

Os oficiais responsáveis pela operação disseram que o suspeito era natural do Azerbaidjão e foi libertado sob controle judiciário após ser detido brevemente.

A Turquia é uma região de trânsito importante para espécies ameaçadas da flora e fauna. Embora os países africanos e asiáticos estejam associados ao tráfico de animais selvagens, a Turquia e outros países europeus são as principais rotas para os traficantes contrabandearem e venderem esses animais.

O país há muito tempo luta contra o tráfico de animais selvagens. Em 2013, foi realizada a quinta reunião do projeto de contrabando de vida selvagem coordenado pela coalizão Turquia e Espanha no âmbito da Convenção sobre Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Fauna e Flora Selvagens (CITES), na cidade de Rize, no norte.

Os rinocerontes são mortos por seus chifres, que se acredita terem benefícios medicinais ou são usados como afrodisíacos, especialmente na Ásia. Enquanto isso, o marfim é tido há séculos como símbolo de status, usado para fazer esculturas, jóias, móveis, teclas de piano e outros itens.

Fonte: ANDA

ALERTA Activistas denunciam a morte de centenas de coalas em incêndio nas florestas australianas

Fora de controle, as chamas devastam a região onde vivem populações raras e geneticamente únicas dos marsupiais. As autoridade ainda não sabem quantos animais podem ter perecido na tragédia
Foto: AAP Image

Autoridades responsáveis pela fauna e flora australianas têm motivos para crer que  centenas de coalas tenham sido mortos por um incêndio florestal que está fora de controle na costa leste da Austrália.

Um incêndio que se acredita ter sido desencadeado por um raio no sábado (26), que caiu a cerca de 400 quilómetros ao norte de Sydney, devastou uma área de mais de 2 mil hectares, mesmo com os esforços de diversas equipes de combate às chamas lutando para controlá-lo.

As equipes de resgate de animais selvagens responsáveis pelo norte de New South Wales (Nova Gales do Sul) acreditam que o fogo pode ter devastado a população “raríssima” de coalas que vivem bem na zona de incêndio.

“A importância especial desses coalas é que eles são muito diversos geneticamente “, disse Sue Ashton, presidente do Hospital Port Macquarie Koala (Hospital de Coalas de Port Macquarie). A especialista teme que centenas de coalas na área afectada tenham perecido no fogo.

“É uma tragédia nacional porque essa população de coalas é única”, acrescentou Sue.

A limpeza e desenvolvimento da terra ao longo do tempo acabou causando uma perda de habitat para os coalas que vivem nas árvores, levando a menos conectividade entre as populações, aumento da consanguinidade e redução da diversidade genética do marsupial, relata o Daily Mail.

Foto: AAP Image

Mais de 70 incêndios continuam queimando o estado de Nova Gales do Sul, que vem enfrentando uma seca severa.

As autoridades dizem que as condições estão melhorando e o fogo diminuindo perto de Port Macquarie, onde grandes navios-tanque estão sendo usados para combater o incêndio intenso.

“O fogo continuará a arder durante toda a noite, no entanto, existem recursos significativos na área para proteger as propriedades”, disse o Serviço de Bombeiros Rural de New South Wales em sua última actualização sobre as chamas.

Foto: AAP Image
Foto: AAP Image

Quase 1.200 bombeiros estavam combatendo 85 incêndios em todo o estado na semana passada, quando vastas áreas da mata foram queimadas.

Sue disse que voluntários de ONG de protecção à vida selvagem se juntariam a bombeiros na área na quinta e sexta-feiras para avaliar a escala de perdas e iniciar uma operação de resgate para os coalas sobreviventes.

“O que acontece com um coala em um incêndio é que eles se assustam e sobem no topo das árvores e se enrolam inteiros até virarem uma bolinha de pelos. Se o fogo passar rapidamente e apenas chamuscar seus pelos, eles ficam bem, o pelo voltará a crescer”, disse ela.

Mas se o fogo se intensificar e continuar queimando a árvore “eles morrem”, acrescentou. “Então, não saberemos ao certo até chegarmos lá e começarmos a procurar”.

