«MINISTÉRIO PÚBLICO ABRE INQUÉRITO A “TOUROS DE FOGO” NAS FESTAS DE BENAVENTE»

«Autarquia lamenta o sucedido e diz que o animal não ficou ferido. Bloco de Esquerda e PAN exigem esclarecimentos.»

A autarquia de Benavente justifica a barbárie dizendo que o touro não ficou ferido?

Dizer isso demonstra uma ignorância crassa. Apetece-me dizer, porque isto tira-me do sério, que se ateassem fogo às HASTES (e estou a ser educada usando um vocábulo civilizado) dos autarcas que disseram esta barbaridade, eles também não ficariam feridos, muito pelo contrário, até agradeciam, porque ter as HASTES a arder é divertidíssimo!!!!

Tenham paciência, que sejam parvos, nada contra, mas não queiram fazer os outros de parvos.

E atenção! As “picarias” também se realizaram, e também são ILEGAIS.

image.jpg
Foto: Facebook IRA

«O Ministério Público abriu um inquérito crime sobre os “touros de fogo“, actividade que se realizou nos dias 22 e 23 durante a Festa da Amizade, em Benavente.

Numa resposta enviada à agência Lusa, a secção de Benavente do Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) – comarca de Santarém – anuncia que foi determinada a “abertura de inquérito para efeitos de investigação da eventual prática de crime relacionada com a actividade “touros de fogo“.

Na investigação, o Ministério Público é coadjuvado pela GNR.

BE e PAN exigem esclarecimentos

O Bloco de Esquerda (BE) questionou o Governo sobre os “touros de fogo” nas festas de Benavente, uma prática “evidentemente ilícita e alvo de justa indignação”.

O BE quer saber, através do Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, se estavam presentes forças policiais no evento, se tentaram impedir o acto ilícito e que medidas estão as entidades competentes a desenvolver para identificar os responsáveis pelo acto e para a sua responsabilização.

O PAN – Partido dos Animais e Natureza dos Animais e da Natureza já questionou a ministra da Administração Interna sobre o sucedido nas festas de Benavente.

“Apesar das várias interpelações do partido e de outras entidades aos órgãos de polícia criminal, estes alegadamente estiveram presentes no local das festividades e nada fizeram para impedir a tentativa ou consumação desta prática ilícita e atentatória do bem-estar e da integridade física do animal”, pode ler-se na página no Facebook do partido.

Um grupo de populares colocou fogo nos chifres de um touro, na madrugada do último sábado, denunciou o PAN e vários populares nas redes sociais, vendo-se imagens do animal com os chifres em chamas.

Autarquia lamenta o sucedido e diz que o touro não ficou ferido

A actividade “touros de fogo” consta do programa da Festa da Amizade, na página na Internet da autarquia, mas o presidente da Câmara disse à agência Lusa que foi retirada depois de um parecer desfavorável da Direcção-Geral de Veterinária.

Carlos Coutinho explica que a actividade havia sido colocada no programa sem conhecimento prévio do município, que apoia a festa organizada pelas comissões da Sardinha Assada e da Picaria, tendo quinta-feira sido decidido cancelá-la, depois de ser reconhecido que esta não é uma tradição do concelho e de ser recebido o parecer da Direcção-Geral de Veterinária, pedido pelos organizadores.

O autarca argumenta que o incidente ocorrido na madrugada de sábado, durante a festa que decorreu no final da semana na vila, não se enquadra no chamado “touros de fogo” que se pratica em Espanha, em que são colocados nos cornos do touro panos embebidos num líquido inflamável posto a arder enquanto o animal corre num espaço aberto, provocando queimaduras e ferimentos.

“O que aconteceu não foi ’touros de fogo’. Algumas pessoas decidiram colocar uma pequena estrutura em ferro acoplada aos cornos de um touro, onde colocaram pequenos foguetes usados nos bolos de aniversário que arderam durante 30 ou 40 segundos. Não provocou qualquer ferimento no animal, ao contrário do que sucede em Espanha”, disse Carlos Coutinho, que lamentou o sucedido.»

Fonte:

http://rr.sapo.pt/noticia/87282/ministerio_publico_abre_inquerito_a_touros_de_fogo_nas_festas_de_benavente

***

 Senhor Carlos Coutinho, mais valia ter ficado CALADO.

