Por minha parte, a partir de agora, será assim!

Resultado de imagem para psicopatia taurina

A partir de agora, deixarei de apelidar, aqui no meu blog, quem defende a tauromaquia, de defensores da tauromaquia, ou de qualquer outro nome, que não seja o que eles na verdade são.
Eles são Psicopatas, Sociopatas. Por tanto, a partir de agora, irei apelida-los sempre de Psicopatas Tauromáquicos, de Sociopatas Tauromáquicos.
Quem maltrata animais não-humanos, na tauromaquia, nos circos com animais não-humanos, nos aquários com golfinhos, baleias e focas, na caça, nas lutas de cães, nas corridas de cães, nos saltos com cavalos, nas corridas de cavalos, são todos Psicopatas. Por tanto; se o são, devem ser referidos como tal. E quem age assim para com animais não-humanos, também age contra contra o animal-humano.

Até aqui, também apelidava os Psicopatas Tauromáquicos de pró-tourada. De defensores da tauromaquia. Mas a partir de agora, isso acabou. Será apenas de Psicopatas Tauromáquicos, Sociopatas Tauromáquicos!

Mário Amorim

Anúncios

CONTEÚDO ANDA Milhares de golfinhos estão prestes a ser assassinados durante caça anual no Japão

Depois de alguns meses de pausa, a terrível caça de golfinhos na baía de Taiji (Japão) recomeçou neste mês

Golfinhos sangram no mar de Taiji

Milhares de golfinhos ficarão presos entre os barcos antes que a maioria deles seja assassinada. Os sobreviventes serão vendidos para aquários onde passarão o resto de suas vidas em minúsculos tanques.

Este imenso massacre é aprovado pelas autoridades japonesas e continua ocorrendo com a indiferença geral da população. O governo do país proibiu que qualquer interferência da baía vizinha, em um esforço para impedir que ativistas se aproximem e interrompam a caçada.

Novos métodos de execução são menos sanguinários, mas igualmente violentos

Os métodos usados pelos pescadores para matar os animais são particularmente brutais. Depois de reunir um grupo de golfinhos, as embarcações os forçam a ir para a baía bloqueando qualquer rota de fuga com redes para que os mamíferos fiquem completamente presos.

Eles lançam arpões de metal nas colunas vertebrais dos animais, que ficam juntos para impedir a grande perda de sangue na água.

Até 2009, os caçadores perfuravam os animais com arpões. O sangue dos golfinhos tingia as águas de vermelho. O lançamento de “The Cove”, um documentário de Ric O’Barry, ex-adestrador de golfinhos famoso pelo filme “Flipper”, despertou ultraje internacional quanto ao massacre de animais em Taiji.

Método usado na caça

Ainda que os pescadores tenham mudado seus métodos, as consequências trágicas são as mesmas. O corte da coluna vertebral nem sempre provoca uma morte instantânea e alguns golfinhos são arrastados ainda vivos para os barcos antes de serem cortados. Outros se afogam ou colidem contra as rochas, sofrendo uma morte lenta e dolorosa.

Aqueles que perpetuam essa barbaridade tentam justificar suas ações citando a “tradição ancestral”. Porém, se a caça de baleias e de golfinhos não é um fenômeno novo e tem sido documentada ao longo da história, a maneira com que eles são mortos hoje só foi inventada na década de 1970.

Cumplicidade do governo japonês

As cotas para a caça são estabelecidas anualmente e determinam o número de animais que serão assassinados. Oficialmente, a carne dos animais deve ser vendida para o consumo e destinada a diversos supermercados e restaurantes, às vezes sem que o cliente conheça a sua origem.

Essa distribuição é orquestrada pelo poderoso sindicato de pesca japonês, a Japan Fisheries Association, que é responsável pela caça em Taiji.

Porém, a realidade sobre a carne dos cetáceos no Japão não corresponde às declarações oficiais da organização. Poucos japoneses consomem a carne de baleias e golfinho, pois elas possuem altas concentrações de mercúrio, um metal perigoso para a saúde dos humanos. A Organização Mundial da Saúde publicou um relatório em 2008 que cita as populações em perigo devido à substância.

O ministro da Saúde do país está ciente dessa informação, pois recomendou que crianças, mulheres grávidas e idosos não consumam a carne de baleias e golfinhos.

O verdadeiro custo da indústria do entretenimento

O verdadeiro motivo por trás do assassinato desses animais é a lucrativa indústria de aquários e parques marinhos. Nem todos os animais são capturados e alguns são escolhidos para serem vendidos a preços exorbitantes. Um golfinho morto tem o custo de US$ 500 enquanto um animal destinado ao cativeiro em um aquário pode ser vendido por até US$ 30 mil.

Golfinho explorado para entretenimento

Os aquários que decidem adquirir animais da baía não são controlados pela WAZA (World Association of Zoos and Aquariums), uma organização que supervisiona zoológicos e aquários a nível internacional. Ela proibiu a compra de animais de Taiji, mas isso ainda ocorre e as organizações chinesas são as maiores contribuintes da prática.
Em 2015, a JAZA, o braço japonês da WAZA, se desvinculou dos pescadores de Taiji, proibindo a venda de cetáceos da baía para aquários no Japão. Infelizmente, isso não acabou com os assassinatos, revela o The Holidog Times.

Crescem os protestos internacionais

Porém, a revolta contra a caça começou a crescer em todo o mundo. Se o Sea Shepherd não irá para o Japão durante esta temporada, os ativistas alertam o público que os golfinhos capturados e vendidos para a indústria do entretenimento são drogados e forçados a realizar truques em troca de alimento.

O público, portanto, inconscientemente e involuntariamente, participa desse círculo vicioso, que só poderá ser quebrado quando as pessoas se recusarem a financiar a exploração animal.

Protestos como o Japão Dolphin Day são organizados anualmente no início de Setembro para denunciar a matança em Taiji. Em seu site, Ric O’Barry oferece alguns conselhos importantes sobre como acabar com a brutalidade.

A possibilidade de mudança está nas mãos do público. Enquanto as pessoas frequentarem esses parques, a baía de Taiji será tomada pelo sangue dos golfinhos e eles passarão o resto de suas vidas em tanques estreitos e sendo forçados a realizar truques para entreter o público.

Fonte: ANDA