Fonte: ANDA

ATENÇÃO E CUIDADO Ursa polar desnutrida que revirava lixo atrás de comida passa por tratamento e se recupera

Marta foi flagrada em Junho caminhando no meio da cidade russa de Norilsk, vagando entre os carros e revirando restos em busca de comida. Magra e doente a ursa foi recolhida e tratada
Martha atualmente | Foto: Aleksandr Kuznetsov
Martha actualmente 

Uma ursa polar magra e desnutrida que foi encontrada vagando pelas ruas de uma cidade russa depois de caminhar por quase 1.000 milhas de seu lar e habitat no Ártico -no auge do verão – se recuperou e está pronta para voltar para casa.

Imagens da ursa que sofria de “desnutrição extrema” correram o mundo depois que ela foi fotografada vasculhando o depósito de lixo na cidade de Norilsk em Junho.

Mas a ursa – que foi baptizada de Marta – agora está saudável novamente. Para poder tratá-la os especialistas tiveram que sedá-la e levá-la em um voo por cerca de 1550 quilómetros para Krasnoyarsk, para que ela pudesse ser reabilitada.

Infelizmente o único local que contava com os equipamentos, medicamentos, profissionais e alojamento adequado para atender Martha no país era o centro de reabilitação em um zoológico.

Em unho, a ursa pesava apenas algo em torno de 100 kg. Seu peso aumentou para 152 kg depois que ela recebeu uma dieta especial de carne crua, peixe fresco e codornas.

Novas fotos recentes de Marta agora mostram a ursa parecendo mais feliz e brincando em sua própria piscina.

Um porta-voz do centro de reabilitação onde ela foi tratada, Royev Ruchei, disse: “Durante meses, os veterinários literalmente lutaram por sua vida”.

Uma dieta especial foi elaborada juntamente com o tratamento recomendado para ela. Seu peso era verificado diariamente.

A ursa quando foi encontrada, revirando lixo | Foto: Zapolyarnaya Pravda/The Siberian
A ursa quando foi encontrada, revirando lixo 

“Hoje ela pesa pouco mais de 150 kg, está se sentindo muito, muito melhor, como se pode ver”, disse o porta-voz.

Agora ela está oficialmente “fora de perigo”, embora a data de sua volta à natureza ainda não tenha sido divulgada.

Um vídeo feito na cidade de Krasnoyarsk mostra como a ursa melhorou.

Ainda não está claro como foi que a ursa polar apareceu tão longe de casa na costa do Árctico quando se aventurou em Norilsk e foi filmada na cidade.

Ela foi o primeiro urso polar visto na cidade em meio século.

Ursa vagando pela cidade russa | Foto: Zapolyarnaya Pravda/The Siberian
Ursa vagando pela cidade russa 

Uma teoria é que ela percorreu pelo menos 335 milhas para o interior do continente – o que esses animais geralmente não fazem.

Outra é que ela foi capturada por caçadores como filhote e criada em cativeiro, e depois fugiu ou foi libertada, o que pode explicar porque ela não tinha medo de humanos quando estava na cidade.

Quando capturada pela primeira vez em Junho, a ursa estava surpreendentemente calma e à vontade ao ser colocada na jaula.

Martha atualmente, expressão renovada | Foto: Aleksandr Kuznetsov
Martha actualmente, expressão renovada 

Isso poderia significar que a Martha enfrentará dificuldades se ela for devolvida à natureza.

Alguns especialistas aventam a possibilidade dela viver em cativeiro caso seja considerada muito mansa para ser mandada de volta ao Árctico.

No entanto nenhuma informação oficial foi divulgada até o momento segundo o Daily Mail.

Fonte: ANDA

ABUSO E CRUELDADE Nove tigres explorados por circo foram encontrados famintos, desnutridos e doentes

Um dos animais já estava morto e permanecia confinado na jaula entre os demais. Os tigres estavam sem comida ou água. As autoridades que os descobriram impediram que os felinos prosseguissem viagem
Foto: TVN24/AFP via Getty Images

Nove tigres que estavam sendo transportados da Itália para um circo na Rússia foram encontrados na fronteira da Polónia com a Bielorrússia em condições lastimáveis: magros, desnutridos, maltratados e presos em pequenas gaiolas imundas onde mal podiam se mexer há dias.

Os enormes felinos foram descobertos famintos, doentes e cobertos por seus próprios excrementos em jaulas apertadas e insalubres, pelas autoridades polacas.

Um vídeo chocante, filmado pelas autoridades mostra que um dos animais do grupo já havia morrido e permanecia entre os demais. Mais fotos e filmagens revelam as condições horríveis em que os animais eram mantidos.