Justificar um crime deste modo tão básico, não lembraria nem ao mais analfabeto cidadão de Benavente.

Sabemos que estamos em ano de eleições autárquicas, mas isso não deve servir para o “vale tudo” com o objectivo de angariar votos de um povo muito dado à selvajaria tauromáquica, que permanece inculto, graças ao apoio da autarquia.

Além disso, ainda há o crime das “picarias” que se realizaram, apesar de serem uma actividade também ilícita.

Mas aqui nem sequer está em causa a ilicitude da barbárie. Está em causa acções próprias de um povo primitivo e encruado, desadequadas ao século XXI da era cristã.

Benavente está no rol das localidades mais atrasadas civilizacionalmente.

Uma autêntica vergonha!

Lembro aos psicopatas tauromáquicos o seguinte

Lembro aos Psicopatas tauromáquicos, que o touro é obrigado a ir para a praça de touros. E depois é obrigado a ir para a arena, onde será vitima de uma vil crueldade.
Quando agem desta maneira para com o touro, não param para pensar, e perguntarem a vós próprios; se isto é querer o bem-estar, a felicidade do touro!?
Enquanto que quem aqueles que são cruéis para com o touro, na arena, estão lá, porque querem.

E agora, vou perguntar-vos!
E que tal se fossem vocês. Se fossem retirados da vossa casa à força, serem levados para a praça, depois para a arena da praça, e lá levarem com farpas no vosso lombo. Será que gostavam?

É por isto, que sou pelo touro. Sempre pelo touro!

Mário Amorim

Lagartos ameaçados são mortos para rituais religiosos

Uma equipe de investigadores e cientistas da Índia e do Reino Unido descobriu uma grande fraude internacional

 

Os órgãos sexuais dos lagartos de Hierro têm sido comercializados como raízes de plantas tântricas, também conhecidas como Hatha Jodi, para clientes de grandes varejistas online, incluindo a Amazon, o Ebay, o Alibaba, o Snapdeal, o Etsy, entre outros.

https://www.anda.jor.br/wp-content/uploads/2017/06/in-e1498150210517.jpg

Além da diáspora asiática no Reino Unido, nos EUA e na Europa, os praticantes tântricos acreditam fortemente que a Hatha Jodi, se adequadamente energizada por um guru, pode mudar a vida de uma pessoa trazendo imensa riqueza e felicidade. No entanto, o que tem sido vendido para eles é o pênis seco de um lagarto protegido que está sendo capturado e morto na Índia.

“Ficamos chocados com a audácia e com a escala deste comércio de animais selvagens. Os comerciantes enganadores alegam vender a raiz da planta sagrada rotulada como ‘Hatha Jodi’ e estão vendendo pênis de lagarto seco para seus clientes involuntários. Esses itens estão prontamente disponíveis no Reino Unido e nos EUA com potencial valor de US$ 60 mil”, disse o cientista Neil D’Cruze.

Esses lagartos são caçados na natureza e capturados por armadilhas. De acordo com o World Animal Protection, alguns têm a garganta cortada ou os crânios esmagados antes da remoção dos órgãos genitais vendidos como Hatha Jodi.

Já outros animais enfrentam ainda mais sofrimento e têm os órgãos removidos enquanto ainda estão vivos, sem qualquer misericórdia pela dor que eles sentem. A Hatha Jodi é comercializada como um amuleto de boa sorte que afasta os espíritos – a planta rara é encontrada somente em áreas remotas do Nepal e da Índia Central.

órgãos sexuais dos lagartos

Testes de laboratório realizados por cientistas da Manchester Metropolitan University revelaram evidências que sugerem que os clientes têm sido enganados e testes independentes de laboratórios indianos confirmaram o que era antes uma suspeita.

“Dadas as fotos anunciadas online, precisávamos entrar no laboratório para confirmar nossas suspeitas de que essas raízes secas de plantas eram de fato derivadas de lagartos indianos. Os testes revelaram que alguns desses itens são realmente molduras plásticas de genitália de lagarto Monitor”, declarou o cientista colaborador David Megson, da Manchester Metropolitan University.

Todos os lagartos Monitor são animais da Lista I e qualquer comércio envolvendo partes dos seus corpos é um crime nacional de acordo com os termos da Lei de Proteção da Vida Selvagem Indiana, 1972.

