E É ISTO UM CANDIDATO À CÂMARA MUNICIPAL DA GOLEGÃ, PELO PSD, DOUTOR PEDRO PASSOS COELHO?

Fiquei enojado, com a linguagem ordinária desta figura.
A linguagem baixa, que esta figura utilizou para com a Isabel, é bem demonstrativa, da falta de nível, da maioria dos Psicopatas Tauromáquicos.

Nos anos em que estive no facebook, o que lia de 98% dos Psicopatas Tauromáquicos, era linguagem como esta, para com todos aqueles que lutam contra a tauromaquia.

Quando eles têm oportunidade de participar num debate de tv, a linguagem utilizada, é também uma linguagem sem nível, uma linguagem agressiva e ofensiva.

Mas entre as pessoas que defendem a tauromaquia, há pessoas que não se revêm neste tipo de linguagem. E essas pessoas, não querem fazer parte do grupo de pessoas, que na sua maioria, usam e abusam deste tipo de linguagem para com quem é contra a tauromaquia. E passam a ser contra a tauromaquia.

A linguagem de Victor Borges da Costa, ajudará, com toda a certeza, a que muito mais pessoas, entre quem defende a tauromaquia, se juntem a nós, na luta contra a tauromaquia.

Mário Amorim


Fui ao mural do Facebook, de Victor Borges da Costa, aficionado dos quatro costados, candidato à Câmara Municipal da Golegã, pelo PSD, deixar aquele recado que publiquei ontem, de que não votaríamos em quem fosse comprometido com a selvajaria tauromáquica.

E ele respondeu-me desta maneira magistral, que diz bem do baixo nível moral, cultural, humano e político dos candidatos às autarquias que pugnam pela selvajaria tauromáquica, quer sejam do PSD ou de qualquer outro partido. Quando se trata de aficionados, só há uma cor política possível: o vermelho do sangue dos Touros.

Isto sim, é um candidato com grandes “COMBIÇÕES” (em bom Português!)

GOLEGÃ1.jpg

Envergonho-me disto. Como é possível que, no meu país, exista este tipo de coisa: candidatos a Câmaras Municipais com tão baixo nível moral, cultural, humano e político!?

O que tem a dizer sobre esta vergonha, Dr. Passos Coelho?É este atraso civilizacional, esta incultura, esta falta de civismo e educação, esta ordinária expressão verbal (que o AO90 veio disfarçar), que tem para oferecer a Portugal?

Gente desta não pode estar à frente de uma Câmara Municipal, ainda que a terrinha seja atrasada civilizacionalmente. Com gente assim Portugal nunca evoluirá.

Até quando teremos esta desgraça nacional a emperrar a evolução do nosso desventurado país, onde ainda há “gente” desta com pretensões a “políticos”?

O comentário, entretanto, foi apagado.

A página deste candidato social-democrata é esta:

https://www.facebook.com/victor.borgesdacosta.1?hc_ref=ARTl1dVabMLCD96kiN9En76X_3lODZ_WmKTHrj_qZneu1vgdb7Z9lmQhNBVW-OyUETE&fref=nf

JAMAIS VOTAREMOS NESTA ESPÉCIE DE CANDIDATOS.

NÃO PODEMOS PERMITIR QUE “GENTE” ASSIM SE EMPOLEIRE NO PODER

Fonte: Arco de Almedina

Anúncios

CONTEÚDO ANDA Centenas de guaxinins são assassinados nos EUA

A cidade de Nova York (EUA) tem assassinado centenas de guaxinins e outros animais para realizar testes de raiva e descobrir que a grande maioria deles não está infectada

O Departamento de Saúde testou 662 guaxinins para a raiva entre 2014 e 2016, porém apenas 18 tinham a doença viral mortal, informaram oficiais.

Guaxinim

Apenas 23 dos 1,248 animais sacrificados e testados durante esse período estavam com raiva, o que significa menos de 2%. Os animais devem estar mortos para o teste porque o procedimento requer tecido cerebral.

A lei estadual exige que as cidades matem animais suspeitos de ter raiva, a menos que sejam cães, gatos, furões ou bois e vacas. Esses animais podem ser mantidos em observação se morderem humanos e o teste não é realizado se eles não parecem doentes após 10 dias.

A crueldade tem despertado protestos de ativistas que descrevem os protocolos de teste como desnecessários, improdutivos e imorais.

“Estes não são invasores de zumbis que vão comer seus filhos e seu cachorro. Além de antiético, isso é um desperdício de recursos e de tempo”, disse Edita Birnkrant, diretora executiva do grupo de direitos animais NYCLASS, que tentou sem sucesso convencer o prefeito Bill de Blasio a proibir as carruagens puxadas a cavalo.

Stephanie Bell, diretora sênior da PETA, declarou: “Se as autoridades querem fazer algo produtivo sobre a raiva – elas já demonstraram que não é endêmica na população selvagem de guaxinins – devem impor leis de vacinação para animais domésticos, garantir que o lixo seja descartado adequadamente e aprovar proibições contra a alimentação de animais silvestres”.

“A maneira como a cidade está lidando com isso, perseguindo esses grandes números e matando eles, você tem que dizer que há algum nível de desinformação”, destacou Birnkrant.

Em 2016, a cidade gastou quase US$ 660 mil em uma campanha publicitária para aumentar a conscientização sobre a vida selvagem, incluindo os guaxinins, reportou o New York Post.

Não existiu um caso de raiva em humanos em Nova York desde 1947, de acordo com os oficiais.

Especialistas em animais selvagens disseram que os picos de raiva entre os animais que vivem na cidade ocorrem em intervalos de poucos anos porque um surto eliminará dezenas de guaxinins. Uma vez que seus números se recuperarem, a raiva aumentará novamente.

A cidade descobriu 144 animais contaminados em 2010 e apenas 13 em 2011. As autoridades reportaram 11 animais contaminados até agora neste ano, o mesmo número de 2015 e 2016. Todos os casos de 2017 ocorreram na região do Bronx.

Fonte: ANDA