O vídeo, que foi publicado pelo jornal polaco Gazeta Wyborcza, mostra o corpo magro e fraco de um animal caído no chão, aos pés das autoridades polacas atónitas.

A morte de um dos tigres foi causada provavelmente por problemas no estômago, segundo o oficial veterinário da guarda da fronteira Eugeniusz Karpiuk.

Os animais foram levados para tratamento veterinário na cidade de Poznan. Campanhas pedindo doações urgentes para ajudar a salvar a vida dos tigres foram iniciadas e actualizações sobre o estado dos animais foram postadas nas mídias sociais. O estado de deterioração e o abandono de qual foram vítimas, deixaram os tigres em condições críticas de saúde.

Foto: Autoridades da fronteira da cidade de Posnan na Polônia

“Por favor, ajude os tigres mantidos em gaiolas na fronteira da Polónia!”, dizia uma mensagem publicada quarta-feira (30), na conta do Facebook da equipe de veterinários de Poznan. “Os tigres podem morrer em breve! Por favor nos ajude!”.

As autoridades da Bielorrússia se recusaram a deixar o caminhão a entrar no país, dizendo que os cuidadores italianos não têm visto e não possuem os documentos veterinários necessários para o transporte dos animais.

A equipe de resgate viajou mais de 500 km na terça-feira (29) à noite para tentar encontrar os animais impedidos de entrar no país, depois que o inspetor-chefe da fronteira pediu ajuda.

Tigre morto | Foto: Autoridades da fronteira da cidade de Posnan na Polônia
Tigre morto 

“Há mais de uma semana eles estão em gaiolas minúsculas que os impedem de se mover, se alimentar e beber água”, disse o director da equipe de veterinários Ewa Zgrabczynska.

“Eles passaram muita fome e sede, eram mantidos junto aos seus próprios excrementos. Não sabemos quantos deles vão sobreviver ainda”, disse o membro a equipe de veterinários responsável pelos animais.

Segundo a TVN24, a viagem de transporte dos tigres começou em 22 de Outubro, perto de Roma, com destino a uma companhia de circo na Rússia, mas os animais ficaram presos no sábado (26) na fronteira, quando as autoridades se recusaram a permitir a entrada no país.

Foto: Autoridades da fronteira da cidade de Posnan na Polônia

As autoridades polacas disseram que tem sido difícil dar aos tigres comida e água suficientes em suas gaiolas, e estão enfrentando uma corrida contra o tempo para garantir a segurança dos animais.

Alarmados com a condição dos enormes felinos, as autoridades de Poznan permitiram que o zoológico da cidade acolhesse temporariamente os tigres. Infelizmente esse foi o único local que possuía as instalações, especialistas, medicamentos e condições necessárias para receber animais selvagens desse porte.

Zgrabczynska disse que os animais permaneceriam em Poznan até receberem os documentos necessários para serem transportados para uma reserva de animais na Espanha.

Tigre morto | Foto: Autoridades da fronteira da cidade de Posnan na Polônia
Tigre morto 

Em uma actualização publicada recentemente pela equipe de veterinários responsável pelos tigres, eles afirmam que os animais finalmente receberam a liberação das autoridades para serem transportados e receber o cuidado necessário, mas agora começa uma corrida desesperada para salvar a vida dos felinos.

A declaração, publicada em polaco no Facebook, diz: “Este é apenas o começo da luta para mantê-los vivos, mas as expectativas dos animais, de escapar da morte, foram reduzidas”.

“Não sabemos quanto tempo ou se eles sobreviverão, mas não desistiremos, a vida de um animal não tem preço para nós”, disse a equipe de veterinários.

Foto: Repórter/AFP via Getty Images
Fonte: ANDA 


Nota: Obviamente que não poderia postar este artigo aqui no meu blog, sem corrigir os erros que nele existem: POLÔNIA, POLONESAS, POLONESA, POLONESES entre outros erros.

Apenas estes exemplos que dei, em português correcto, é: Polónia, Polacas, Polaca, Polacos!

Fico estupefacto. Não sei como a ANDA posta artigos, que sejam previamente corrigidos, para português correcto. POLÔNIA, POLONESAS, POLONESA, POLONESES? -Sinceramente. Tenham mais atenção no português empregue!

Mário Amorim