Tanto o Lagarto de Bengal como o Monitor Amarelo também estão listados no Apêndice I da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies de Flora e Fauna Ameaçadas de Extinção (CITES) – o mais alto nível de proteção jurídica internacional que pode ser oferecido e que proíbe o comércio dos animais.

Em uma recente operação de combate ao comércio de animais selvagens, uma Hatha Jodi, incluindo o pênis de largatos amarelos e de Bengal, foram encontrados em uma residência em Bhubaneswar (capital do indiano indiano Odisha State, Índia) por uma equipe conjunta da Wildlife Trust of India, Departamento de Controle Federal de Crimes contra a Vida Selvagem (WCCB), Setor de Crimes da Polícia Estatal e Departamento de Florestas.

Pàgina da Amazon exibe órgãos sexuais dos lagartos como se fossem Hatha Jodi

O preço dos itens ilegais deve variar de US$ 6 a 63 cada, sendo que o custo é estabelecido de acordo com o tamanho. Houve mais operações nos estados de Andhra Pradesh, Madhya Pradesh, Gujarat e Rajasthan.

“Este comércio internacional é uma grande preocupação para a sobrevivência das espécies de lagartos envolvidos. Tanto os lagartos de Bengal e Monitor Amarelos estão protegidos pela legislação indiana e internacional. Até mesmo uma busca rápida mostra centenas de itens à venda, às vezes a preços superiores a US$ 250 cada”, disse o investigador principal, Aniruddha Mookerjee.

“Sem controle, essa demanda pode crescer na medida em que deixa algumas populações selvagens no limite. O produto está livremente disponível online e em lojas em todos os principais sites hindus de peregrinação na Índia”, adicionou.

O World Animal Protection informou que está contatando todos os revendedores internacionais para que eles removam todas as partes dos corpos de lagartos vendidos como Hatha Jodi em seus sites.

Fonte: ANDA

Não tenho pena nenhuma. Aqueles que são cruéis, que são bárbaros para com o touro, por vezes colhem o que semeiam!

Morre o toureiro Ivan Fandiño depois de tomar uma chifrada na França

O hábil basco, de 36 anos, foi chifrado nas costas ao escorregar quando tentava fazer um movimento de defesa

O hábil toureiro Iván Fandiño (Orduña, País Basco, 1980) morreu no sábado, dia 17 de junho, à tarde depois de uma chifrada na praça Aire-Sur-l’Adour, situada no sudoeste da França. O toureiro escorregou ao tentar fazer um movimento de defesa com a capa contra o touro de seu colega Juan del Álamo, caiu no chão e ali o animal, pertencente à criação espanhola de Baltasar Ibán, o chifrou na lateral direita. Imediatamente, foi transportado a um hospital de Mont de Marsan, onde os plantonistas não puderam fazer nada para salvar sua vida. De qualquer forma, os plantonistas não quiseram confirmar a notícia e encaminharam-no a um corpo médico próximo.

Iván Fandiño tinha cortado uma orelha de seu primeiro touro e atuava ao lado do colega Juan del Álamo e do toureiro francês Thomas Dufau.

“Estou morrendo”

efe

“Que se apressem para me levar ao hospital porque estou morrendo.” Essas foram as últimas palavras pronunciadas por Iván Fandiño antes de falecer no fim do trajeto da ambulância da cidade francesa de Aire Sur L’Adour para o hospital Layné de Mont de Marsan.

Essas palavras, segundo jornal francês Sud-Oest, foram ditas ao toureiro francês Thomas Dufau, colega de Fandiño na corrida de 17 de junho, e um dos responsáveis por carregá-lo à enfermaria da arena.

De forma trágica acaba a vida de um grande toureiro, que chegou à glória e há alguns anos passava por uma fase de ostracismo da qual não conseguiu sair, apesar de seus intensos esforços.

O momento culminante de sua vida de toureiro foi vivido em 29 de março de 2015, quando se fechou sozinho na arena de Las Ventas, com seis touros das chamadas ganaderías duras, as fazendas de criação de segunda linha: Partido de Resina, Adolfo Martín, Cebada Gago, José Escolar, Victorino Martín e Palha. Pregou o cartaz de não há ingressos, e protagonizou a página mais brilhante de sua carreira, registrando uma tarde para a história da tauromaquia.

