TEXTO MEU PARA OS DEFENSORES DA TAUROMAQUIA – Parte II

O livre arbítrio é uma lei universal.
Cabe a vocês, defensores da tauromaquia, escolher, se querem fazer parte da Nova Gaia, ou se querem não ser parte da Nova Gaia.
Se quiserem permanecer iguais; promovendo, directa ou indirectamente a crueldade, a violência tauromáquica, não poderão fazer parte da Nova Gaia, e serão retirados dela. Mas se quiserem fazer parte da Nova Gaia, têm de começar JÁ, por rejeitar totalmente a tauromaquia. Não podem, de nenhuma forma estarem ligados, directa, ou indirectamente ao mundo tauromáquico.
E depois têm de expandir a vossa consciência, e expandi-la cada vez mais. Têm de DESPERTAR!
E agora para terminar pergunto-vos: querem estar neste ser vivo Maravilhoso, na casa, no planeta onde vivemos, ou querem ser retirados dele? -Reflictam bem, enquanto podem. Pois o grande EVENTO pode acontecer a qualquer momento, e nessa altura, É ser tarde de mais para vocês!

Mário Amorim

Anúncios

Parlamento discute proibição de corridas de cães a 2 de Julho

A Assembleia da República vai discutir, no dia 2 de julho, dois projetos de lei apresentados por BE e PAN, com o objectivo de proibir as corridas de cães, prevendo pena de prisão e multa para quem o fizer.

Parlamento discute proibição de corridas de cães a 2 de julho

O projecto do deputado único do partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) quer proibir as corridas de cães “em todo o território nacional, independentemente da sua raça” e prevê sanções para quem promova, divulgue, venda ingressos, forneça instalações, preste auxílio material ou “qualquer outra actividade dirigida à sua realização”.

Quem o fizer, poderá ser “punido com pena de prisão até dois anos ou com pena de multa” e quem “participar, por qualquer forma, com animais em corridas é punido com pena de prisão até um ano ou com pena de multa”, refere o texto que será debatido dia 02 de Julho, e que acrescenta que também as tentativas de levar a cabo um evento destes são puníveis.

No texto, André Silva salienta que “a dignidade dos animais não humanos, designadamente do seu direito à vida e à integridade física, psicológica e mental, constitui um facto incontestável e tem vindo a ser reconhecida de forma transversal na sociedade” e que esse reconhecimento “implica a criação de um quadro jurídico adaptado às suas especificidades e, em particular, à necessidade de medidas vocacionadas para a sua protecção”.

“Apesar do reconhecimento deste novo estatuto para os animais em geral, e de protecção penal para os cães em particular, tem-se verificado que continuam a aparecer ou a persistir actividades, como a corrida de galgos, que perpetuam a exploração dos animais, que os sujeitam a treinos particularmente difíceis, que sujeitam ao abandono e a condições de vida indignas”, acrescenta.

O PAN explica que estes eventos costumam ter um isco vivo, como por exemplo, lebres e os incluem a administração de ‘doping’ aos cães, com “substâncias como efedrina, arsénico, estricnina e, às vezes, cocaína”, podendo levar ao abandono ou morte dos animais.

O partido refere também que as corridas de cães ainda são prática “em 28 países em todo o mundo”, existindo pistas profissionais e pistas amadoras, como é o caso de Portugal, e que a tendência mundial é “para se ir proibindo este tipo de atividades”.

Na ótica de André Silva, essa é uma tendência à qual “Portugal não deve ficar alheio, especialmente porque esta nem sequer é uma actividade que se diga fortemente implementada em Portugal nem tão pouco que seja uma actividade tradicional”.

Também o BE lembra que as corridas de galgos “existem em vários países”, envolvem inclusivamente apostas, e são acompanhadas de “treinos violentos”.

“Em vários casos, as corridas de galgos decorrem sem qualquer licença e sem as mínimas estruturas de apoio à assistência e aos animais”, aponta o partido.

Por isso, os bloquistas querem que “proibir as corridas de galgos e outros cães”, considerando “que são necessárias políticas de protecção do bem-estar animal, para garantir a não promoção de apostas ilegais, para a limitação de actividades que ligadas abandono animal decorrente de lesões e desadequação às corridas e dado que as corridas decorrem sem qualquer enquadramento, nomeadamente de protecção dos animais”.

Apesar de proibir “a realização de corridas de galgos e outros cães”, o projecto de Lei do Bloco de Esquerda não antecipa punições para quem o fizer, ao contrário do documento do PAN.

No dia 02 será também apreciada uma petição, que reuniu mais de 4.500 assinaturas, e que pede ao parlamento a “criação de legislação para proibir as corridas de galgos em Portugal”.

Fonte: SAPO24

TEXTO MEU PARA OS DEFENSORES DA TAUROMAQUIA

Não era para postar este Belo e muito, muito importante vídeo, também aqui neste meu blog. Mas porque acho pertinente vou fazê-lo!

Vocês, defensores da tauromaquia, ao gostarem de tauromaquia, ao irem ver espectáculos de crueldade, de violência, de falta de respeito para com o bem estar, e a vida, de outros seres sencientes, ao praticarem a crueldade, a violência, para com o touro e para com o cavalo, não têm noção disso, mas a energia, a vibração que isso provoca é altamente negativa.
Ao agirem desta forma, o vosso campo energético é baixissimo.
Não pensam nisso, mas toda a energia negativa que isso vos provoca, é nefasta para a vossa saúde. Pois quem não estiver sempre bem, energéticamente, não está bem na sua saúde.
E depois, há uma outra questão, muitíssimo importante para vós.
A energia negativa que vocês provocam a vós próprios é de tal forma destrutiva, que vocês não terão lugar na nova Gaia. Concerteza que perceberam isso, ao terem ouvido o vídeo acima.
Só pessoas que têm a sua energia em consonância com a nova Gaia, é que nela poderão permanecer, depois do grande Evento final de transição planetária. E esse, não é vosso caso.
Então; o que podem fazer para poderem permanecer em Gaia, depois do grande evento? – Desde logo, mudarem totalmente o vosso comportamento. Não alinharem mais com a prática tauromáquica. Recusarem-na completamente. Lutarem contra ela. E muito importante. Afastarem-se o mais que puderem de pessoas que ainda não mudaram o comportamento delas, relativamente à tauromaquia. Pois a vossa presença perto dessas pessoas, não é bom para a vossa vibração!

Mário Amorim