FORÇA ENFERMEIROS DE PORTUGAL! SE O GOVERNO APOIA A TAUROMAQUIA,TERÁ TAMBÉM DE VOS APOIAR!

Os projectos vencedores do Orçamento Participativo Portugal em número de votos foram: Rede Regional de Ludotecas – 8.373 votos; Cultura Para Todos – 6.614; Selvajaria Tauromáquica – 5792 votos, que vá-se lá saber como e porquê, receberá 200 mil Euros, tal como todos os outros 38 projectos vencedores.

Porém… há um porém, magnificamente colocado pelo meu lúcido amigo Dr. Vasco Reis, Médico Veterinário, que diz esta incontestável, indiscutível, indubitável, irrefutável verdade:

«É um péssimo indicativo da qualidade cultural e ética de parte da sociedade portuguesa e da governação, quando uma actividade de exploração violenta e cruel de animais tem aceitação de espectáculo, é considerada cultura e tem direito a subsídios e a prémios pecuniários e outras regalias. Atraso de Portugal!»

SOFRIMENTO.png

Também hoje, recebi da minha amiga DuDu Silva, este testemunho muito elucidativo, e que diz da repulsa que este episódio surrealista de uma prática selvática poder concorrer ao OPP está a provocar na população portuguesa, porque são muitos a pensar o mesmo.

«Bom dia Isabel, hoje de manhã na padaria, ouvi algo mais ou menos assim “então a tauromaquia ganhou 200 mil euros não sei do quê, estava a dar na TV. Médicos de família não há, mas dinheiro para isto já há”».

E não é apenas médicos de família que não há.

Não há verba para dignificar profissões nobres, como a dos Enfermeiros, que andam em luta, e os governantes não cedem.

Não há verbas para comprar toalhas de banho para os hospitais públicos. Os doentes são limpos com os lençóis em que estão deitados, ou os familiares têm de levar as toalhas de casa. Digo isto com conhecimento de causa, porque já tive de levar toalhas de banho para um hospital público, se quis decência na higiene de um familiar.

Não há verbas para contratar mais pessoal para as Escolas, Hospitais, Forças de segurança pública….

Enfim… existe um rol enorme de carências que são menosprezadas.

Mas para a tauromaquia nunca se diz NÃO!

Mais me disse a minha amiga DuDu:

«O problema é a falta de informação. Se utilizassem a TV para passar a mensagem (culta) muito mais gente votaria (na Cultura Culta), porque afinal, a televisão é o meio de comunicação mais utilizado pelas pessoas

Pois é, DuDu. Mas não interessa às televisões (e outros media) pugnarem pela Cultura Culta, porque quem lhes dá audiências é a fatia mais inculta do povo português, que se contenta com PÃO E CIRCO, ou seja, barriga cheia, ou quase cheia, e festas pimbas; novelas pimbas, onde predominam cenas violentas; filmes pimbas; reality shows pimbas, onde é realçada toda a miséria moral, cultural e social de jovens a quem não dão oportunidade de um futuro digno de seres humanos, e obviamente, a transmissão e vulgarização da prática selvática da tauromaquia, com toda a sua crueldade, violência, imbecilidade e desumanidade.

Senhores ministros da Cultura, da Educação, do Ensino, da Saúde, e já agora o governo de Portugal, com a sua política ZERO (Jean-Claude Juncker, Presidente da Comissão Europeia, lá teria a sua razão para excluir Portugal da Europa), demitam-se. Não estão a servir os interesses de Portugal, nem dos Portugueses. Estão apenas a servir os interesses de lóbis obscuros.

Portugal está na senda do maior retrocesso jamais conhecido na sua História.

É lamentável tudo isto.

Esperamos que o povo português mais lúcido penalize, nestas eleições, os predadores de Portugal.

Esta mensagem chegará, no mínimo, a 35 países, de todos os continentes. E também espero que, quem de direito, se sinta responsabilizado e envergonhado, por esta miséria moral, cultural e social em que o meu País está mergulhado.

Isabel A. Ferreira

***

O QUE DIZ O GRUPO MARINHENSES ANTI-TOURADAS

Marinhenses Anti-touradas

OPP1.png
«Tauromaquia Beneficia de um Extra que Não Estava Inicialmente Previsto no OPP»

O Orçamento Participativo de Portugal tinha 375 mil euros para distribuir por projectos de âmbito nacional. O projecto de “âmbito nacional” mais votado foi “Cultura para Todos” e recebe 200 mil euros. Devido ao tal valor extra de última hora, que tão conveniente foi para a Indústria Tauromáquica, o segundo projecto de “âmbito nacional” mais votado no OPP – “Tauromaquia, Património Cultural de Portugal” – que pedia 200 mil euros, também ganha 200 mil euros!

É só “fazer as contas”…

Fonte: Arco de Almedina

Anúncios

RAZÕES DA CADA VEZ MAIOR PUTREFACÇÃO DA TAUROMAQUIA, EM PORTUGAL

A tauromaquia, em Portugal, está cada vez mais putrefacta. E estas são as razões.

Os Psicopatas Tauromáquicos, não conseguem provar cientificamente, incluindo com publicação numa revista cientifica, as alegações sobre o touro.
Os Psicopatas Tauromáquicos, não são capazes de provar, com documentação, a alegação que a tauromaquia se subsidia a si própria. Não são capazes de provar, com documentação, que não recebem anualmente, milhões de € de subsídios, do Estado, da União Europeia e das Camaras Municipais.

Eles sabem, que os milhões de € de subsídios que anualmente recebem, numa questão de tempo, vão acabar. E sem eles, a tauromaquia será abolida. Pois são esses milhões de € que permitem a sua existência, em Portugal.

Os Psicopatas Tauromáquicos, não são capazes se realizar uma sondagem séria, e completamente imparcial, por todo o continente e ilhas. Pois sabem muito bem, qual seria o resultado.

As praças de touros, estão cada vez mais as moscas. E nem com entradas de borla, e com convites, elas enchem.

Cada vez mais pessoas, por não quererem ser vistas como Psicopatas, se afastam da tauromaquia, e passam a lutar contra a tauromaquia.

Cada vez mais pessoas, se recusam a ser coniventes, com os Psicopatas, os Sociopatas que torturam, física e psicologicamente o touro e o cavalo, na arena de uma praça da touros, e se afastam da tauromaquia.

Ontem, virão o seu projecto derrotado, o que aumentou, ainda mais o estado de putrefacção da tauromaquia.

O desespero dos Psicopatas Tauromáquicos é cada vez mais crescente e evidente.

Em suma. A ABOLIÇÃO da tauromaquia, em Portugal, está cada vez mais perto!

Mário Amorim