Não obteve sucesso porque os touros não permitiram, mas saiu da arena com passo firme e convencido de que tinha realizado uma das grandes proezas da festa de touros.

Mas aquela tarde lhe passou a fatura pessoal e profissional. Desde aquele 29 de março, Fandiño nunca foi o mesmo. Perdeu seu semblante de toureiro entusiasmado, as empresas lhe deram as costas e não chegou a recuperar o prestígio que tinha ganho heroicamente na arena.

Iván Fandiño tinha 36 anos, era o único toureiro basco na ativa. De caráter sério e poucas palavras, abriu caminho na profissão à base de coragem e com uma técnica bem aprendida.

Sua biografia revela que, sem tradição taurina em sua família, chegou a se destacar como jogador de pelota basca quando ainda era adolescente, mas seu gosto pelos touros levou a melhor. Vestiu-se de luzes pela primeira vez em Llodio em 1999, e debutou com picadores em seu povoado natal em 2002. Cortou uma orelha em sua apresentação em Madri, em 12 de setembro de 2004, quase um ano antes de destacar-se em Bilbao em 25 de agosto de 2005, com El Juli como padrinho e Salvador Vega como testemunha.

Chegaram, depois, alguns anos de aposentadoria forçada, até que se garantiu em Las Ventas em 2009 e, algumas temporadas depois, começou a sequência de feiras importantes. Em 2011, apresentou-se em Madri em quatro ocasiões, cortou quatro orelhas e foi declarado vencedor da feira de San Isidro.

Em 2013, foi premiado como autor da melhor tourada do ciclo madrilenho diante de um touro de Parladé, que lhe inferiu uma forte chifrada, e no ano seguinte abriu a Porta Grande em 13 de maio depois de cortar as duas orelhas de outro touro da mesma criação.

Iván Fandiño viveu seus anos de grandeza até 2015, nos quais se tornou um toureiro imprescindível em todas as feiras e vencedor em algumas delas.

Por isso, atreveu-se com o que havia de difícil, com seis touros de criações mais duras, e registrou seu nome na história.

Nos dias 18 e 29 de maio passado atuou na feira de San Isidro e não conseguiu recuperar o sucesso que tinha lhe escapado.

Agora, devido aos mistérios do destino, o toureiro basco descansa em paz depois de uma chifrada mortal em uma arena francesa.

Fonte: EL PAÍS

***

Não tenho pena nenhuma.
Quem semeia ventos, colhe tempestades.
Entre o bem-estar e a vida do touro e o bem estar e a vida, dos toureiros, toureiros a cavalo e forcados, quero o bem-estar e a vida do touro. Sou pelo touro. Sou pelo seu bem-estar, pela sua felicidade.
Por isso, quando fica ferido, ou morre um Psicopata Tauromáquico, como foi o caso do Ivan Fandiño, não fico com pena nenhuma. O touro, apenas fez o que tinha todo o direito a fazer, lutar pelo seu bem-estar, pela sua vida!

Mário Amorim

CONTEÚDO ANDA Elefanta ferida por caçador encontra um final feliz

Os animais selvagens são seres belos e majestosos, mas, infelizmente, isso nem sempre resultado no respeito por eles. Os elefantes, por exemplo, são vítimas do comércio de marfim e mortos por suas presas

Infelizmente, os elefantes adultos não são os únicos afetados por este comércio. Os bebês deixados para trás são muito prejudicados por essa indústria bárbara.

https://www.anda.jor.br/wp-content/uploads/2017/06/sp2.jpg

Felizmente, existem organizações incríveis como o David Sheldrick Wildlife Trust (DSWT) que trabalham para ajudar a resgatar os pequenos animais. A bela transformação de Murka, uma elefanta encontrada em 2010 com uma lança embutida no fundo de seu crânio, é apenas um exemplo do incrível trabalho que o DSWT faz.

Ela recebeu o nome da área onde foi descoberta e ficou sob o cuidado vigilante e amoroso do grupo até que finalmente retornou à natureza.

Em 2010, quando chegou ao santuário, a condição de Murka era crítica. Ela estava à beira da morte e a lança estava alojada em oito centímetros de profundidade em sua testa.

O bebê elefante foi levado para o Nairobi Nursery, onde imediatamente recebeu os cuidados intensivos de que precisava tão urgentemente para sobreviver.

https://www.anda.jor.br/wp-content/uploads/2017/06/sp3-e1497971325482.jpg

Os ferimentos eram tão graves que danificaram os seios nasais de Murka. Ao chegar a sua nova casa, ela teve um colapso várias vezes, de tão fraca e exausta de sentir dor.

Foram necessários meses de tratamento diário para que as feridas se gradualmente se curassem e para a elefanta conseguir beber água por meio da tromba novamente – primeiro em quantidades muito pequenas.

Como ela experimentou um trauma tão inacreditável, Murka precisou de um longo período para começar a confiar nas pessoas. Porém, ela aprendeu a aceitar seus cuidadores humanos.

Enquanto se recuperava, o bebê foi cuidado pela matriarca do local Suguta, que se certificou de que os outros elefantes fossem gentis com ela. Com o tempo, Murka começou a brincar com seus novos amigos e a descobrir todas as pequenas alegrias de sua nova vida.

Em 2011, Murka estava totalmente curada e se formou na Unidade de Reintegração de Ithumba. Ali, ela aprendeu todas as habilidades necessárias para viver como uma elefanta selvagem.

https://www.anda.jor.br/wp-content/uploads/2017/06/sp4-e1497971381650.jpg

Sua incrível história teve um final feliz recentemente quando Murka atingiu a idade suficiente para retornar à natureza.

Juntamente com um grupo de outros elefantes, Murka agora vive em Tsavo, uma área protegida por iniciativas de vigilância contra a caça e do DSWT.

A elefanta não abandonou completamente o lugar e as pessoas que lhe deram uma segunda oportunidade na vida e frequentemente retorna para ver sua família humana.

Murka obteve o final mais maravilhoso de sua história de transformação e cura. Embora tenha enfrentado muitos obstáculos e ficado gravemente ferida e com dor, ela conseguiu encerrar esse capítulo terrível de sua vida. Agora, ela possui muitos anos de felicidade em seu futuro.

Fonte: ANDA

ONTEM, BENAVENTE FOI PALCO DE UMA SÉRIE DE CRIMES EM CADEIA NUMA SÓ NOITE

(Ao cuidado da PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA e do GOVERNO PORTUGUÊS que permite que as leis não sejam cumpridas em Portugal e que as autoridades não sejam punidas por esse incumprimento).

 

Ontem foi anunciado que os ilegais touros de fogo”, previstos para a hipócrita “festa da falsa amizade”, no lugarejo de Benavente, distrito de Santarém, onde ainda se vive na Idade da Pedra Lascada, haviam sido cancelados OFICIALMENTE, confirmação a partir do Comandante do Destacamento de Coruche da GNR, passada através do oficial de serviço do Comando Territorial de Santarém da GNR, de acordo com a ONG Animal.

Eu, previdentemente, não deitei foguetes antes do tempo, porque em terra de doidos tudo é possível.

E na realidade, o que não devia ter acontecido, aconteceu: os “touros de fogo” saíram à rua, ILEGALMENTE, e as autoridades locais nada fizeram para o impedir.

Ver o vídeo aqui:

https://www.facebook.com/intervencaoeresgateanimal/videos/467351183605409/?hc_location=ufi

O PAN, na sua página do Facebook, informou que iriam agir em conformidade, contudo, a conformidade, neste caso, seria meter as autoridades na cadeia, por não terem feito cumprir a lei. Era o que fariam comigo, se eu não cumprisse o meu dever como cidadã. Certo?

Isto é uma vergonha para a Nação Portuguesa.

Vou enviar o vergonhoso cartaz da horrorosa “festa ” da falsa AMIZADE de Benavente para os operadores turísticos estrangeiros. É que andam por aí a vender um Portugal bonito que existe, sim, mas também existe este outro, feio e podre, que tem de ser denunciado ao mundo, para que se saiba que em Portugal, em determinadas localidades, ainda se vive como na pré-história, do período da Pedra Lascada, e existe uma espécie de homo que está ao nível da mais primitiva bactéria, apenas porque as autoridades portuguesas assim o permitem.

O inconcebível aconteceu: a notícia diz que o evento dos “touros de fogo” foi CANCELADO, mas CANCELADO na linguagem das autoridades significa LUZ VERDE.

A barbárie dos “touros de fogo” CONSUMOU-SE, naquele lugarejo habitado por atrasados mentais, sádicos e psicopatas e por autoridades que não têm autoridade para fazerem cumprir a Lei.

O evento ILEGAL realizou-se, e nenhuma autoridade se atreveu a IMPEDI-LO. Porquê? É a pergunta.

Vivemos num tempo bárbaro, apesar de estarmos no terceiro milénio da era cristã. E Portugal e os Portugueses não merecem isto.

Pois agora é hora de denunciar essas autoridades a uma autoridade maior, se é que a há, neste nosso pobre país, entregue a bárbaros.

Sinto a maior vergonha por viver num país onde práticas bárbaras e cruéis fazem parte do “divertimento” de um povo abestalhado, apoiado por governantes irresponsáveis.

E amanhã, dia de São João, dizem que há mais: há as PICARIAS, também ilegais.

Ficamos a aguardar por mais este atrevimento.

Serão capazes de repetir o mesmo ERRO duas vezes seguidas?

19366268_142650249621933_5486738452928419430_n.jpg

(Origem da imagem:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=142650249621933&set=p.142650249621933&type=3&theater

O Pedro Calçada publicou um vídeo, e cobardemente retirou-o. Ficou apenas esta prova. Afinal isto não é uma festa.  É um crime…??? Se fosse festa não teria sido retirado.

https://www.facebook.com/pedro.calcada.50/videos/pcb.1561930280505701/1561926437172752/?type=3&theater

Isabel A. Ferreira

Fonte: Arco de Almedina

***

Isabel, este Psicopata, chamado Pedro Calçada, ao retirar o vídeo (segundo a sua informação), apenas mostrou, uma das características dos Psicopatas, a cobardia.

E de um cobarde, de um Psicopata tauromáquico, como é o caso deste Pedro Calçada, não se podia esperar outra atitude. Pois é própria deles!

Mário Amorim

CONTEÚDO ANDA Tartarugas marinhas correm grave risco de extinção, indica estudo

A informação foi divulgada por um estudo publicado no jornal Global Change Biology, na última sexta-feira (16).

O aumento das temperaturas, causado pelo aquecimento global, faz com que a população de tartarugas marinha cresça desproporcionalmente, com um número muito maior de fêmeas do que de machos, afetando a reprodução das espécies.

https://www.anda.jor.br/wp-content/uploads/2017/06/tartaruga-3.jpgOs ovos precisam de uma temperatura entre 25ºC a 35ºC para se desenvolver. Um aumento dessas temperatura pode levar à morte dos embriões

Além disso, o estudo indica que se as temperaturas elevarem muito, os ovos, que necessitam de um ambiente de temperatura entre 25ºC a 35ºC para sobreviver, acabariam morrendo, levando a espécie à extinção em diversas partes do mundo.

A temperatura na qual os embriões se desenvolvem quando ficam incubados, afetam diretamente na formação do sexo dos indivíduos, o que é chamado de Determinação Sexual Dependente da Temperatura (TSD, na sigla em inglês).

A temperatura ideal para que machos e fêmeas fossem desenvolvidos igualmente em número, seria em torno de 29ºC. Quando a temperatura se eleva acima disso, mais fêmeas começam a ser geradas, e se a temperatura diminui, mais machos são gerados. E considera o atual e gradativo aumento das temperaturas no planeta, mais tartarugas marinha fêmeas serão geradas, ocasionando um desequilíbrio.

E embora os machos possam acasalar com mais de uma fêmea, a reprodução será ameaçada se a quantidade de machos for inferior. Além disso, há outro problema: a poluição das águas aumenta, cada vez mais, o número de mortes de ovos e tartarugas.

“Acima de uma temperatura crítica, a taxa de crescimento natural da população cai, por causa do aumento da mortalidade nos ninhos. As temperaturas são altas demais e os embriões em desenvolvimento não conseguem sobreviver”, explica o biólogo Jacques-Olivier Laloë, da Universidade Deakin, na Austrália.

E para que a extinção da espécie seja freada, será necessário um esforço em conjuntos de entidades de várias nações ao redor do mundo. “Se for necessário, medidas de conservação poderiam ser adotadas ao redor do mundo para proteger os ovos. Essas medidas envolvem criar sombras artificiais para os ninhos de tartarugas ou mover os ovos a uma incubadora protegida e com temperaturas controladas.”

Fonte: ANDA